CHAPA FAMILIAR: Cartaxo enfrenta resistência para indicar esposa ao Senado e pode optar por uma das suplências

Imagem reprodução da Internet

O pré-candidato a governador é irmão do prefeito de João Pessoa. Sua vice, é esposa do prefeito de Campina Grande. Um dos candidatos ao Senado Federal é primo do marido da vice. Faltam ainda serem indicados o outro nome para disputar o mandato de senador e as duas suplências. Alguém reconhece essa chapa majoritária que concorrerá às eleições na Paraíba?

Quando Luciano ainda era pré-candidato ao Governo do Estado, Romero Rodrigues (PSDB), prefeito de Campina Grande, enfrentou dificuldades para emplacar a esposa na vaga de vice. Romero chegou a ameaçar “cruzar os braços” na campanha, mas só teve a indicação liberada após a substituição do gestor pessoense pelo irmão gêmeo. Mesmo assim, Lucélio só veio confirmar o nome de Micheline Rodrigues no São João, decisão anunciada pelo próprio Romero.

Naquela época, dizia-se que a presença da primeira dama de Campina Grande tornaria a chapa “muito familiar”. Foi também com esse argumento, anteriormente, que o deputado Pedro Cunha Lima teve a indicação para a mesma vaga “rifada”.

Agora, depois de conseguir impor a troca de “seis por meia dúzia”, a família Cartaxo prepara mais uma surpresa. A primeira dama de João Pessoa não poderia ficar fora dessa chapa. Família é família. Pois bem, Maísa Cartaxo licenciou-se da Universidade Federal da Paraíba, onde trabalha, para ficar “livre, leve e solta”, pronta para enfrentar as urnas nas eleições de outubro.

Segundo as “más línguas”, o sonho de Luciano é indicá-la para a segunda vaga de senador na chapa do irmão Lucélio. A ideia, entretanto, estaria encontrando resistência do PSDB. O argumento? O mesmo utilizado no passado para barrar as pretensões dos tucanos: a tal familiarização da chapa.

Com a boataria envolvendo uma possível desistência do irmão, o prefeito pessoense teria decidido não “peitar” a tucanada novamente para evitar riscos de uma cisão. E pretende indicar a esposa para uma suplência, cargo menos visível e visado. Mas, tem que ser a de Cássio.

Nem precisar dizer por que, né?

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

O blog não se responsabiliza pelo conteúdo exposto neste espaço. O material é de inteira responsabilidade do seu autor