Aliado de Durval Ferreira, vereador apresenta projeto para acabar com reeleio na Mesa da Cmara Municipal

Imagem da Internet

Imagem da Internet

Aliados do presidente Durval Ferreira (PP) reforaram, na manh desta quarta-feira, sua inteno de disputar apenas um dos dois mandatos da Mesa Diretora na prxima legislatura. O vereador Dinho (PMN) apresentou projeto que prev o fim da reeleio para presidente da Cmara Municipal de Joo Pessoa. O projeto de resoluo 78/2016 modifica o Regimento Interno da Casa e impede a reeleio para cargos na Mesa Diretora, incluindo a presidncia.

Durval Ferreira no s deu apoio medida, como fez questo de assinar o projeto, postura que mereceu o agradecimento do autor. Queremos vedar a reconduo para o mesmo cargo na eleio imediata subsequente. um avano histrico que a gente vai promover nesta Casa. A reforma poltica nos leva a isso. So matrias simples, mas que h muito tempo espervamos. Gostaria de agradecer profundamente ao presidente da Casa, Durval Ferreira (PP) que, inclusive, j assinou os projetos, afirmou Dinho.

Se o projeto for aprovado, a nova regra valer para os cargos de presidente, 1 e 2 vice-presidentes e 1, 2 e 3 secretrios. A modificao Lei Orgnica Municipal prope a alterao do pargrafo segundo do artigo 10 e do quarto do artigo 25, e acrescenta o 8 ao artigo 25.

Alm de Durval Ferreira, declararam apoio ao projeto a vereadora Rassa Lacerda (PSD) e os vereadores Bruno Farias (PPS), Marmuthe Cavalcanti (PSD), Marco Antnio (PHS), Bira Pereira (PSD), Lucas de Brito (PSL), Benilton Lucena (PSD) e Bosquinho (PSC).

Comentar


Ministro que se envolveu em polmica do viaduto do Geisel volta a Joo Pessoa na prxima sexta-feira

Imagem da Internet

Imagem da Internet

Alvo de polmica envolvendo o viaduto do Conjunto Ernesto Geisel, na ltima vez que visitou a Paraba, o ministro das cidades, Bruno Araujo, desembarca em Joo Pessoa na prxima sexta-feira para participar de atividade de campanha nacional de combate ao Aedes Aegypti, no Dia Nacional de Combate ao mosquito. O ministro tambm ter encontro com o prefeito Luciano cartaxo (PSD).

Bruno Araujo envolveu-se em polmica com o governador Ricardo Coutinho (PSB) por causa de recursos destinados ao viaduto do Geisel. A obra executada pelo Governo do Estado e bancada em conjunto com o Governo Federal. Ricardo reclama que o Ministrio das Cidades no vem repassando as verbas necessrias, sendo a obra bancada quase totalmente pela gesto estadual.

A ao, que faz parte da Campanha Nacional de Mobilizao contra o Aedes Aegypti do Governo Federal, busca ampliar a conscientizao da populao sobre cuidados simples e de rotina no enfrentamento ao vetor de doenas como a Dengue, Febre Amarela, Zika e febre Chikungunya, impedindo assim a sua reproduo e o aumento de casos de microcefalia.

Na programao, o ministro far uma visita ao posto da Polcia Rodoviria Federal de Manguinhos, no municpio de Bayeux, para vistoria de focos do mosquito. De l, ele assinar uma ata de regulamentao da Lei do Leilo.

Ao lado do prefeito de Joo Pessoa, Luciano Cartaxo, Arajo far visita Escola Estadual Cidad Integral Tcnica Erenice Cavalcante Fidles, com aproximadamente 270 alunos. O ministro passar nas salas Charles Darwin, onde haver apresentao do repelente contra o mosquito, e Melta Santos, para apresentao do mural com projetos ministrados durante o ano.

Na sequncia, a visita ser na Sala Estadual de Comando e Controle, no Espao Cultural. O ministro e autoridades recebem explicao sobre o funcionamento da sala e do aplicativo Aedes na Mira. Criada pelo Governo do Estado, a ferramenta tem o objetivo de agilizar o combate ao mosquito Aedes aegypti.

Por fim, o ministro visitar casas com alta incidncia de casos de doenas causadas pelo mosquito.

Em reunio realizada no dia 16 de novembro, na Casa Civil da Presidncia da Repblica, para debater aes de combate ao mosquito, o ministro Bruno Arajo recebeu do Presidente Michel Temer a incumbncia de priorizar municpios com microcefalia. Esta ser a primeira ao da nova gesto do ministro Arajo, frente da pasta desde maio deste ano.

Comentar


Procuradores ameaam abandonar Lava Jato se proposta de abuso de autoridade for mantida

procurador-carlos-fernando

Procuradores da Operao Lava Jato afirmaram nesta quarta-feira (30) que podem renunciar coletivamente ao caso se a proposta de abuso de autoridade seja sancionada pelo presidente Michel Temer. A medida foi inserida no texto das dez medidas contra a corrupo pela Cmara na madrugada na madrugada desta quarta-feira (30).

“Vamos renunciar coletivamente Lava Jato caso essa proposta seja sancionada pelo presidente”, afirmou Carlos Fernando Lima, procurador da Repblica.

Aps aprovar por quase unanimidade o texto-base do pacote de dez medidas anticorrupo do Ministrio Pblico, o plenrio da Cmara dos Deputados passou a madrugada desta quarta-feira (30) votando emendas e derrubando vrios pontos importantes da proposta.

A primeira atitude dos deputados na madrugada foi incluir emenda com a possibilidade de punio de magistrados e integrantes do Ministrio Pblico por crime de abuso de autoridade.

Com Brasil 247

Comentar


Couto, Ansio e Anastcio vo Braslia exigir renncia da direo do PT e ameaam deixar partido

Imagem da Internet

Imagem da Internet

Os deputados Luiz Couto, Ansio Maia e Frei Anastcio, alm de outros petistas paraibanos, que os seguem, devem ir Braslia at a prxima semana, onde exigiro a renncia da direo nacional do PT. O grupo defende renovao no comando partidrio e pretende se unir aos petistas de outros estados que comungam da mesma tese para organizar um movimento nacional em nome das mudanas.

“O PT precisa de oxigenao, de gente nova. Esses que a esto se acostumaram ao poder e no querem mais sair. Ou o partido se renova ou vai ao fundo do poo e ns no queremos acabar assim”, afirmou Maia, durante entrevista ao Sistema Arapuan de Comunicao, nesta quarta-feira.

Ansio preferiu no tratar ainda de uma possvel debandada, mas a ideia no est descartada. Ele disse que, por enquanto, prefere acreditar que as mudanas ocorrero e o partido mudar de comando e de postura. Se isso no acontecer, ento o grupo vai analisar outras alternativas.

Os trs deputados paraibanos querem tambm que os dirigentes estaduais e municipais tambm entreguem os cargos. Ou seja, seria uma renncia coletiva. “Na Paraba, temos 100 diretrios, mas muitos deles no sei nem para que servem”, afirmou Maia.

O clima t de vaca desconhecer bezerro no PT.

Comentar


Mesmo com queixas da Oposio, deputados aprovam LOA e Governo ter oramento de R$ 11,2 bi para 2017

Imagem da Internet

Imagem da Internet

A bancada de Oposio protestou, tentou retardar e at ameaou obstruir as votaes, mas no teve jeito. Com maioria em plenrio, o Governo do Estado aprovou o desmembramento das secretarias de Finanas e Planejamento e o Oramento de R$ 11,2 bilho para o exerccio de 2017, alm de outras matrias de seu interesse. Como sempre, muito bate-boca em plenrio antes das votaes. Tovar Correia Lima e Bruno Cunha Lima, ambos do PSDB, se abstiveram de votar a lei oramentria, em protesto contra os cortes adotados em diversas reas.

O Oramento de 2017 prev reduo de R$ 52 milhes em relao ao de 2016 e foi aprovado sem problemas na Comisso de Controle e Acompanhamento das Finanas, presidida por Gervasio Maia (PSB). O deputado explicou que a reduo consequncia da poltica de conteno de gastos implantada pelo governador Ricardo Coutinho (PSB) para enfrentar a crise econmica.

Em plenrio, entretanto, a conversa foi outra. A Oposio resistiu o quanto pode contra os cortes nos investimentos. Depois da deputada Estela Bezerra (PSB) ter chamado deputados oposicionistas de irresponsveis, Tovar Correia Lima tambm saiu da linha e chamou assessores da Mesa Diretora de “Capangas”. Foi quando o presidente Adriano Galdino e o lder do governo, Hervzio Bezerra, exigiram respeito aos servidores.

Mesmo com a “temperatura alta”, a sesso foi encerrada sem maiores problemas, mas Galdino avisou que o recesso no comea hoje. “A partir de hoje at o dia 20, a Assembleia estar reservada para sesses especiais, audi

Comentar


CLIMA QUENTE: Estela chama Oposio de irresponsvel e Galdino rebate: “Pode ser no seu ponto de vista. No meu no”

Imagem da Internet

Imagem da Internet

O clima esquentou agora a pouco no plenrio da Assembleia Legislativa, onde os deputados discutem projeto do governador Ricardo Coutinho (PSB) desmembrando as secretarias de Finanas e Planejamento. Estela Bezerra (PSB) chamou a Oposio de irresponsvel por denunciar a criao de mais cargos na operao, negou o aumento de gastos e lembrou que o Governo do Estado investiu mais de R$ 40 milhes em obras entregues populao paraibana somente este ms.

“Quero ver essa Oposio irresponsvel provar que sero criados cargos”, afirmou a socialista, em pronunciamento na tribuna.

O presidente Adriano Galdino no s contestou as declaraes de Estela, como mandou tirar da ata da sesso. Galdino disse que no considera a Oposio irresponsvel. “No (irresponsvel). S se for no seu ponto de vista”, disparou Galdino.

Os deputados Camila Toscano e Bruno Cunha Lima tambm condenaram a agresso de Estela Bezerra. Cunha Lima exps levantamento mostrando o acrscimo de cargos no desmembramento das secretarias. “No adianta querer enganar. Irresponsvel quem defende essas medidas. Se no me engano, so trinta cargos a mais”, sustentou.

A discusso da matria prossegue.

Comentar


Lder da Oposio reconhece necessidade de cortes, mas teme concentrao de recursos na Secretaria de Governo

Imagem da Internet

Imagem da Internet

O lder da bancada de Oposio, Renato Gadelha (PSC), reconheceu a necessidade de cortes no Oramento do Governo do Estado, mas estranhou a “excessiva concentrao” de recursos na Secretaria de Governo, conforme a pea oramentria do exerccio de 2017, alm das reas afetadas pela reduo. Gadelha teme que essa mudana possa facilitar gastos desnecessrios, principalmente num ano pr-eleitoral.

“ importante ver de onde est tirando. Tirou da Educao, da Sade e da Polcia Militar e aumentou a verba da Secretaria de Governo. Isso pode ser uma outra forma de manter os gastos do Governo na administrao”, afirmou Renato Gadelha, referindo-se ao corte de R$ 50 milhes feitos pelo Governo do Estado em relao ao Oramento de 2016.

Segundo gadelha, todos sabem que a Secretaria de Governo que autoriza as despesas gerais e o acrscimo de R$ 129 milhes mostra que o Governo do estado “d com uma mo e tira com a outra”.

O lder da Oposio disse que, durante a votao da LOA, vai tentar equacionar esse problema criado pelo palcio da Redeno.

Comentar


Deputado federal Manoel Jnior tambm defende mudana na sigla do PMDB

Imagem da Internet

Imagem da Internet

O deputado federal Manoel Jnior, atual presidente do PMDB de Joo Pessoa, defendeu, em entrevista ao portal PB Agora, na tarde desta tera-feira (29), a mudana do nome da sigla de PMDB, para MDB, tese defendida no ltimo sbado, pelo presidente da legenda, o senador Romero Juc (PMDB-RR).

Jnior o primeiro parlamentar paraibano e se manifestar publicamente favorvel mudana.

O PMDB pretende mudar o nome da sigla e retomar o “MDB”, usado de 1966 a 1979, quando fazia oposio Arena.

Aprovo sim essa mudana. Achei ruim quando trocaram e inseriram o P. Acho que a mudana simboliza os primrdios do partido, ressaltou.

Para Jnior, se o MDB antigo fez a redemocratizao do pas, o MDB novo pode fazer a reconstruo social e econmica do pas.

A mudana, se aprovada, deve virar oficial em dezembro e entrar em vigor em fevereiro de 2017.

Com PBAgora

Comentar


Assembleia Legislativa deve votar nesta quarta-feira Oramento de R$ 11,2 bi para 2017; Valor R$ 50 milhes menor que o de 2016

Imagem da Internet

Imagem da Internet

A Assembleia Legislativa deve votar nesta quarta-feira o oramento do Governo do Estado para o exerccio de 2017. O valor global previsto de R$ 11,2 bilho, com uma reduo de R$ 50 milhes em relao ao montante aprovado para 2016. A reduo resultado de cortes nas despesas de custeio da mquina administrativa determinados pelo governador Ricardo Coutinho (PSB), segundo revelou o presidente da Comisso de Finanas e , Gervsio Maia (PSB).

Segundo o deputado socialista, essa reduo oramentria prova dos ajustes promovidos pela gesto atual para garantir o equilbrio fiscal e financeiro do Estado. “Mesmo assim, com todas as dificuldades, cortando recursos do Oramento, o Governo do Estado segue inaugurando obras, como o aeroporto e a escola tcnica em Cajazeiras. Esse governo trabalha de verdade e tem garantido o crescimento da paraba, mesmo diante de tantos problemas”, afirmou Maia, acrescentando que a Comisso de Finanas manteve a pauta em dia, sem atraso na apreciao de matrias.

O presidente da Assembleia Legislativa, Adriano Galdino (PSB), esclareceu que, mesmo aps aprovar a lei oramentria, os deputados no entram em recesso. Segundo Galdino, at o prximo dia 20 de dezembro o plenrio da Assembleia Legislativa ser reservado para sesses especiais e audincias pblicas. “S entraremos em recesso a partir do dia 20 de dezembro”, garantiu Galdino.

Comentar


Euler destaca reduo da violncia e provoca Oposio: “Para alegria da populao e tristeza dos que torcem pelo quanto pior, melhor”

Imagem da Internet

Imagem da Internet

O comandante da Polcia Militar, Euler Chaves, destacou na manh desta tera-feira a reduo dos ndices de violncia na maioria dos Municpios paraibanos, resultado das aes da rea de Segurana Pblica do governo Ricardo Coutinho (PSB). Euler reconheceu que em algumas cidades, como Cabedelo, a situao mais complicada, embora acredite que com a continuidade do trabalho o objetivo ser alcanado.

Euler aproveitou para provocar a Oposio, que tem denunciado o aumento da insegurana na Paraba, contestando nmeros do Governo do Estado. “Estamos reduzindo os ndices (de violncia), para alegria da populao paraibana e tristeza daqueles que pregam e torcem pelo quanto pior, melhor”, disparou.

Segundo o comandante, a PM continuar fazendo operaes especiais e reforando a segurana nos locais onde for necessrio. No cronograma das aes, constam operaes de Natal, Ano Novo e Vero, dedicando um trabalho mais acentuado para garantir a segurana da populao. “Vamos continuar trabalhando para dar ainda mais segurana aos paraibanos”, garantiu Euler Chaves, durante a entrega de mais 40 viaturas PM pelo governador Ricardo Coutinho (PSB), no Palcio da Redeno.

Comentar