Na “guerra” de nmeros e acusaes entre Ricardo e Cssio, sobrou para o senador Jos Maranho

Imagem da Internet

Imagem da Internet

Na “guerra” de nmeros e acusaes travada entre o governador Ricardo Coutinho (PSB) e o senador Cssio Cunha Lima (PSDB), coube ao tambm senador e ex-governador Jos Maranho (PMDB) “pagar o pato”, como tratada esse tipo de situao no vocabulrio popular. Em direito de resposta informao divulgada no jornal Correio da Paraba, o Governo do Estado acabou atingindo a gesto antecessora ao referir-se a um suposto dficit de quase R$ 2 bilhes que Maranho teria deixado como “herana” para o socialista.

Maranho rebateu a acusao, atravs de nota, referindo=-se a “uma afirmao falsa, cavilosa e sem comprovao”. Segundo o ex-governador, o prprio Tribunal de Contas do Estado comprovou a inexistncia de tal dficit, em relatrio aprovado pela Assembleia Legislativa. “O relatrio, ao contrrio, aponta saldos de R$ 610 milhes”, lembrou.

Abaixo, a nota de Maranho na ntegra:

NOTA

Para contestar dados publicados na coluna da Jornalista Lena Guimares, do Jornal Correio da Paraba, edio do dia 26 de dezembro do corrente ano, em matria assinada pela Jornalista Adriana Bezerra, que substitui a titular, o Governo do Estado enviou redao do citado jornal, matria requerendo direito de resposta. A reportagem principal tinha o ttulo de Artilharia Pesada, sendo aquela resposta publicada na mesma coluna, na edio do dia 28/12/2015, com o ttulo A Verso do Governo.

No do meu interesse discutir o contedo, muito menos a veracidade e mrito dos dados ali relacionados. O que me leva a comentar o fato o argumento usado pelo apressado e despreparado redator da resposta oficial que afirma, entre outras justificativas, que:

Diferentemente do que se viu ao final de 2010, ano no qual a ilustre colunista (errou at a identificao da pessoa da Jornalista) ocupava a Secretaria de Comunicao Institucional, quando o Estado fechou com um dficit oramentrio anual de R$411 milhes, alm de uma herana de R$1,3 bilho de reais em dbitos, s permitindo a recuperao do equilbrio fiscal nos anos seguintes da atual gesto

Essa despreparada afirmao de que meu Governo deixou um dbito de 1,3 bilho de reais j foi rebatida inmeras vezes, desde o incio de 2011, por mim e pelos componentes da equipe econmica do meu governo. uma afirmao falsa, cavilosa e sem comprovao.

Em uma das entrevistas publicadas por despreparados assessores governamentais, no inicio da gesto iniciada em 2011, foi dito que uma das parcelas do mencionado dbito eram as prestaes vincendas da Divida Fundada para 2011: Afirmao eivada de m f.

At hoje, embora solicitada por membros do meu governo, atravs de pronunciamentos na imprensa, jamais foi divulgada a listagem desses dbitos sem cobertura financeira: Simplesmente porque eles no existem.

Os restos pagar de 2010, contabilizados oficialmente, existentes pelo simples fato de que as obras em andamento e/ou os materiais e equipamentos adquiridos e empenhados, no estavam concludas e/ou entregues a ponto de serem pagos, praticamente todos eles financiados com recursos federais de convnios e do contrato de emprstimo do BNDES, todos eles cobertos financeiramente, com recursos depositados em bancos, conforme atestado pelo balano geral do estado/2010, assinado e publicado pelo Governador do Estado da poca e atual, merecendo parecer favorvel do Tribunal de Contas do Estado e aprovao da Assembleia Legislativa do Estado da Paraba, com saldos disponveis de R$610 milhes.

Mais uma vez venho contestar as informaes oficiais citadas, relativamente ao perodo do meu governo, por improcedentes e sem comprovao.

Joo Pessoa, 29 de Dezembro de 2015.

JOS TARGINO MARANHO
Ex-Governador da Paraba
Senador da Repblica

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

O blog não se responsabiliza pelo conteúdo exposto neste espaço. O material é de inteira responsabilidade do seu autor