Auxiliar de Cartaxo visita Câmara Municipal e PRTB “avança” em busca de aliados do prefeito da Capital

Zenedh: Visita inesperada (Imagem da Internet)

Dois fatos chamaram atenção na manhã desta quarta-feira, na Câmara Municipal de João Pessoa. O primeiro foi a visita inesperada do secretário de Planejamento, Zenedh Bezerra, considerado o “braço direito” de Luciano Cartaxo (PSD). O outro foi o avanço do PRTB, partido da base do governador Ricardo Coutinho (PSB), em busca da filiação de aliados do prefeito da Capital.

A presença de Zenedh surpreendeu a maioria dos vereadores presentes à sessão ordinária. Ninguém soube dizer o motivo exato de sua curta “estadia” no Legislativo. Alguns arriscaram supor que o secretário teria entregue um projeto de Cartaxo ao presidente Marcus Vinicius. Outros insinuavam que a visita teria a ver com o suposto “sumiço” do colega Waldir Dosler, o Dinho, relator do Orçamento de 2018 que anda insatisfeito com o prefeito e seu auxiliar, presidente do PMN na Paraíba. Mas, tudo na base do “ouvi dizer”. A assessoria de Dinho informou que o vereador está viajando.

Relator do Orçamento 2018, Dinho preocupa Cartaxo (Imagem da Internet)

O caso envolvendo o PRTB e vereadores da base de Cartaxo é mais concreto. Eduardo Carneiro, presidente municipal do partido, confirmou convites a Dinho e a Durval Ferreira, atual secretário de Ciência e Tecnologia, que também estaria queixoso quanto ao tratamento que vem recebendo do Paço Municipal. Carneiro disse que aguarda uma resposta positiva para ampliar sua bancada na Casa de Napoleão Laureano.

Mas, essa resposta deve demorar um pouco. Isso porque a “janela” para mudança de partido só deve ser aberta em março ou abril. A saída antes dessa data sujeitaria os vereadores à punições com base no dispositivo da fidelidade partidária.

São movimentações visando 2018.

Comentar

Luiz Antonio “surpreende” adversários e anuncia pagamento do 13 aos servidores de Bayeux

Imagem da Internet

Disputa jurídica à parte, o prefeito interino de Bayeux, Luiz Antonio, “surpreendeu” os adversários ao anunciar, nesta quarta-feira, o pagamento do 13 salário dos servidores municipais.

O pagamento será escalonado e os servidores da Educação receberão primeiro (nesta quarta-feira). Amanhã (quinta-feira), recebem os servidores da Saúde. Até o próximo dia 20, Luiz Antonio espera ter concluído o pagamento.

O prefeito já havia surpreendido ao pagar a folha de novembro dentro do mês trabalhado, quando ninguém apostava um centavo que conseguiria. Agora, vem a quitação do abono natalino.

E não para por aí. Segundo sua assessoria, Luiz Antonio trabalha para quitar a folha de dezembro até o final do ano. As dificuldades são muitas, mas a expectativa é real.

Luiz Antonio sabe que a única maneira de se diferenciar do prefeito afastado e ex-aliado Berg Lima é fazer “a máquina andar”, cumprindo pelo menos os compromissos institucionais. Em relação às pendẽncias dentro e fora da Câmara Municipal, só lhe resta se defender.

Comentar

José Aldemir adota “remédio amargo” para administrar mesmo pondo em risco futuro político

Imagem da Internet

Corte de gastos na gestão pública nunca foi nem será iniciativa aplaudida pelos atingidos, muito menos por aliados. Mas, em tempos de crise econômica, prefeitos enfrentam o dilema entre adotar medidas austeras para assegurar a governabilidade ou decretar a “falência” de suas gestões.

Nos dois casos, as consequências imediatas são negativas, do ponto de vista político-eleitoral. O desgaste é tão grande que muitas vezes, dependendo do caso, compromete até o futuro dos gestores.

O prefeito de Cajazeiras, José Aldemir, decidiu enfrentar o risco. Escolheu a primeira alternativa e exonerou todos os servidores comissionados numa canetada só. Se não o fizesse, certamente não pagaria a folha de dezembro, nem o 13 salário dos efetivos.

Não precisa ser profeta para imaginar o tamanho do prejuízo político. Aliados de primeira hora, parentes e até vereadores se queixaram dos indicados jogados no olho da rua. Todos com base no mesmo discurso: “Ajudamos a eleger o prefeito que agora nos paga dessa forma”.

Argumento mais que justo. Quem vence a eleição governa com aliados. O perdedor faz oposição. É a lógica do jogo político. Mas, como administrar uma folha de pessoal sem recursos financeiros suficientes para pagar os saários?

Foi partindo dessa premissa que Aldemir recorreu ao “remédio amargo” da redução de despesas, cortando inclusive “na própria carne”. Em outra medida dura, o prefeito, o vice e auxiliares “doaram” 20% de seus salários à gestão municipal. Também houve corte de 30% nas gratificações e no consumo de combustíveis.

“Não estamos pagando diárias a ninguém. Foi um remédio amargo, mas necessário para garantir a governabilidade”, justificou Aldemir, acrescentando que
bancou viagem à Brasília, onde buscou recursos para a cidade, do próprio bolso.

Aldemir sabe que, mesmo estando correto, muitos aliados não digeriram bem as medidas adotadas. Aos insatisfeitos, o prefeito pediu apenas compreensão e solidariedade. “Comissionado é cargo político e estamos no mesmo barco”, lembrou.

O prefeito sabe que, lá na frente, terá como compensação para as perdas de agora, o reconhecimento da população cajazeirense. Até porque, o interesse público e coletivo está acima de sua relação com aliados políticos.

Comentar

Contas de 17 prefeituras estão na pauta do TCE na sessão desta quarta-feira

Imagem da Internet

Contas anuais de 17 Prefeituras integram, em meio a outros processos, a pauta de julgamentos do Tribunal de Contas do Estado para esta quarta-feira (13). A mesma pauta traz, ainda, as contas de 2016 da Secretaria de Estado de Desenvolvimento e da Articulação e as do Projeto Cooperar atinentes, neste caso, ao exercício de 2015.

Terão suas contas examinadas pelo TCE os ex-prefeitos de São José de Espinharas (René Trigueiro Caroca, 2014), Nova Olinda (Maria do Carmo Silva, 2015), Cacimba de Dentro (Edmilson Gomes de Souza, 2015), Serra Branca (Eduardo José Torreão Mota, 2013), Amparo (José Arnaldo da Silva, 2014), Congo (Romualdo Antonio Quirino de Sousa, 2015), Aguiar (Manoel Batista Guedes Filho, 2015), Puxinanã (Lúcia de Fátima Aires Miranda, 2015), São Sebastião de Lagoa de Roça (Maria do Socorro Cardoso, 2015), São José dos Cordeiros (Fernando Marcos de Queiroz, 2015), Bayeux (Expedito Pereira de Souza, 2013) e Olivedos (Grigório de Almeida Souto, 2015).

Também, os atuais prefeitos de Serra Grande (Jairo Harley de Moura Cruz, 2015), São João do Cariri (Cosme Gonçalves de Farias, 2016), Condado (Cairo Rodrigo Bezerra Paixão, 2015), São Domingos do Cariri (Inara Marinho Ferreira da Silva, 2016) e Itatuba (Aron Rene Martins de Andrade, 2015).

Presididas pelo conselheiro André Carlo Torres Pontes, as sessões ordinárias do TCE ocorrem às quartas-feiras, a partir das 9 horas, com acesso permitido ao público e transmissões ao vivo pela TV TCE-PB (Canal no Youtube).

Com Ascom/TCE-PB

Comentar

PROS na Paraíba passa de “caso tranquilo” para “grande interrogação” e acende luz amarela na Granja Santana

Imagem da Internet

Tudo parecia tranquilo. Os deputados Lindolfo Pires e Trócolli Júnior deixaram o DEM e o PMDB, respectivamente, para “administrar” o PROS na Paraíba. A ideia inicial era usar o partido como abrigo para aliados em risco de não obter legenda ou chances reais de vitória para disputar as eleições de 2018, mesma situação dos dois parlamentares. Tanto que, depois de Lindolfo e Trócolli, a direção nacional convidou o ex-prefeito de Campina Grande, Veneziano Vital do Rego, não só para se filiar, mas para presidir o partido no Estado.

A entrada de Vené, mesmo que fosse para tomar o comando do PROS de Lindolfo, não enfrentaria resistência do parlamentar sousense, muito menos de Trócolli. Os dois sabem que não poderiam “medir força” com um deputado federal. Ainda mais em se tratando de um aliado político. Para quem não lembra, o “Cabeludo” integra a “ala rebelde” do PMDB e defende aliança com o PSB, do governador Ricardo Coutinho.

André Amaral I(pai e filho) estão rindo à toa (Imagem da Internet)

Mas, Veneziano “esnobou” o convite e preferiu alimentar sua eterna “queda de braço” com o PMDB da Paraíba, leia-se o senador José Maranhão, e nacional, do presidente Michel Temer. O “castigo” veio logo em seguida. Cansada de esperar por uma definição de Vené, a direção nacional do PROS entregou o comando do partido na Paraíba ao até pouco tempo “inexpressivo” deputado federal André Amaral, que não quis assumir a missão, mas indicou o pai, de mesmo nome, para ocupar a presidência do diretório estadual.

Surpreso e preocupado com sua situação, o ex-prefeito de Campina Grande não esperava deixar companheiros em “maus lençóis” e ainda tentou reagir, através de Trócolli, que foi a São Paulo conversar com a direção nacional “oferecendo o passe” do Cabeludo para comandar o partido. Já era tarde. Na próxima semana, o PROS se reunirá para colocar um ponto final nas especulações e endossar o comando da Família Amaral.

Lindolfo e Trócolli terão que procurar outro abrigo ou se submeterem “às ordens” da nova direção paraibana do PROS. Um partido governista, mas nem tanto. O patriarca André Amaral é muito ligado ao senador José Maranhão, pré-candidato ao Governo do Estado pelo PMDB. Ou seja, a “brincadeirinha” ou “arrogância” de Vené transformou o PROS, até então um “caso tranquilo”, numa grande interrogação para o projeto socialista.

Comentar

Mineral trabalha para criação de “terceira força” em Patos e diz que população não suporta mais “gangorra” da família Wanderley

Imagem da Internet

O deputado estadual Antonio Mineral (PSDB) trabalha para viabilizar a criação de uma “terceira força” política em Patos, capital do Sertão paraibano, para fazer frente aos grupos do atual prefeito, Dinaldinho Wanderley (PSDB), e do deputado e ex-prefeito Nabor Wanderley (PMDB). Mineral disse, nesta terça-feira, que a população patoense não suporta mais a “gangorra” que só favorece a família Wanderley.

“Quando um está no poder, o outro está na oposição. A diferença entre os dois grupos é apenas a situação política em que cada um se encontra, mas a atuação é a mesma e a população de Patos está cheia dessa gangorra. Temos que renovar, temos que mudar, oferecer alternativas ao eleitorado e acredito que só podemos fazer isso com união e trabalho”, afirmou Mineral.

Segundo o deputado, o modelo de gestão da família Wanderley – que inclui Dinaldinho, Nabor e Chica Motta – está tão saturado que muitos aliados dos que controlam a prefeitura passaram para o outro lado porque não alcançaram seus objetivos junto aos detentores do poder. A mesma coisa aconteceu quando o PMDB estava governando. “Diante dessa situação, quem está perdendo é a cidade que não sai do canto, não encontra uma maneira de se desenvolver. Queremos quebrar essa variação e mostrar que a renovação é o caminho. Patos precisa de obras e ações, não de politicagem”, sustentou Mineral.

Candidato à reeleição em 2018, Mineral entende que os insatisfeitos com a situação que Patos atualmente enfrenta devem se unir a partir das próximas eleições e preparar pré-candidatos para a sucessão municipal de 2020. Segundo ele, a intenção é trabalhar um nome “novo”, com propostas objetivas e exequíveis, para enfrentar a família Wanderley nas urnas. “É importante evitar restrições. As portas estarão abertas para todos que quiserem defender esse novo projeto”, sustentou.

Tem tudo para dar certo.

Comentar

Presidente Gervasio Maia assina ordem de serviço para reforma do prédio da Assembleia Legislativa

Imagem da Internet

O presidente da Assembleia Legislativa da Paraíba (ALPB), deputado Gervásio Maia (PSB), assinou nesta terça-feira (12) a ordem de serviço para início das obras de reforma da sede do Poder Legislativo. A assinatura da autorização aconteceu no Plenário José Mariz. A reforma representa um investimento de quase R$ 2 milhões para a reforma do prédio sede.

A previsão para conclusão da reforma é de quatro meses, podendo ser antecipada. As obras devem ser iniciadas imediatamente, já que a Assembleia Legislativa já está perto de entrar em recesso. Segundo o presidente, 70% dos espaços no subsolo já foram desocupados e deve dar para conciliar com as obras.

A reforma abrange todo o subsolo, inclusive plenário, auditório, implantação de duas salas para reuniões simultâneas para reuniões de comissões permanentes, sala de reunião, sala de entrevistas, entre outros ambientes, e uma parte do térreo. “A ideia é deixar tudo modernizado, a área bem acessível e funcionando bem, desde o comitê de imprensa, a taquigrafia, teremos um novo estúdio de televisão no térreo, já que hoje o nosso estúdio de TV funciona em uma gambiarra aqui no subsolo, então a concepção do projeto dimensionou bem os espaços”, assegurou Gervásio.

Fora a reforma do prédio sede, posteriormente a Assembleia Legislativa fará investimentos na mobília necessária à instituição, no Centro Médico e na reforma de prédio também na Praça dos Três Poderes que abrigará o edifício garagem, com dois pavimentos, com cerca de 55 vagas. “Essa licitação ainda vai ser lançada”, disse Gervásio.

Comentar

DINHEIRO NA CONTA: Ricardo anuncia antecipação de pagamento da segunda parcela do 13º de servidores estaduais

O governador Ricardo Coutinho (PSB) anunciou, agora há pouco, através das redes sociais, a antecipação do pagamento da segunda parcela do 13º salário dos servidores estaduais. Inicialmente, o pagamento estava programado para acontecer nesta quarta-feira (13).

“Servidores Públicos da Paraiba, o 13° salário já está depositado no Bradesco, um dia antes da data anunciada. Adelante”, postou Ricardo em seu perfil pessoal no Twitter.

De 29 de novembro até 28 de dezembro, estão sendo injetados mais de R$ 800 milhões na economia paraibana com o pagamento da folha, incluindo o 14º e o 15º salários da Educação. De acordo com o calendário, no dia 19, será pago o 14º salário da Educação, destinado a funcionários de escolas que alcançaram índices de melhoria na qualidade de ensino, enquanto no dia 22 de dezembro, será pago o 15º salário a professores que tiveram projetos aprovados por uma comissão contratada pela Secretaria de Estado da Educação.

O pagamento da folha de dezembro será efetuado nos dias 27 e 28 de dezembro, quando recebem aposentados e servidores da ativa, respectivamente.

Comentar

Prefeitura de João Pessoa emite nota e garante liberar obra do Grupo Ferreira Costa se exigências técnicas forem cumpridas

A Prefeitura de João Pessoa emitiu nota nesta terça-feira explicando o embargo às obras de construção do Home Center do Grupo ferreira Costa, de Pernambuco, na Estrada de Cabedelo. Segundo a nota, as secretarias de Planejamento e do Meio Ambiente já concederam licenças prévias para manejo da vegetação, terraplenagem e construção do muro que cerca o terreno. Faltando apenas o cumprimento de normas estabelecidas pelo Ministério da Defesa, através do Comando da Aeronáutica.

Como o Grupo Ferreira Costa protocolou um novo projeto, em análise, a PMJP espera que as existências legais sejam cumpridas para suspensão dos embargos e liberação imediata da obra.

Abaixo, o teor da nota:

NOTA À IMPRENSA

Com relação ao projeto de construção de uma unidade do Grupo Ferreira Costa no município, a Secretaria de Planejamento de João Pessoa esclarece que:

1. A administração municipal tem atuado de maneira firme para fomentar o desenvolvimento econômico da Capital, oferecendo estímulos à iniciativa privada, inclusive por meio de incentivos fiscais, da redução de impostos e da oferta de microcrédito. Dessa maneira, vem garantindo a geração de emprego e renda na cidade com a chegada de novos empreendimentos;

2. A prefeitura tem procurado ser parceira e facilitadora das atividades empresariais no município, mantendo diálogo permanente com grupos como o Ferreira Costa, cujo projeto, cumpridas as exigências legais, em nenhum momento enfrentará qualquer obstáculo para sua implantação na Capital;

3. As secretarias de Planejamento e do Meio Ambiente já concederam as licenças prévias necessárias para manejo da vegetação, terraplenagem e construção do muro em torno do terreno onde será erguida a loja do grupo;

4. O único problema existente era a inadequação do projeto apresentado inicialmente e executado pela empresa, que descumpria as normas estabelecidas pelo Ministério da Defesa por meio do Comando da Aeronáutica, além da falta de requisição de alvará para obras de fortalecimento do solo;

5. Mais recentemente, a empresa protocolou um novo projeto, supostamente de acordo com a legislação vigente, que agora passa por análise técnica desta secretaria; a Secretaria de Planejamento já apresentou à empresa a relação de incorreções para nova adequação do projeto;

6. Cumpridas as exigências legais e aprovada a nova versão do projeto, as licenças adicionais serão emitidas e o embargo imediatamente levantado.

Observação dos anexos:

1 – Capa do primeiro projeto apresentado em 19/09/2017;
2 – Protocolo de novo projeto em 28/11/2017;
3 – Comunicado da Seplan, em 29/09/2017 (dia seguinte), sobre necessidade de correções no projeto;
4 – Lista de pendências, com destaque para duas marcadas que ainda não foram resolvidas pela empresa (autorização do COMAER e recuo frontal).

Comentar

Buba Germano prevê mais de duas candidaturas em 2018 e diz que segundo turno fortalece Azevedo

Imagem da Internet

O deputado licenciado e atual secretário estadual de Articulação Política, Buba Germano (PSB), prevê a disputa entre mais de dois candidatos ao Governo do Estado nas eleições de 2018. Buba acha que o senador José Maranhão, presidente do PMDB na Paraíba, será mesmo candidato novamente à sucessão estadual. “O quadro aponta que haverá pelo menos três candidaturas”, avalia Germano, referindo-se ao prefeito de João Pessoa, Luciano Cartaxo (PSD), o senador José Maranhão (PMDB) e o secretário estadual de Infraestrutura, João Azevedo (PSB).

Buba Germano entende que o quadro, com três candidaturas, favoreceria o candidato governista porque as oposições disputariam o pleito divididas. “Não é possível que nosso candidato não tenha mais de 30% dos votos”, justificou o socialista, lembrando o histórico de candidatos da Situação em disputas anteriores.

Mesmo evitando contar como certo um possível apoio de Maranhão num eventual segundo turno, Buba lembrou as “afinidades” entre o senador e o projeto socialista.

Comentar