Deputados paraibanos tomam posse e elegem nova Mesa Diretora da Assembleia Legislativa neste domingo

Imagem da Internet

Imagem da Internet

A Assembleia Legislativa da Paraíba (ALPB) iniciará o processo de instalação da sua 18º Legislatura, neste domingo (1º), às 9h30, no plenário Deputado José Mariz, com a posse dos deputados estaduais diplomados pelo Tribunal Regional Eleitoral e a eleição que escolherá os 13 membros da Mesa Diretora .

A ação será concluída na segunda-feira (2), às 14h30, com a revista às tropas da Polícia Militar e com a leitura da mensagem do chefe do Poder Executivo.

A instalação da nova legislatura ocorrerá por meio de três sessões preparatórias. De acordo com o Regimento Interno da ALPB, a primeira ocorrerá no domingo com a posse dos deputados eleitos.

A sessão será presidida pelo presidente da Casa de Epitácio Pessoa, Ricardo Marcelo (PEN). Em caso de sua ausência, comandará a sessão algum ex-presidente que esteja no exercício do mandato. Se não houver nenhum em plenário, o parlamentar mais idoso assumirá os trabalhos.

Aberta a sessão, o presidente fará a leitura do ato de convocação da sessão, nominando todos os 36 deputados diplomados. Em seguida, todos ficarão de pé para coletivamente,e farão o juramento em defesa da Constituição Estadual da Paraíba e pelo bem do povo paraibano.

Encerrada esta etapa, o primeiro secretário da Mesa fará a convocação nominal para que cada parlamentar concretize o juramento na tribuna e assine o termo de posse.

Com todos os 36 empossados, o presidente da ALPB decretará o encerramento da primeira sessão preparatória, solicitará a saída de convidados e familiares dos parlamentares, ficando apenas os deputados e funcionários da Casa de Epitácio Pessoa, em plenário.

Segunda Sessão Preparatória – Eleição da Mesa
Na sequência, o presidente da ALPB determinará o início da segunda sessão preparatória, para a eleição da Mesa Diretora e posse dos eleitos.

Na oportunidade, a Mesa abrirá um espaço temporal para receber os requerimentos de inscrição das chapas concorrentes e também, conforme o regimento, de candidaturas avulsas para cada um dos 13 cargos disponíveis.

Na composição da Mesa é assegurada ainda, sempre que possível, a representação proporcional dos partidos ou blocos parlamentares que participem da ALPB.

Existindo a apresentação de chapas interessadas, a Mesa determinará o início do processo de votação, que ocorrerá de forma secreta, em plenário. Para que os eleitos sejam confirmados em primeiro escrutínio, é preciso que eles consigam atingir a maioria absoluta de 19 votos.

Caso não seja possível, o presidente determinará a realização do segundo escrutínio, com os dois mais votados para cada cargo. Desta vez, os eleitos serão conhecidos por maioria simples, desde que esteja presente a maioria absoluta da ALPB em plenário, ou seja, 19 deputados.

A Secretaria Legislativa da Casa de Epitácio Pessoa explica que o regimento interno prevê que o voto por chapa completa, termina por anular o voto em candidatura avulsa. Todos os questionamentos, argumentações, pedidos de impugnação de chapas, entre outros, serão realizados durante a sessão, em plenário, e decidido pelo presidente da Mesa.

Concluída a votação, o presidente da ALPB decreta o resultado da eleição e determina a posse imediata dos integrantes da nova Mesa Diretora. Em seguida, é feita a convocação do presidente eleito, que assumirá o comando da sessão e fará o chamamento dos demais eleitos para assinar o termo de posse, que será preparado pela Secretaria Legislativa. Logo após, será encerrada a segunda sessão preparatória.

Terceira Sessão Preparatória – Mensagem do Executivo

A terceira e última sessão preparatória para início da 18ª legislatura ocorrerá na segunda-feira. Às 14h30, o presidente eleito da ALPB será recebido na Praça 1817, no Centro de João Pessoa, pela chefia da Assessoria Militar da Casa de Epitácio Pessoa.

Em seguida, ele fará o desfile e a revista às tropas militares, em frente à sede do Poder Legislativo, na Praça dos Três Poderes, e se dirigirá ao Plenário Deputado José Mariz.

De acordo com o artigo 11 do regimento interno, após o ingresso do presidente e dos deputados estaduais, em plenário, será iniciada a leitura da mensagem ao Poder Legislativo pelo governador do Estado ou seu representante, que encerrará o processo de abertura da nova legislatura da Casa de Epitácio Pessoa.

Com ALPB

Comentar

Novo senador da Paraíba adora frequentar o “Shopping Miramar” e conhece todas as regiões do Estado

Imagem da Internet

Imagem da Internet

O senador Raimundo Lira sempre foi um grande empresário. Mergulhou no mercado automóveis e formou um império empresarial de dar inveja a qualquer paraibano. E não só de veículos vive Lira. Para se ter ideia, a casa que o senador possui em Brasília causa inveja a políticos, empresários e ricaços diversos da Capital Federal. Mas, quando abre a boca…

Lira já foi senador pela Paraíba entre 1987 e 2001. Venceu a eleição de 1986 contra nada mais nada menos que o ex-governador Wilson Braga, pegando carona no favoritismo de Tarcísio de Miranda Buritiy (candidato a governador em sua chapa) e, principalmente, no famoso Plano Cruzado, um dos muitos engodos econômicos que o Brasil experimentou.

Vinte anos depois, o empresário campinense retornou à política como suplente do senador Vital do Rego Filho, nomeado ministro do Tribunal de Contas da União. Com a saída de Vital, Lira herdou caminho livre para exercer novamente o mandato. Empossado, Lira decidiu gozar férias com a família, fato que o impediu de vir à Paraíba. Depois, deu o ar da graça afirmando que gosta de frequentar o “Shopping Miramar”, empreendimento que talvez ainda seja lançado em João Pessoa, certamente por uma de suas empresas.

Ironias à parte, a verdade é que os paraibanos talvez já estejam sentindo falta de Vital do Rego que, independente das vinculações político-partidárias, sempre foi um parlamentar atuante e antenado com as necessidades do Estado. Quanto à Lira, bem, ele talvez precise de mais um tempo de férias com a família para estudar geografia e as verdadeiras atribuições de um senador. Porque, pelo jeito, os quatro anos que exerceu de mandato foram insuficientes até mesmo para conhecer os centros comerciais da capital paraibana.

Comentar

Cássio Cunha Lima é confirmado como novo líder do PSDB no Senado Federal

Confirmado. O senador Cássio Cunha Lima (PSDB-PB) foi escolhido, na tarde desta sexta-feira (30), líder da bancada do PSDB no Senado. O tucano terá a responsabilidade de liderar a bancada de alguns dos pesos-pesados da política nacional, como Aécio Neves, Álvaro Dias, Aloysio Nunes, José Serra e Tasso Jereissati (ao todo são 11 senadores) na chamada “oposição responsável” ao Governo Federal.

A formalização de Cássio para liderar a bancada tucana se dará amanhã durante almoço, e no domingo se dará a oficialização, após a eleição da Mesa Diretora do Senado. A indicação demonstra o poder de interlocução que Cássio estabeleceu entre os tucanos e a confiança do PSDB em delegar a ele a missão de vocalizar o posicionamento do maior partido da oposição em nível nacional.

IMPORTÂNCIA – A atividade exercida pelo líder é parte essencial do processo legislativo. Além de nortear a discussão e a votação de propostas, os líderes acumulam uma série de atribuições importantes, principalmente ligadas à articulação política e ao trabalho de unificação do discurso partidário.

Pelo Regimento Interno, cabe ao líder, durante as votações, expressar a opinião de quem ele representa: o partido, o bloco parlamentar, o governo ou a oposição. Ele também participa do colégio de líderes – órgão que, entre outras atribuições, define a pauta de votações do plenário. (O colegiado é formado pelos líderes da Maioria, da Minoria, dos partidos, dos blocos e do governo.)

No plenário, cabe ao líder orientar a bancada quanto ao voto; falar por sua bancada no período destinado às comunicações das lideranças; e inscrever integrantes da bancada no horário destinado às comunicações parlamentares. O líder pode solicitar, ainda, a votação em globo de destaques; a dispensa da discussão de matérias que tenham parecer favorável de todas as comissões; o adiamento da discussão e da votação de um projeto. Também é função do líder registrar candidatos para concorrer a cargos da Mesa Diretora.

Enfim, trabalho não vai faltar e o novo líder tucano deu uma pequena amostra do papel da oposição: “Tudo o que foi prometido na campanha de Dilma está sendo feito ao contrário. Agora, nós enfrentamos um quadro extremamente preocupante de desgoverno. Um orgulho brasileiro, que é a Petrobras, está no fundo do poço, e não é poço de petróleo, é poço de lama. A economia está desacelerada. Os juros estão na estratosfera, enfrentamos a retirada de direitos trabalhistas e o aumento superior a 40% da energia elétrica, além das obras paralisadas”, apontou Cássio Cunha Lima.

Comentar

Ricardo Marcelo confirma candidatura e defende autonomia e fortalecimento do Legislativo

Ricardo Marcelo 2

Acabou o suspense. A apenas dois dias da eleição da Mesa Diretora da Assembleia, o atual presidente confirmou pela primeira vez que será candidato a reeleição no próximo domingo. “Nossa chapa tem como prioridade a defesa e o fortalecimento do Legislativo Estadual, a defesa das conquistas sociais e políticas dos paraibanos e o atendimento aos seus anseios e reivindicações”, destacou o parlamentar, acrescentando que não houve imposição e sim uma construção de uma candidatura baseada no diálogo.

Ricardo Marcelo lembrou que essa foi uma decisão coletiva, sem imposições. “O que nos move não são acomodações de projetos pessoais ou a contemplação de interesses individuais. Não somos candidatos por imposição, mas deputados eleitos para a defesa e a representação da população, em qualquer circunstância”, informou.

Ao reafirmar que a candidatura foi construída com base no diálogo, sem imposições, o deputado disse que a chapa buscará sempre o bem da Paraíba e a harmonia entre os Poderes. “Nossa chapa terá apenas e sempre as cores da Paraíba. Símbolos da paz que queremos, da harmonia que buscamos e do entendimento que sempre defenderemos a autonomia dos Poderes e o respeito à democracia como condições essenciais para um Estado mais desenvolvido, mais justo e que ofereça oportunidades iguais para todos os paraibanos”.

A Eleição – A eleição da Mesa Diretora da ALPB para o primeiro biênio da 18º Legislatura acontece logo após a sessão de posse dos deputados estaduais eleitos em outubro de 2014. De acordo com o artigo 6º do Regimento Interno da Casa Epitácio Pessoa, a eleição da Mesa ocorre em sessão preparatória. O mandato é de dois anos, permitida a recondução para o mesmo cargo na eleição subsequente.

Ainda de acordo com o Regimento, o processo eleitoral ocorre por votação secreta, por meio do sistema eletrônico, em plenário. É exigida ainda a maioria absoluta de 19 votos, em primeiro escrutínio, e a maioria simples, em segundo, com os dois mais votados para cada cargo, desde que esteja presente a maioria absoluta dos deputados.

Com assessoria

Comentar

Deputado paraibano aposta até o salário na vitória de seu candidato na Câmara Federal

Imagem da Internet

Imagem da Internet

Coordenador da campanha de reeleição do deputado Eduardo Cunha (PMDB-RJ), a presidente da Câmara Federal, o deputado paraibano Manoel Junior está mesmo confiante na vitória do peemedebista.

Segundo o portal IG na sua coluna Poder Online desta sexta-feira (330) o deputado federal paraibano Manoel Junior (PMDB-PB) que revelou estar disposto a apostar o salário do mês de fevereiro com o colega Silvio Costa (PSC-PE). Isso se vingar a previsão feita pelo pernambucano em relação à eleição para a presidência da Câmara.

Eduardo Cunha, segundo Costa, começou a disputa “dizendo que teria 330 votos, passou para 270 e daqui para domingo chega em 150″. E emendou: “Vai ter que ter cuidado para não perder do Júlio Delgado”.

“Eu não sou um homem afortunado, mas se o Eduardo Cunha tiver menos de 310 votos e o candidato dele tiver mais de 150, eu pago qualquer aposta. Aposto até o meu salário de fevereiro”, diz o peemedebista.

PBAgora com IG

Comentar

Senador Raimundo Lira diz que ficou longe da Paraíba porque estava “de férias com a família”

Imagem da Internet

Imagem da Internet

Férias com a família. Sonho de todo trabalhador paraibano. Mas, são poucos que conseguem. Pelo menos para ficar longe dos aperreios do trabalho. Mas, com político a coisa é diferente. Pelo menos com o senador Raimundo Lira, que ganhou quatro anos de mandato “de graça”, com a nomeação de Vital do Rego Filho para o prestigiado Tribunal de Contas da União (TCU).

Lira tomou posse no dia 22 de dezembro do ano passado e, somente agora, deu às caras na Paraíba. Mas, como todo bom político, tem a justificativa na ponta da língua: “Estava de férias com a família. Por isso não pude vir antes à Paraíba”, avisou o senador.

“Tomei posse no dia 22 de dezembro, último dia de funcionamento do Senado. Tinha férias programadas com a família desde março de 2014. Reduzi em 50% as férias, mas depois precisei de 10 dias para me aprofundar no mandato de Vital desde 2011. Só quis chegar na Paraíba quando estivesse preparado, até porque este foi o tempo do recesso parlamentar. Quando terminar o recesso, no próximo domingo, eu estarei preparado e inteirado de todas atividades necessárias para exercer um bom mandato”, explicou o representante da Paraíba, em entrevista em sua residência de Campina Grande.

Na entrevista, Lira disse que não poderia falar sobre o futuro, referindo=-se a possibilidade de futuras candidaturas. Tem razão. Afastado da vida pública há mais de vinte anos, talvez o eleitorado nem o conheça mais, já que assumiu o mandato por ser suplente. Mas, ele disse que pretende trabalhar para justificar o mandato. É bom mesmo, porque o salário e a confiança dos paraibanos exigem.

Quanto à candidaturas futuras, o senador entrega a Deus. É bom incluir o eleitorado paraibano também nessa entrega, porque, certamente, os paraibanos preferem os políticos que trabalham aos que estão de férias.

Comentar

Insistência de Rômulo Gouveia em tirar Romero do PSDB passaria por nomeação da esposa para secretaria

Imagem da Internet

Imagem da Internet

O deputado federal Rômulo Gouveia, presidente do PSD na Paraíba, não perde tempo quando o assunto é estimular a troca do PSDB por seu partido pelo prefeito de Campina Grande, Romero Rodrigues. Rômulo sabe que Romero é primo do senador Cássio Cunha Lima, de quem foi aliado nas eleições de 2014 após ser escanteado pelo governador Ricardo Coutinho. Mesmo assim, mantém o assédio a mais de mil.

O Gordinho não perde oportunidade de oferecer legenda ao prefeito tucano, que pretende disputar a reeleição. Romero tem dito que pretende mudar de partido para se aproximar do governo federal e da presidente Dilma Roussef, com quem espera obter recursos para executar obras importantes em Campina Grande. Até aí tudo bem.

Já Rômulo, não deseja nada além da nomeação de sua esposa, Eva Gouveia, para uma das secretarias municipais. Eva encerra seu mandato de deputada estadual no final do mês. Depois disso, fica sem emprego. Nos bastidores, a nomeação é dada como certa, desde que Romero acerte sua filiação ao PSD. Nada mais justo. É dando que se recebe. Se o filiado, recém chegado, não nomeia a esposa do presidente do partido como auxiliar é sinal de que não tem compromisso com a legenda. Ou melhor, com o presidente da legenda.

Coisas da política paraibana.

Comentar

PT quer se “pendurar” em Ricardo para garantir reeleição de Cartaxo e PSB tenta se livrar do prefeito para lançar candidato em 2016

Imagem da Internet

Imagem da Internet

O PT tenta, a todo custo, se “pendurar” na figura e no prestígio do governador Ricardo Coutinho para garantir a reeleição do prefeito Luciano Cartaxo. E o PSB, de Ricardo, já ´percebeu que, para lançar candidato a prefeito de João Pessoa em 2016, tem que se livrar do compromisso com Cartaxo. Por isso, tenta se afastar dos petistas, a quem pretende fazer oposição para chegar ao comando do maior colégio eleitoral do Estado.

É o que mostra os mais recentes movimentos dos dois partidos. Cartaxo indicou um irmão e outro petista para a gestão de Ricardo, na intenção de assegurar a aliança entre PT e PSB para 2016. Nesse caso, da aliança, é claro que o candidato natural à reeleição seria Cartaxo. O PSB indicaria o vice.

Mas, não é assim que pensam os socialistas que, em sua maioria, decidiram não indicar nomes para a gestão de Cartaxo. Assim, o PSB fica livre para decidir se apoia o prefeito ou lança candidato próprio em 2016. Alguém tem dúvidas sobre a escolha do partido? Sem querer estimular previsões, é bom lembrar que pelo menos dois nomes são citados como prováveis candidatos a prefeito com apoio de Ricardo Coutinho: a deputada diplomada Estela Bezerra e o secretário João Azevedo.

Ricardo e Cartaxo já perceberam os interesses de um e de outro. Mas, não querem rompimento para não fortalecer os adversários. Por isso, devem segurar a aliança até que as inconveniência os separe.

Depois disso, é cada um por si.

Comentar

PSB decide não participar da gestão de Cartaxo e complica mais ainda possível aliança com PT para 2016

O PSB decidiu, na noite desta quarta-feira, não indicar nomes para integrar a equipe do prefeito Luciano Cartaxo (PT). A decisão, tomada por maioria durante reunião do partido na Capital, complica ainda mais a aliança entre os dois partidos, celebrada nas eleições do ano passado. Mas, não representa novidade.

O PT indicou Lucélio Cartaxo, irmão do prefeito, para dirigir a Companhia Docas, responsável pela administração do Porto de Cabedelo, e o vice-prefeito de Patos Lenildo Morais para a Secretaria de Agricultura Familiar e do Desenvolvimento do Semiárido. Os dois foram nomeados sem problemas pelo governador Ricardo Coutinho (PSB) e Cartaxo esperava a indicação de nomes para retribuir.

Lideranças do PSB, como o presidente municipal Ronaldo Barbosa, já haviam admitido a não participação na gestão pessoense. O motivo seriam as eleições municipais de 2016. Os socialistas contam com pelo menos dois nomes para disputar a Prefeitura de João Pessoa – Estela Bezerra e João Azevedo – e o PT trabalha pelo apoio do partido à reeleição de Cartaxo.

Pelo andar da carruagem, será cada um para o seu lado.

Comentar

Manoel Ludgerio confirma apoio de PSDB, PSD e PSC ao presidente Ricardo Marcelo

Imagem da Internet

Imagem da Internet

A eleição para nova Mesa Diretora da Assembleia Legislativa da Paraíba, prevista para o próximo domingo, logo após a posse dos 36 deputados, não deve ser consensual. O deputado Manoel Ludgério (PSD) confirmou nesta quarta-feira, após reunião na residência da deputada diplomada tucana Camila Toscano, que PSDB, PSC e PSD fecharam apoio à candidatura do presidente Ricardo Marcelo (PEN).

Para receber o apoio, Marcelo concordou em disputar apenas mais um mandato de presidente, sem direito à reeleição. No segundo mandato da atual legislatura, os três partidos deverão escolher outro nome para concorrer à presidência da Casa.

Segundo Ludgério, a “gestão exitosa” do atual presidente teria concorrido para a decisão do bloco.

Comentar