Pesquisa Ipespe/Jornal da Paraba aponta vitria de Cssio Cunha Lima j no primeiro turno

Imagem da Internet

Imagem da Internet

A Pesquisa Ipespe sobre a corrida para o governo da Paraba nas eleies de 5 de outubro mostra o senador Cssio Cunha Lima, da coligao “A Vontade do Povo”, na liderana, com 43% das intenes de voto. O tucano est com 7 pontos percentuais de vantagem sobre o seu principal adversrio, o governador Ricardo Coutinho, da coligao “A Fora do Trabalho”, que aparece com 36% das intenes de voto.

O senador Vital do Rgo Filho (PMDB) est na terceira posio, com 3% das intenes de voto. J os candidatos Major Fbio, Antnio Radical e Trcio Teixeira no pontuaram na pesquisa. Os votos nulos e brancos somam 7% e os eleitores indecisos, ou seja, aqueles que no sabem ou no responderam, somam 10%.

O cenrio atual apresenta Cssio na liderana nas regies do Agreste (50% a 28%) e Borborema (49% a 29%), enquanto Ricardo lidera nas regies da Mata (42% a 35%) e Serto (43% a 41%). Na capital, a diferena de 9 pontos percentuais pr Ricardo, que tem 42% contra 33% do adversrio. Em Campina Grande, Cssio tem quatro vezes a votao do seu opositor, com 56% contra 14%, uma diferena de 42 pontos percentuais.Na pesquisa espontnea, Cssio lidera com 38% contra 32% de Ricardo. Em seguida vem Vital com 3%. Os outros candidatos no pontuaram. Os votos nulos e brancos somam 7% e os que no sabem ou no responderam somam 19%.

RICARDO DETM 29% DE REJEIO DO ELEITORADO

Na reta final da campanha, o governador Ricardo Coutinho, que disputa a reeleio, lidera no quesito rejeio. De acordo com a pesquisa Ipespe, realizada nos dias 23 a 25 de setembro, o socialista tem 29% de rejeio. Em seguida vem o candidato do PSDB, Cssio Cunha Lima, com 27%, seguido por major Fbio (15%), Vital do Rgo Filho (13%), Antnio Radical (11%) e Trcio Teixeira (9%). Ainda conforme o Ipespe, 9% dos eleitores rejeitam todos os candidatos; 4% poderiam votar em todos e 18% no sabem ou no responderam.As maiores taxas de rejeio de Ricardo esto nos grupos dos homens (33%), com idade entre 25 e 44 anos (30%); com ensinofundamental e superior (29%) e com renda familiar de 2 a 5 salrios mnimos (30%). J Cssio, detm os maiores ndices entre os grupos do sexo masculino (31%), com idade entre 25 e 44 anos (28%), com nvel superior (34%) e com renda superior a 5 salrios mnimos (38%).

Por regio, as maiores taxas de rejeio de Ricardo esto no Agreste (39%) e na Borborema (30%). J Cssio, lidera nas regies da Mata (32%) e Serto (27%). Em Joo Pessoa, Cssio tem 35% de rejeio contra 23% de Ricardo. Por outro lado, em Campina Grande, Ricardo quem lidera com 30% contra 14% do seu opositor.

 

PARA 54% CSSIO VENCE ELEIES 2014

Os eleitores ouvidos pelo Ipespe tambm se manifestaram sobre quem tem mais chances de ser eleito governador da Paraba. De acordo com a pesquisa, o senador Cssio Cunha Lima (PSDB) considerado o favorito para vencer o pleito, com 54% das intenes de voto. O governador Ricardo Coutinho (PSB) vem em segundo lugar, com 31%, enquanto o senador Vital do Rgo Filho obteve apenas 1% das intenes de voto. Os candidatos Major Fbio, Antnio Radical e Trcio Teixeira no pontuaram na pesquisa. Os que no sabem ou no responderam somam 14%.

Os nmeros apontam o favoritismo de Cssio em todas as regies: Mata (46% a 37%), Agreste (62% a 21%), Borborema (57% a 29%) e Serto (53% a 37%). Em Joo Pessoa e Campina Grande, Cssio tambm lidera o favoritismo: 43% a 36% e 83% a 9%, respectivamente.

Contratada pelo Jornal da Paraba, a pesquisa foi realizada nos dias 23 a 25 de setembro e est registrada no Tribunal Regional Eleitoral da Paraba (TRE-PB), sob o protocolo nmero PB-00035/2014 e no Tribunal Superior Eleitoral (TSE), sob o protocolo nmero BR 00863/2014. Foram realizadas 1.500 entrevistas. A margem de erro da pesquisa de 2,6%, com uma confiabilidade de 95,45%.

Comentar


Datafolha mostra Dilma com 40%, Marina com 27% e Acio com 18%

Em simulao de segundo turno, Dilma tem 47% e Marina, 43%. Instituto ouviu 11.474 eleitores nos dias 25 e 26 de setembro

Pesquisa Datafolha divulgada nesta sexta-feira (26) aponta os seguintes percentuais de inteno de voto na corrida para a Presidncia da Repblica:

– Dilma Rousseff (PT): 40%
– Marina Silva (PSB): 27%
– Acio Neves (PSDB): 18%
– Pastor Everaldo (PSC): 1%
– Luciana Genro (PSOL): 1%
– Eduardo Jorge (PV): 1%
– Z Maria (PSTU): 0%*
– Rui Costa Pimenta (PCO): 0%*
– Eymael (PSDC): 0%*
– Levy Fidelix (PRTB): 0%*
– Mauro Iasi (PCB): 0%*
– Branco/nulo/nenhum: 5%
– No sabe: 6%

* Cada um dos cinco indicados com 0% no atingiu, individualmente, 1% das intenes de voto; somados, eles tm 1%.

No levantamento anterior do instituto, divulgado no dia 19, Dilma tinha 37%, Marina, 30%, e Acio, 17%.
A pesquisa foi encomendada pela TV Globo e pelo jornal “Folhade S.Paulo”.

Segundo turno

O levantamento divulgado nesta sexta indica que, em um eventual segundo turno entre Dilma e Marina, a candidata do PT tem 47% das intenes de voto e a do PSB, 43%. Segundo o Datafolha, “embora persista o empate tcnico no limite da margem de erro, h maior probabilidade de Dilma estar frente de Marina nestecenrio“. a primeira vez que a presidente aparece numericamente frente. Na semana passada, Marina tinha 46% e Dilma, 44%.

Na simulao de segundo turno entre Dilma e Acio, a petista vence por 50% a 39% (49% a 39% na semana anterior).

O Datafolha ouviu 11.474 eleitores em 402 municpios nos dias 25 e 26 de setembro. A margem de erro de dois pontos percentuais para mais ou para menos. O nvel de confiana de 95%. Isso significa que, se forem realizados 100 levantamentos, em 95 deles os resultados estariam dentro da margem de erro de dois pontos prevista. A pesquisa est registrada no Tribunal Superior Eleitoral (TSE) sob o nmero BR-00782/2014.

Espontnea

Na modalidade espontnea da pesquisa (em que o pesquisador somente pergunta ao entrevistado em quem ele pretende votar, sem apresentar a lista de candidatos), os resultados so os seguintes:

– Dilma Rousseff : 33%
– Marina Silva: 21%
– Acio Neves: 14%
– Outras respostas: 2%
– Em branco/nulo/nenhum: 5%
– No sabe: 25%

Rejeio

A presidente Dilma tem a maior taxa de rejeio (percentual dos que disseram que no votam em um candidato de jeito nenhum). Nesse item da pesquisa, os entrevistados puderam escolhermais de um nome. Veja os nmeros:

– Dilma Rousseff: 31%
– Marina Silva: 23%
– Pastor Everaldo: 22%
– Acio Neves: 20%
– Z Maria: 17%
– Levy Fidelix: 17%
– Eymael: 16%
– Luciana Genro: 15%
– Rui Costa Pimenta: 14%
– Eduardo Jorge: 13%
– Mauro Iasi: 13%

Avaliao da presidente

A pesquisa mostra que a administrao da presidente Dilma Rousseff tem a aprovao de 37% dos entrevistados mesmo ndice do levantamento anterior, divulgado no ltimo dia 19. O percentual de aprovao rene os entrevistados que avaliam o governo como “timo”ou “bom”.

Os que julgam o governo ruim ou pssimo so 22%, segundo o Datafolha (ante os 24% da semana passada). Para 39%, o governo “regular” (eram 38% no levantamento anterior).

O resultado da avaliao :

– timo/bom: 37%
– Regular: 39%
– Ruim/pssimo: 22%
– No sabe: 1%

A nota mdia atribuda pelos entrevistados ao governo foi 6,1 (a mesma da semana anterior).

G1

Comentar


TSE aprova tropas federais para eleies em Campina Grande

Ministra Maria Tereza

Em razo da urgncia, a ministra Maria Thereza de Assis Moura, do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), autorizou monocraticamente (com posterior referendo pelo Plenrio) o envio de fora federal para garantir a normalidade das Eleies 2014 no Municpio de Campina Grande (PB), que compreende cinco zonas eleitorais (ZEs n 16, 17, 71 e 72).

A requisio foi feita ao TSE pelo TRE da Paraba em funo do ”recrudescimento de atos de violncia e de desordem nas reas das Zonas Eleitorais sob nossa jurisdio, tendo em vista algumas peculiaridades ligadas aos movimentos polticos na regio polarizada por Campina Grande”. De acordo com informaes do TRE-PB, relatrio de inteligncia da Polcia Federal (PF) indicou a necessidade de reforo no aparato de segurana ostensiva para assegurar a realizao das eleies, tendo em vista o histrico de eventos ocorridos em eleies passadas.

A Secretaria de Segurana e da Defesa Social da Paraba informou que tem condies de assegurar a ordem e a segurana durante o pleito em todo o Estado, mas no apresentou qualquer objeo requisio de tropas federais, pois acredita que haver uma soma de esforos. Em sua deciso, a ministra Maria Thereza lembra que o TSE estabeleceu como regra no autorizar o envio de fora federal s localidades em que o governo estadual tenha dado garantia de segurana no dia da eleio, mas, no caso da Paraba, o secretrio de Segurana Pblica no se ops ao envio de fora federal.

Em que pese a resposta emitida pelo secretrio em relao ao pedido, verifico que, de fato, as referidas justificativas dos juzos eleitorais so sinalizadoras da necessidade de auxlio pelas tropas federais para a garantia da ordem pblica no municpio durante as Eleies 2014.

Ademais, some-se a isso o histrico de requisies deferidas para a localidade em questo nas Eleies de 2012 e de 2010. Por esses fundamentos, e considerando a proximidade das eleies, defiro,ad referendum, o pedido de requisio de fora federal para atuar durante a realizao das eleies e a apurao dos resultados no Municpio de Campina Grande, concluiu a ministra do TSE.

Com Assessoria do TSE

Comentar


Presidente da CCJ da Assembleia pede ao TCE relatrio sobre compras de aeronaves

Imagem da Internet

Imagem da Internet

O presidente da Comisso de Constituio e Justia da Assembleia Legislativa da Paraba, deputado Janduhy Carneiro (PTN) encaminhou ofcio ao presidente do Tribunal de Contas do estado da Paraba (TCE/PB), conselheiro Fbio Nogueira, solicitando o envio do Relatrio de Auditoria daquele tribunal que aponta irregularidades na compra de duas aeronaves por parte do Governo do Estado.

A solicitao do deputado Janduhy Carneiro se baseia em matria jornalstica publicada no Jornal da Paraba, de autoria do jornalista Lenilson Guedes, onde relata que auditores do Tribunal de Contas teriam encontrados possveis irregularidades na compra de aeronaves para uso do governo estadual.

O Jornal da Paraba desta quinta-feira, 25, trouxe mais um dado que fundamenta a suspeita de provvel superfaturamento na aquisio de um helicptero que est sendo utilizado pelos rgos de segurana do Governo Ricardo Coutinho. A aeronave, que tem mais de trs anos de uso, teria custado aos cofres do Estado R$ 1,2 milho a mais que um modelo novo.

“De acordo com o jornal, uma aeronave nova modelo Esquilo AS350 B2, monoturbinada, custa no mercado brasileiro aproximadamente R$ 8,4 milhes. No entanto, na aquisio do helicptero ano 2010, junto empresa americana Tradewinds Aircraft Sales, vencedora do Prego Presencial n 037/2013, realizado pela Secretaria da Administrao do Estado em 30 de abril de 2013, o governo pagou R$ 9,645 milhes”, revela o deputado.

O deputado lembra que no contra a aquisio de helicpteros para ajudar na melhoria da segurana, mas lembra que se faz necessrio observar a legalidade da compra e verificar se no houve realmente um superfaturamento.

“A aquisio da aeronave por parte da gesto do governador Ricardo Coutinho foi alvo de uma recente auditoria feita pelo Tribunal de Contas do Estado. H informaes de que o parecer dos auditores apontou nove itens que geram suspeitas de irregularidades na compra do equipamento. Por esse motivo que solicitamos Corte daquele tribunal que nos envie o relatrio para que possamos tomar as devidas providncias”, finalizou o deputado.

Com Assessoria

Comentar


Pesquisa Vox Populi registra 13% de vantagem de Dilma Roussef sobre Marina Silva

 

Imagem da Internet

Imagem da Internet

Pesquisa Vox Populi/Carta Capital divulgada nesta quinta-feira (25) mostra a candidata Dilma Rousseff (PT) na liderana com 38% das intenes de voto para a Presidncia da Repblica. A candidata do PSB, Marina Silva, aparece com 25% e Acio Neves (PSDB) com 17%. A pesquisa foi divulgada pela revista Carta Capital.


Na ltima pesquisa, do dia 10, Dilma tinha 36% das intenes, Marina tinha 28% e Acio, 15%. Votos nulos e brancos eram 7% e o percentual de indecisos estava em 13%.

Na pesquisa divulgada hoje (25), Pastor Everaldo (PSC) teve 1% das intenes de voto. Luciana Genro (PSOL), Eduardo Jorge (PV), Levy Fidelix (PRTB), Z Maria (PSTU), Eymael (PSDC), Mauro Iasi (PCB) e Rui Costa Pimenta (PCO) tiveram juntos 1%. Votos brancos e nulos somam 7% e os eleitores indecisos, 11%.

O Vox Populi fez duas simulaes de segundo turno. Em uma disputa entre as candidatas Marina Silva e Dilma Rousseff, o empate tcnico persiste. A petista tinha 41% e foi para 42%, enquanto a candidata do PSB passou de 42% para 41%.

Em uma disputa entre Dilma e ecio, a candidata do PT venceria com 45% das intenes de voto contra 37% do candidato tucano. Na pesquisa anterior Dilma venceria por 44% a 36%.

Foram feitas 2 mil entrevistas em 147 cidades. O levantamento foi feito na tera (23) e ontem (24). A margem de erro 2,2 pontos percentuais. A pesquisa est registrada no Tribunal Superior Eleitoral com o nmero BR-00757/2014.


Agncia Brasil

Comentar


Hugo participa de carreata de Ricardo em Matureia e aumenta rumores de traio da famlia Motta ao PMDB

Imagem da Internet

Imagem da Internet

Primeiro foi o ex-prefeito Nabor Wanderley, candidato a deputado estadual, que participou de uma carreata do governador Ricardo Coutinho (PSB), candidato a reeleio, em Santa Terezinha, no Serto paraibano. O episdio levantou suspeita sobre uma suposta traio da famlia Motta ao PMDB, que tem como candidato a governador o senador Vital Filho.
Agora, foi a vez do filho de Nabor, deputado federal Hugo Motta, participar de uma outra carreata de Ricardo, desta vez no municpio de Matureia, prximo a Teixeira. Hugo fez questo de posar para fotos ao lado do governador, a quem tratou como se fosse um antigo correligionrio. O fato aumentou os rumores sobre um apoio “camuflado” da famlia ao socialista. S falta a prefeita de Patos, Francisca Motta, tomar partido.
Veja abaixo, matria publicada no site Parlamentopb.com.br:
O governador Ricardo Coutinho (PSB) recebeu o apoio da populao e de lideranas polticas de Matureia, na Serra do Teixeira, durante passagem da Caravana do Trabalho na cidade, no comeo da noite desta quarta-feira (24). Acompanhado do candidato a senador Luclio Cartaxo (PT) e do deputado federal Hugo Motta (PMDB), Ricardo passou pela principal rua da cidade. A presena do deputado peemedebista no evento gerou especulaes sobre uma eventual dissidncia do parlamentar candidatura do PMDB e possvel adeso ao projeto socialista.
Os vereadores Leandro Maia (PSD) e Paulo do Posto (PSB), que apoiam a candidatura do socialista, tambm integraram a caravana e elogiaram o modo de governar de Ricardo. Ele o melhor para a Paraba. Que outro governador abriria um hospital do cncer em pleno Serto? Que outro governador construiria rodovias para ligar mais de 50 pequenas cidades isoladas com o resto do Estado? No tem nem comparao com os adversrios, que no trouxeram uma obra sequer para nossa regio, criticou o parlamentar socialista.
Em Matureia, o governo de Ricardo entregou a restaurao da PB-306, ligando a cidade a Princesa Isabel, e um kit de mecanizao da agricultura familiar, no Assentamento 1 de Maio, beneficiando 35 famlias, e um nibus escolar.
Em andamento, esto obras como, a reforma da Escola Antnio Moacir Dantas Cavalcanti, a construo de 717 cisternas e a elaborao de projeto destinado ao gerenciamento integrado de tratamento de resduos slidos para a regio. Pelo Pacto Social, a cidade recebeu uma ambulncia, a reforma de uma escola municipal e um veculo utilitrio.
Comentar


Ex-prefeita paraibana ter que devolver quase R$ 1 milho aos cofres pblicos

Imagem da Internet

Imagem da Internet

O Tribunal de Contas do Estado da Paraba (TCE-PB) emitiu, nesta quarta-feira (24), parecer contrrio aprovao das contas da ex-prefeita de So Jos dos Ramos, Maria Aparecida Rodrigues de Amorim, referente ao ano de 2012.

Alm de ter a contas desaprovadas, Cida, como conhecida a ex-gestora, ainda recebeu imputao de dbito no valor de R$ 909.263, 64, por promover despesas com a compra de combustvel, contribuies previdencirias, locao de trator, imveis e veculos, sem a devida comprovao documental.

A deciso que motivou a rejeio das contas de Cida Amorim foi amparada pelo relatrio do conselheiro Renato Srgio Santiago Melo, acompanhado pelos demais conselheiros. A ex-prefeita ainda pode recorrer da deciso.

Com Assessoria

Comentar


Luclio afirma que vai lutar por recursos em Braslia para ajudar Ricardo a governar

Imagem de Assessoria

Imagem de Assessoria

Uma grande carreata e um comcio que levou uma multido via principal da cidade de Princesa Isabel marcou os momentos finais da agenda desta quarta-feira (24) da Caravana do Trabalho, puxada pelo do governador Ricardo Coutinho (PSB) e por seu companheiro de chapa, o candidato a senador Luclio Cartaxo (PT). Antes de chegar Princesa, a Caravana j havia passado pelos municpios sertanejos de Tavares, Juru, Imaculada, Maturia, Teixeira e So Jos do Bonfim, de onde partiu a grande manifestao.

Durante o percurso, em vrios momentos Ricardo e Luclio discursaram. Em sua fala, o candidato petista reforou a importncia de Ricardo enfim ter em Braslia um senador parceiro, pronto para contribuir com o desenvolvimento da Paraba sendo um defensor permanente dos seus interesses e trazendo recursos e programas sociais importantes.

At hoje Ricardo no contou com um centavo sequer em emendas para ajudar nos projetos e obras que executou. Se o governador fez tanto nesses quase quatro anos de mandato sem ter ao seu lado um senador comprometido com esse grande projeto de crescimento do Estado, imagine o que ser capaz de realizar quando a Paraba optar pela renovao no Senado e escolher Luclio Cartaxo senador, destacou o companheiro de chapa do governador.

Para Luclio, a Paraba podia estar vivendo uma situao ainda melhor se no passado alguns de seus senadores – dois deles, que hoje brigam para voltar ao cargo – tivessem trabalhado focados no desenvolvimento do Estado.

Quando tiveram suas chances no corresponderam s expectativas do povo paraibano. No produziram nada de positivo para o Estado durante sua passagem pelo Senado. Agora querem mais oito anos, prometendo fazer o que nunca fizeram, enfatizou o candidato petista, que completou: “No h como contestar que a Paraba vem fazendo sua escolha pela renovao. A prova est nas ruas”.

Com Assessoria

Comentar


Ministrio Pblico Eleitoral representa contra quinze candidatos por propaganda irregular na Paraba

A Procuradoria Regional Eleitoral na Paraba (PRE/PB) representou contra 15 candidatos por propaganda irregular em placas que excediam o limite legal permitido e afixao de faixas e adesivos em comrcio. Tambm foram representados quatro cidados por envelopamento de veculos. As representaes foram ajuizadas pelo gabinete do procurador eleitoral auxiliar Joo Bernardo da Silva.

Placas- Treze candidatos foram representados pela PRE/PB em decorrncia da colocao de placas que excediam o limite legal permitido. O rgo explica que se verificou a existncia de placas justapostas, com inscries dos candidatos. Somadas, suas superfcies ultrapassavam a dimenso de 4 metros quadrados, limite regulamentado pela Resoluo n. 23.404 do TSE, o que caracteriza propaganda irregular, em razo do efeito visual nico.

“Pela posio das placas, qualquer pessoa que visualizasse uma delas, automaticamente veria a seguinte, gerando, dessa forma, o efeito outdoor, j que, insista-se, esto no mesmo campo de viso”, ressalta Joo Bernardo. As placas irregulares foram colocadas em comrcios e imveis particulares. Em um desses imveis, verificou-se tambm pintura em muros.

Faixas e adesivos- Outros trs candidatos (um deles tambm demandado por uso de placas fora do limite legal) foram representados pela PRE/PB devido afixao de faixas e adesivos em bem de uso comum, neste caso, um comrcio. As representaes esto em conformidade com o artigo 37 da Lei n. 9.504/97, que esclarece que “a propaganda eleitoral em bens de uso comum proibida, seja ela de qualquer natureza, inclusive a fixao de placas”.

Envelopamento- A PRE/PB ajuizou representaes contra quatro proprietrios de veculos envelopados, o que configura propaganda eleitoral irregular. Nestes casos, os adesivos geraram o chamado efeito outdoor ao exceder a dimenso mxima de 4 metros quadrados, infringindo o disposto no artigo 37, pargrafo 2, da Lei 9.504/97 (Lei Geral das Eleies) e na Resoluo n 23.404 do Tribunal Superior Eleitoral. Observando-se as ocorrncias, inclusive por meio de fotos, ficou constatado que os carros dos representados apresentam nmero e referncia a candidato, bem como a cor de coligao.

Joo Bernardo explica que o simples envelopamento com as cores do partido j seria suficiente para caracterizar propaganda eleitoral. “Nessas situaes, patente que a inteno da adesivagem total do automvel unicamente fazer aluso ao partido poltico ou coligao e, consequentemente, aos seus candidatos”, esclarece.

Com Assessoria

 

Comentar


STF absolve Cssio Cunha Lima em ao sobre no pagamento de precatrios na Paraba

Imagem da Internet

Imagem da Internet

A Primeira Turma do Supremo Tribunal Federal (STF) absolveu, nesta tera-feira (23), o senador Cssio Cunha Lima (PSDB-PB) da acusao de, em 2003, quando era governador da Paraba, ordenar despesa no autorizada por lei, crime previsto no artigo 359-D do Cdigo Penal (CP). Segundo a acusao, o senador teria cometido crime ao anular, sem autorizao legislativa, rubricas oramentrias, no permitindo, assim, o pagamento de precatrios a servidores pblicos.
A defesa do senador argumentou que a Lei estadual 7.433/2003, que permitia a abertura de crditos suplementares, teria autorizado o governador a realocar verbas. Alegou, ainda, que os recursos foram redirecionados para despesas de pessoal e encargos do prprio Judicirio. No entanto, para o Ministrio Pblico Federal (MPF) teria havido crime, pois uma lei geral autorizando a realocao de verbas no poderia revogar uma lei especfica, como a Lei de Diretrizes Oramentrias.
O relator do Inqurito (INQ) 3393, ministro Luiz Fux, considerou o crime de prevaricao estava prescrito e que a conduta imputada pelo Ministrio Pblico (ordenao irregular de despesas) no representativa do tipo penal descrito no artigo 359-D.
Segundo ele, como havia lei estadual que permitia a abertura de crdito com o objetivo de transferir dotao oramentria, no houve irregularidade. Ele lembrou que, se no direito privado possvel fazer tudo que no seja legalmente proibido, no campo do direito pblico, o administrador s poder fazer o que autorizado pela lei (princpio da legalidade).
Para o ministro, como existia uma norma jurdica permitindo a anulao e o remanejamento, o princpio da legalidade foi obedecido. Considerou tambm que, como a verba j estava prevista em lei e permaneceu no mbito do Poder Judicirio, no se configurou a justa causa para a imputao penal.
O senador foi absolvido com base no artigo 386, inciso III, do Cdigo de Processo Penal, pois os ministros entenderam que o fato de que foi acusado no constitui infrao penal e julgaram improcedente a denncia.

Comentar