Ricardo Coutinho entrega obras, critica adversários e anuncia licença para descansar

Imagem da Internet

Imagem da Internet

O governador Ricardo Coutinho (PSB) aproveitou a entrega de obras em Cajazeiras, na tarde desta segunda-feira, para anunciar que pretende se licenciar do cargo em dezembro. A inten√ß√£o √© aproveitar os festejos de final de ano para descansar. Durante seu programa radiof√īnico semanal, Ricardo voltou a criticar os advers√°rios e chamou de “irracional” a maneira como fazem pol√≠tica na Para√≠ba.

Segundo o governador, n√£o se v√™ por parte da Oposi√ß√£o nenhuma cr√≠tica administrativa, mas sim a torcida para que tudo promovido pela atual gest√£o d√™ errado. Ricardo referiu-se √† maneira como os advers√°rios fazem pol√≠tica na Para√≠ba como “irracional” e disse que a √©poca da “molecagem” j√° passou. “N√£o √© mais poss√≠vel ningu√©m querer sabotar o Estado e o clima de beliger√Ęncia”, protestou.

Coutinho afirmou que a Para√≠ba est√° avan√ßando, mesmo com as dificuldades que enfrenta e a entrega constante de obras √© prova disso. Em Cajazeiras, ele inaugurou o Aeroporto e a Escola T√©cnica. Denominado de Pedro Vieira Moreira, somente o aeroporto recebeu investimentos de R$ 5,2 milh√Ķes com recursos pr√≥prios.

Comentar

Com aval do governador, Herv√°zio “peita” Cartaxo e assume articula√ß√£o para eleger Mesa Diretora da C√Ęmara Municipal

Imagem da Internet

Imagem da Internet

Foi numa conversa aberta e descontra√≠da, no Comit√™ de Imprensa da Assembleia Legislativa, que o deputado Herv√°zio Bezerra (PSB), l√≠der do governo, confirmou que est√° no comando de uma articula√ß√£o para eleger a futura Mesa Diretora da C√Ęmara Municipal de Jo√£o Pessoa. Ao lado do colega Edmilson Soares (PSB), Herv√°zio conseguiu levar nada menos que dez dos onze vereadores eleitos pela Oposi√ß√£o para os bra√ßos de Marcus Vinicius (PSDB), disposto a destronar Durval Ferreira (PP), atual presidente e candidato a mais um mandato.

Al√©m das raz√Ķes pol√≠ticas, Herv√°zio e Edmilson t√™m motivos pessoais para o envolvimento no processo eleitoral da Casa de Napole√Ęo Laureano. O primeiro √© pai de L√©o Bezerra (PSB), o mais votado na elei√ß√£o da Capital paraibana esse ano, e o outro de Tanilson Soares (PSB), tamb√©m vereador eleito em 2 de outubro. Os quatro se uniram ao vereador tucano na luta pelo comando do legislativo municipal.

Herv√°zio √© experiente. J√° participou de muitas elei√ß√Ķes na C√Ęmara Municipal, chegando a ocupar cargos na Mesa Diretora, incluindo a presid√™ncia. Talvez por isso tenha deixado claro que n√£o teme enfrentar o grupo do prefeito Luciano Cartaxo (PSD). E garantiu que n√£o √© por ter “carta branca” de Ricardo Coutinho. “O governador est√° ciente de tudo que acontece, mas n√£o vai interferir no processo. Tenho interesse pessoal na elei√ß√£o da Mesa Diretora da C√Ęmara Municipal. Por isso estou trabalhando para eleger Marcus Vinicius”, responde o l√≠der do governo, a quem lhe pergunta sobre qual seria a participa√ß√£o do Chefe do Executivo estadual.

O deputado socialista garante que nada tem contra Durval Ferreira, de quem foi companheiro de bancada. Ele lembrou, inclusive, que ajudou Durval a conquistar seu primeiro mandato de presidente. Mas, hoje, endossa o discurso de renova√ß√£o de Marcus Vinicius. “A Mesa da C√Ęmara precisa dar uma renovada. Al√©m disso, Marcus Vinicius projetou uma chapa ecl√©tica, abrindo espa√ßo para todos”, acrescentou.

A eleição está prevista para início de janeiro, mas a campanha começou no dia 3 de outubro..

Comentar

Vice-governadora entrega unidade de dessalinização no município de Amparo

vice-governadora

A vice-governadora L√≠gia Feliciano entregou, nesta sexta-feira (25), o 13¬ļ sistema de abastecimento pot√°vel com dessalinizador do Programa √Āgua Doce, executado na Para√≠ba pela Secretaria Estadual da Infraestrutura, dos Recursos H√≠dricos, do Meio Ambiente e da Ci√™ncia e Tecnologia (Seirhmact), em parceria com o Governo Federal. O equipamento foi entregue no munic√≠pio de Amparo beneficiando 192 fam√≠lias totalizando um investimento superior a R$ 146 mil.

L√≠gia Feliciano destacou a import√Ęncia da √°gua pot√°vel para a sa√ļde e bem estar da popula√ß√£o. ‚ÄúUma das maiores prioridades do governo Ricardo Coutinho √© atender as necessidades da popula√ß√£o. As unidades dessalinizadoras s√£o um exemplo disso, a √°gua de qualidade muda a realidade da popula√ß√£o, que agora passa a ter abastecimento sem se preocupar com carro-pipa. Al√©m do conforto, o sistema de abastecimento traz sa√ļde e bem estar para todos da comunidade‚ÄĚ, disse a vice-governadora.

Em todo o Estado ser√£o entregues 93 de sistema de abastecimento pot√°vel com dessalinizador. O equipamento faz o trabalho de retirada do excesso de sal e minerais da √°gua para torn√°-la pot√°vel e adequada ao consumo humano.

O coordenador nacional do Programa √Āgua Doce, Renato Saraiva, explicou como o sistema purifica a √°gua. ‚ÄúEsse sistema tem em torno de 1.200 de sais no po√ßo e a √°gua de beber est√° com 50 (de sais), ou seja, √© uma √°gua mineral que est√° saindo desse sistema. O filtro utilizado nos dessalinizadores √© um dos mais modernos usados no mundo, sendo assim √© um purificador de √°gua muito potente‚ÄĚ, explicou.

O prefeito de Amparo, Jos√© Arnaldo, ressaltou a import√Ęncia do equipamento para a popula√ß√£o. ‚ÄúEssa obra tem grande relev√Ęncia para a nossa comunidade, entre tantas outras que j√° fizemos em parceria com o governador Ricardo Coutinho, obras que vieram para dar mais qualidade de vida para o nosso povo‚ÄĚ, disse.

Everaldo Maciel, morador da cidade de Amparo e agente de sa√ļde, disse que o equipamento veio em um momento importante. ‚ÄúEssa √°gua vai trazer √°gua de muita qualidade para a nossa popula√ß√£o. Estamos muito agradecidos em poder receber esse sistema em uma √©poca como essa de grande estiagem‚ÄĚ, concluiu.

Com Secom

Comentar

Ricardo Coutinho afirma que Paraíba continua crescendo e inicia entrega de obras nesta segunda-feira

Imagem da Internet

Imagem da Internet

O governador Ricardo Coutinho (PSB) assegurou que a Para√≠ba continua crescendo, apesar da crise econ√īmica que atinge o Pa√≠s. em decorr√™ncia das a√ß√Ķes governamentais e da pol√≠tica de conten√ß√£o de gastos implementada em sua gest√£o. Nesta segunda-feira, Ricardo inicia um cronograma de entrega de obras que, segundo ele, respalda o seu discurso de desenvolvimento do Estado.

Az primeiras inaugura√ß√Ķes ser√£o em Cajazeiras, onde o governador entrega o aeroporto a uma escola t√©cnica. Somente no aeroporto, que receber√° o nome de Pedro Vieira Moreira, foram investidos R$ 5,2 milh√Ķes. Custeada com recursos pr√≥prios do Governo do Estado, a obra beneficiar√° cerca de 180 mil habitantes da regi√£o polarizada por Cajazeiras, que abrange 15 munic√≠pios.

Na Escola T√©cnica Professora Nic√©a Claudino Pinheiro, o Governo do Estado investiu outros R$ 13,8 milh√Ķes na constru√ß√£o do pr√©dio e compra de equipamentos. Com capacidade para 1.200 alunos, a unidade educacional ter√° cursos nas √°reas de produ√ß√£o industrial, como t√©cnico em vestu√°rio, e informa√ß√£o e comunica√ß√£o, a exemplo de t√©cnico em inform√°tica.

Depois de Cajazeiras, o governador estará em São José de Piranhas e Carrapateira para inauguração pavime. ntação asfáltica da rodovia que liga os dois municípios. Em 2011, a Paraíba tinha 54 cidades sem rodovias asfaltadas. O atual governo já tirou do isolamento mais de 40 delas e, segundo Ricardo Coutinho, até o final de seu mandato o benefício atingirá as 54.

Ricardo disse que a manuten√ß√£o do cronograma de entrega de obras √© uma prova cabal de que o Governo do Estado encontra-se equilibrado financeiramente, mesmo diante da crise. “O ritmo de entrega de obras continua intenso gra√ßas √†s medidas adotadas para conten√ß√£o de gastos”, explicou.

Comentar

Crise financeira j√° atinge pagamento de servidores p√ļblicos em nove estados brasileiros

Imagem da Internet

Imagem da Internet

A crise financeira que afeta os Estados levou os governos a adotar medidas que afetaram o pagamento de servidores em pelo menos nove unidades da federa√ß√£o. Entre as medidas est√£o as demiss√Ķes de funcion√°rios; atraso, escalonamento ou parcelamento nos sal√°rios; redu√ß√£o de vencimentos do primeiro escal√£o e a falta de reposi√ß√£o anual da infla√ß√£o.

Nos casos mais graves at√© agora, os governos de Rio de Janeiro e Rio Grande do Sul tomaram medidas dr√°sticas e decretaram estado de calamidade p√ļblica, ap√≥s cortes de gastos e atrasos em sal√°rios. Ambos alegam que est√£o falidos e pedem socorro federal.

No Rio, o governo havia quitado, até a sexta-feira (18), apenas o pagamento de outubro de 85% dos servidores. O salário está sendo pago em sete parcelas. Até o dia 5 de dezembro, o Estado promete fazer outros quatro depósitos quitando os débitos, desde que não haja bloqueio das contas.

No Rio Grande do Sul, al√©m de problemas em pagar sal√°rios, o governo diz que n√£o h√° perspectiva de depositar o 13¬ļ do funcionalismo. O governo tamb√©m anunciou um pacote de medidas que preveem a privatiza√ß√Ķes, extin√ß√£o de √≥rg√£os e demiss√£o de servidores.
Os Estados da Bahia, Cear√°, Maranh√£o, Para√≠ba, Esp√≠rito Santo, Tocantins, Paran√°, Par√°, Alagoas, Amazonas, Santa Catarina, Mato Grosso do Sul, Piau√≠, Rond√īnia, Acre, S√£o Paulo e Pernambuco, al√©m do Distrito Federal, mantiveram o calend√°rio de pagamento, embora alguns deles enfrentem alguma dificuldade ou tenham implementado medidas de controle de gastos.

Sal√°rios divididos ou escalonados

A crise levou o governo de Minas Gerais a mudar a tabela de pagamento. O novo calend√°rio –anunciado em outubro– criou o parcelamento dos sal√°rios de quem ganha mais de R$ 3 mil em tr√™s vezes. Em dezembro, por exemplo, os pagamentos ser√£o feitos entre os dias 12 e 23. J√° os servidores que ganham at√© R$ 3 mil v√£o receber o sal√°rio no oitavo dia √ļtil em dezembro (dia 12). O pagamento do 13¬ļ e calend√°rio para 2017 ainda ser√£o definidos.

Segundo o governo, a folha custa R$ 3 bilh√Ķes ao m√™s, e por conta da crise, n√£o foi poss√≠vel conceder reajustes — a data-base dos servidores era 1¬ļ de outubro. “Estamos tentando de todas as maneiras superar essa fase mais dif√≠cil das finan√ßas do Estado, afetando o m√≠nimo poss√≠vel a vida dos servidores. Essa escala √© a forma que encontramos para penalizar menos quem ganha menos”, afirmou o secret√°rio de Planejamento e Gest√£o, Helv√©cio Magalh√£es.

No Rio Grande do Norte, o governo tamb√©m est√° pagando os sal√°rios de forma fracionada, com intervalos tamb√©m extensos. Os servidores da educa√ß√£o e dos √≥rg√£os que possuem receita pr√≥pria s√£o os √ļnicos que recebem dentro do m√™s trabalhado. At√© o dia 11 do m√™s subsequente, s√£o pagos os demais que recebem at√© R$ 4 mil. J√° os servidores das faixas maiores est√£o recebendo em datas n√£o fixas, sempre no fim de cada m√™s. “A mudan√ßa na tabela de pagamento ocorre em virtude dos efeitos da crise econ√īmica que continua atingindo fortemente as finan√ßas do Rio Grande do Norte. A frustra√ß√£o acumulada de receitas at√© 30 de setembro chegou a R$ 367 milh√Ķes se comparada ao previsto no or√ßamento para 2016”, afirma o governo.

No Amap√°, os servidores recebem o sal√°rio em duas parcelas desde mar√ßo. Em novembro, por exemplo, 40% dos vencimentos finais dos servidores foram pagos no dia 10. O Tribunal de Justi√ßa julgou no mesmo dia uma a√ß√£o do MP (Minist√©rio P√ļblico Estadual) e decretou ilegal a divis√£o dos sal√°rios e determinou pagamento integral. O governo justificou a divis√£o dos sal√°rios por conta das perdas de quase R$ 600 milh√Ķes em 2016 e disse que iria procurar reverter a decis√£o. “Os repasses do FPE [Fundo de Participa√ß√£o dos Estados] t√™m sido insuficientes para cobrir o valor da folha de pagamento estadual e honrar as d√≠vidas”, informou.

Em Roraima tamb√©m h√° sal√°rios pagos de forma escalonada entre os servidores e, em nos casos dos maiores vencimentos, o valor ainda √© repartido. A divis√£o dos valores atingiu os que ganham entre R$ 1.251,00 e R$ 5.999,00 –que no m√™s passado receberam os sal√°rios nos dias 11 e 30. Os que ganham at√© R$ 1.250 receberam em uma s√≥ parcela. J√° os servidores que recebem a partir de R$ 6.000 receberam apenas em novembro os sal√°rios referentes a setembro.

“O Estado sofreu perda de mais de R$ 107 milh√Ķes de FPE. Esse d√©ficit aumenta com o repasse do duod√©cimo aos Poderes, cujo valor de R$ 52 milh√Ķes, √© fixo e n√£o sofre a varia√ß√£o de queda do FPE. Com isso, o caixa do Tesouro tem frustra√ß√£o acima de R$ 150 milh√Ķes, o que compromete o andamento da m√°quina, com pagamentos de despesas e investimentos, afetando, agora, a folha de pagamento dos servidores”, informou o Estado.

Em Sergipe, os sal√°rios –que eram pagos dentro do m√™s trabalhado– come√ßaram a ter pagamento mais tardio. Este m√™s, por exemplo, os vencimentos dos servidores foram depositados de forma escalonada entre categorias, com conclus√£o no dia 11.

Em Goi√°s, o governo tamb√©m est√° pagando os servidores em duas etapas: at√© o √ļltimo dia do m√™s trabalhado recebem os que ganham at√© R$ 3,5 mil. At√© o d√©cimo dia do m√™s seguinte, s√£o pagos os servidores que recebem acima desse valor.
No Mato Grosso, o governo adotou pagamento de forma escalonada desde abril. Em outubro, apenas os funcion√°rios com remunera√ß√£o l√≠quida de at√© R$ 3 mil receberam no √ļltimo dia do m√™s. Os demais, receberam no √ļltimo dia 10. O percentual de servidores que demoraram a receber o sal√°rio aumentou, j√° que para folha de setembro o escalonamento atingiu apenas o que recebiam mais de at√© R$ 6 mil.

Problemas, mas sem mudar calend√°rio

Em Alagoas, o pagamento de servidores n√£o mudou na atual gest√£o, mas os sal√°rios s√£o pagos em duas faixas: a primeira, que inclui os menores vencimentos, no √ļltimo dia √ļtil do m√™s; enquanto os sal√°rios acima de R$ 2.500 s√£o pagos no dia 11. O Estado tamb√©m n√£o concedeu o reajuste anual, previsto por lei para maio, a nenhuma categoria.

No Acre tamb√©m n√£o houve atraso. Mas, em julho, o governador Ti√£o Viana (PT) reduziu o seu sal√°rio e o dos secret√°rios em 20%. No ano passado, o n√ļmero de cargos comissionados foi cortado em 30%. Segundo Viana, o Estado perdeu mais de R$ 300 milh√Ķes em receita este ano em repasses do governo federal.

Em Rond√īnia, os servidores receberam o sal√°rio de outubro no dia 27, por√©m, em 2016, n√£o houve reajuste. “No cen√°rio econ√īmico atual n√£o vislumbra crescimento na receita e, portanto, inviabiliza qualquer medida que aumente os gastos p√ļblicos”, informou, em junho.

No Tocantins, o governo anunciou, no √ļltimo dia 10, a demiss√£o de aproximadamente 2.000 servidores, entre comissionados e contratados –o que deve dar uma economia de R$ 136,6 milh√Ķes nos pr√≥ximos dois anos. No mesmo dia, um outro decreto, reduziu a jornada dos servidores de oito para seis horas at√© o dia 30 de abril de 2017.

Com Uol

Comentar

Galdino beneficia 22 municípios paraibanos com emendas na Lei Orçamentária de 2017

Imagem da Internet

Imagem da Internet

O presidente da Assembleia Legislativa, deputado Adriano Galdino, apresentou nove emendas parlamentares √† Lei Or√ßament√°ria Anual (LOA-2017), Projeto de Lei 1.049/2016, do Governo do Estado, que estima a receita e fixa a despesa do Estado para o exerc√≠cio financeiro de 2017. As emendas de Adriano Galdino contemplam 22 de munic√≠pios paraibanos com obras nas √°reas de recursos h√≠dricos, educa√ß√£o, sa√ļde, e infraestrutura.

A emenda 070 direcionada √† Secretaria de Estado da Sa√ļde, no valor de R$ 2,2 milh√Ķes, √© destinada √† constru√ß√£o, amplia√ß√£o e reforma de unidades administrativas e de sa√ļde em 22 munic√≠pios: Olivedos, Campina Grande, Boqueir√£o, Soledade, S√£o Jo√£o do Tigre, S√£o Jos√© dos Cordeiros, Itatuba, Itabaiana, Esperan√ßa, S√£o Sebasti√£o de Lagoa de Ro√ßa, Cara√ļbas, Areial, Cabaceiras, Tapero√°, Parari, S√£o Sebasti√£o do Umbuzeiro, Amparo, Pocinhos, Puxinan√£, Fagundes, Riach√£o do Bacamarte e Camala√ļ.

Para presidente da Assembleia, as reformas da unidade s√£o de fundamental import√Ęncia para a popula√ß√£o. ‚ÄúTanto a reforma quanto o aparelhamento das unidades de sa√ļde dos munic√≠pios s√£o a√ß√Ķes priorit√°rias e fundamentais para o atendimento, bem estar e sa√ļde da popula√ß√£o‚ÄĚ, ressaltou Adriano.

A emenda 068, que trata de perfura√ß√£o e instala√ß√£o de po√ßos tubulares para abastecimento dos munic√≠pios. ‚ÄúOs munic√≠pios est√£o passando por estiagem e sofrem com a seca. Diante desta situa√ß√£o a perfura√ß√£o de po√ßo para abastecimento √© de muita import√Ęncia‚ÄĚ, justificou o presidente da Assembleia.

J√° a emenda 069 destina recursos para a constru√ß√£o e recupera√ß√£o de cisternas. A emenda 071 destina R$ 200 mil para expans√£o a reforma da Escola Monsenhor Stanislau no munic√≠pio de Olivedos e a emenda 072 trata da reforma do posto de sa√ļde do munic√≠pio de Olivedos.

Por meio da emenda 073 Adriano Galdino sugere a transfer√™ncia de recursos do Fundo de Desenvolvimento do Estado da Para√≠ba, mediante conv√™nio, para constru√ß√£o de pavimenta√ß√£o. ‚ÄúA pavimenta√ß√£o em cal√ßamento visa favorecer o bem estar da popula√ß√£o, o escoamento agr√≠cola das zonas rurais e o tempo de percurso‚ÄĚ, destacou Adriano.

Ao munic√≠pio de Cabaceiras a emenda 328 destina recursos para a constru√ß√£o de quadra coberta na zona rural. A cidade de S√£o Jo√£o do Tigre, ser√° contemplada com pavimenta√ß√£o de ruas atrav√©s da emenda 335. O munic√≠pio tamb√©m ter√° benef√≠cios por meio da emenda 336, que destina recursos para a reforma de diversos pr√©dios p√ļblicos. Essa emenda tem como unidade or√ßament√°ria a Secretaria de Estado do Desenvolvimento e da Articula√ß√£o Municipal.

Com Assessoria

Comentar

Sem anistia ao caixa dois, projeto anticorrup√ß√£o deve ser votado na ter√ßa-feira pela C√Ęmara dos Deputados

Imagem da Internet

Imagem da Internet

Ap√≥s reuni√£o ontem (26) √† noite com o presidente Michel Temer, no Pal√°cio do Jaburu, o presidente da C√Ęmara, deputado Rodrigo Maia (DEM-RJ), disse que projeto anticorrup√ß√£o deve ser votado pelo plen√°rio da Casa na pr√≥xima ter√ßa-feira (29), sem a anistia a crimes eleitorais como o caixa 2.

Na √ļltima quinta-feira (24), o plen√°rio aprovou, em vota√ß√£o simb√≥lica, a urg√™ncia para votar o texto da comiss√£o especial que analisou as propostas anticorrup√ß√£o enviadas pelo Minist√©rio P√ļblico Federal ao Congresso.

Contudo, com o receio de que uma anistia ao caixa 2 fosse votada, alguns partidos apresentaram requerimento para votação nominal e a tramitação da proposta foi suspensa.

Segundo Maia, est√° havendo ‚Äúuma confus√£o leg√≠tima‚ÄĚ na sociedade acerca da possibilidade de anistia ao caixa 2 e outros crimes eleitorais e isso s√≥ ser√° esclarecido quando a C√Ęmara encerrar definitivamente a vota√ß√£o do pacote anticorrup√ß√£o.

‚Äú[Vamos votar] com a clareza que n√≥s temos. Estamos passando √† sociedade que em nenhum momento se discutiu anistia. Um dos pontos √© a tipifica√ß√£o do caixa 2. Isso vai ficar claro e a sociedade vai entender que nunca houve, do ponto de vista majorit√°rio, nenhum encaminhamento para anistiar crimes [eleitorais]. Porque, quando se trata de anistia, voc√™ est√° tratando de anistiar corrup√ß√£o ativa, passiva, peculato e isso nunca entrou nas nossas discuss√Ķes. O que discutimos sempre foi o texto de tipifica√ß√£o do caixa 2 [apresentado pelo MPF]‚ÄĚ, disse o presidente da C√Ęmara.

De acordo com ele, o texto de uma emenda que anistiava v√°rios crimes eleitorais ‚Äď o documento circulou na C√Ęmara e nas redes socais ao longo da semana ‚Äď nunca foi debatido pela dire√ß√£o da Casa.

‚ÄúVamos organizar a vota√ß√£o das dez medidas para que esse assunto tenha um fim com a clareza de que ningu√©m vai votar nenhum tipo de anistia e que a vota√ß√£o vai abordar aspectos que tratam das dez medidas que foram aprovadas na comiss√£o especial e precisam ser votadas pelo plen√°rio‚ÄĚ, acrescentou.

Articulação política

Convocado por Temer para uma reuni√£o hoje um dia depois da exonera√ß√£o do ministro da Secretaria de governo Geddel Vieira Lima, Maia minimizou a sa√≠da do peemedebista da articula√ß√£o pol√≠tica do governo. Para ele, a queda de Geddel n√£o vai prejudicar a vota√ß√£o de propostas de interesse do governo na C√Ęmara.

‚ÄúO ex-ministro Geddel deixou a articula√ß√£o pol√≠tica bem organizada. Tenho certeza de que vamos ter um belo resultado no Senado e vota√ß√Ķes na C√Ęmara‚ÄĚ.

Comentar

Romero Rodrigues se afasta para descansar e Ronaldinho assume Prefeitura de Campina Grande

Imagem da Internet

Imagem da Internet

O prefeito reeleito de Campina Grande, Romero Rodrigues, se afastou temporariamente das suas atividades, a partir deste final de semana, licenciando-se por 14 dias. Romero ser√° substitu√≠do pelo vice-prefeito, Ronaldo Cunha Lima Filho. J√° nesta segunda-feira, 28, Ronaldo prestigia a agenda dos ministros Ricardo Barros (Sa√ļde) e Osmar Terra (Desenvolvimento Social e Agr√°rio) a Campina.

Romero explicou que, anualmente, durante um período de, no máximo 15 dias, sempre tirou uma licença curta, em sintonia com o período de férias escolares de seus dois filhos. Micheline Rodrigues, primeira dama, também se afasta temporariamente de suas atividades profissionais como médica.

Mais uma vez, Romero fez quest√£o de destacar as qualidades de Ronaldo Filho como homem p√ļblico e eventual substituto no cargo, em todo este seu primeiro mandato. ‚ÄúCampina Grande fica em boas m√£os e n√£o tenho d√ļvidas de que o bom ritmo administrativo n√£o sofrer√° qualquer altera√ß√£o‚ÄĚ, declarou Romero, em entrevista, nesta sexta-feira.

Ronaldo Filho, por sua vez, registrou seu agradecimento pela reiterada confiança do prefeito e assegurou que, novamente, se esforçará para dar o seu melhor na interinidade do cargo, destacando que a equipe de secretários e auxiliares sempre demonstrou total sintonia com seu estilo de trabalho.

Comentar

Cartaxo embarca de vez na sucess√£o da C√Ęmara Municipal para evitar racha na base governista e barrar Oposi√ß√£o

Imagem da Internet

Imagem da Internet

Com uma bancada formada por 16 dos 27 vereadores eleitos, Luciano Cartaxo (PSD) tinha tudo para fazer a futura Mesa Diretora da C√Ęmara Municipal, mantendo a tranquilidade registrada durante quase toda a atual legislatura. Ali√°s, ainda tem. Mas, o que parecia um sonho vai, aos poucos, se transformando em pesadelo. Cartaxo pensava em eleger uma Mesa com parlamentares apenas de sua bancada e em chapa √ļnica, sem disputa. Mas, o cen√°rio atual √© bem diferente do que o prefeito imaginava.

Mesmo com a vantagem num√©rica, Cartaxo sentiu-se obrigado a interferir no processo sucess√≥rio para evitar o fortalecimento da Oposi√ß√£o e a divis√£o de sua base pol√≠tica. No primeiro caso, √© fato que o prefeito n√£o digeriu bem o apoio de dez dos onze vereadores de Oposi√ß√£o ao candidato Marcus Vinicius (PSDB), que j√° foi seu secret√°rio. √Č fato tamb√©m que Cartaxo deu uma guinada de 90 graus em favor de Durval Ferreira, reagindo at√© com certa irrita√ß√£o √† composi√ß√£o entre Marcus e a bancada oposicionista. Caso contr√°rio, talvez nem disputa ocorreria, diante da vantagem num√©rica que o tucano alega ter.

No segundo caso, o prefeito se assustou ao ver a possibilidade de radicalização do processo, colocando em risco a homogeneidade de sua base de apoio. Marcus e Durval pareciam preparados para entrar num ringue. O saldo da disputa poderia se traduzir numa bancada dividida, rachada, coisa que Cartaxo não quer nem ouvir falar. Para muitos, a intervenção veio tarde. Primeiro porque a polarização entre os dois candidatos está estabelecida. Depois, porque, para uma possível mudança de rota, Marcus Vinicius teria que quebrar o compromisso assumido com os oposicionistas. E mesmo que fosse para atender a um apelo do prefeito, ficaria feio para o vereador.

Se, de um lado, Durval nem sonha em desistir, do outro, Marcus Vinicius vem cantando vitória antes mesmo da eleição. Se o prefeito pode fazer a diferença? Claro que pode. Só não dá para calcular o custo da operação.

Comentar

Governadores do Nordeste decidem n√£o aceitar imposi√ß√Ķes de Temer para que recebam recursos da repatria√ß√£o

rc-tener-e-os-governadores

Sumaia Villela РCorrespondente da Agência Brasil

Os governadores do Nordeste decidiram, em reunião nessa sexta-feira (24) à noite, que não concordam com o acordo de ajuste fiscal recomendado pela União como uma condição para acessar parte dos recursos das multas do programa de regularização de ativos não declarados à Receita, conhecido como Lei da Repatriação. Eles vão enviar uma carta até segunda-feira (28) para o presidente Michel Temer explicando o posicionamento do grupo.

O consenso entre os governadores √© que n√£o √© poss√≠vel relacionar as duas quest√Ķes ou determinar um modelo de ajuste √ļnico para todas as unidades da federa√ß√£o. Eles informaram ainda que n√£o v√£o retirar as a√ß√Ķes que correm no Supremo Tribunal Federal (STF) para receber os valores.

O governador de Pernambuco, Paulo C√Ęmara, foi o porta-voz dos chefes dos Executivos estaduais. ‚ÄúO que n√≥s temos muito claro √© que estamos fazendo ajustes, temos esse compromisso, e que n√£o vamos confundir ajuste com essa quest√£o da repatria√ß√£o. S√£o assuntos distintos, est√° judicializado, se puder se chegar a um acordo, √≥timo‚ÄĚ, disse √† imprensa depois da reuni√£o durante a noite de hoje no Pal√°cio do Campo das Princesas, no Recife, sede do governo pernambucano.

As multas da repatria√ß√£o s√£o aplicadas em cima de ativos mantidos por brasileiros no exterior que n√£o recolheram impostos de forma indevida. O montante estimado pelos Estados a ser recebido √© de cerca de R$ 5,2 bilh√Ķes. Existe um impasse sobre o direito dos Estados e munic√≠pios em receber parte dos valores arrecadados com as puni√ß√Ķes, o que levou governos estaduais a judicializar o caso.

Na ter√ßa-feira (22), o presidente Michel Temer recebeu os governadores de todas as unidades da federa√ß√£o. Foi anunciado que o governo federal se anteciparia √† decis√£o do STF e liberaria os recursos. Em contrapartida, os estados precisariam fazer ajustes fiscais semelhantes aos propostos nacionalmente pela Uni√£o, como a Proposta de Emenda √† Constitui√ß√£o (PEC) 55, que estabelece um teto para investimentos p√ļblicos, por duas d√©cadas, de acordo com a infla√ß√£o do ano anterior.

Tamb√©m seria preciso desistir das a√ß√Ķes judiciais. Sobre esse ponto, C√Ęmara respondeu que os estados nordestinos ‚Äún√£o‚ÄĚ iam retirar os processos. ‚ÄúVamos aguardar a Justi√ßa. Temos uma liminar que j√° garantiu o dep√≥sito em ju√≠zo e a gente entende que a multa tem que ser repartida entre estados e munic√≠pios‚ÄĚ, informou.

Com Agencia Brasil

Comentar