Justiça manda ex-prefeito paraibano devolver R$ 382 mil aos cofres públicos

Imagem Reprodução

O ex-prefeito do Município de São João do Rio do Peixe, Lavoisier Gomes Dantas, foi condenado pela Justiça da Paraíba a ressarcir integralmente aos cofres públicos a quantia de R$ 382.213,90  por ato de improbidade administrativa. A decisão também determina a suspensão dos direitos políticos por cinco anos; proibição de receber benefícios ou incentivos fiscais ou creditícios pelo prazo de cinco anos; e multa civil de 20 vezes o valor da remuneração recebida.

A sentença foi proferida pelo juiz Jailson Shizue Suassuna durante o Mutirão da Meta 4, do Conselho Nacional de Justiça (CNJ) no âmbito do Judiciário estadual.

De acordo com os autos da ação, no exercício financeiro de 2006, teriam sido constatadas diversas irregularidades na prestação de contas do ex-prefeito, tais como despesas pagas e não comprovadas no montante de R$ 382.213,90. “Da análise dos autos, pode-se concluir que inúmeros gastos foram pagos sem que tenha ocorrido a comprovação do devido fornecimento ou prestação dos serviços”, afirmou o juiz na sentença. O magistrado destacou, ainda, que o dolo e a má-fé do ex-gestor estão demonstrados, na medida em que era ele o ordenador de despesas, cabendo-lhe zelar pela regular realização das mesmas na municipalidade.

Ainda de acordo com a decisão, o ex-prefeito teria praticado ato de improbidade no tocante ao repasse a menor das contribuições previdenciárias, como também por realizar despesas sem licitação no montante de R$ 189.653,03. “É inegável a lesão jurídica nesta situação, pois qualquer ato que frustre a licitude de processo licitatório, dispensando-o, inclusive indevidamente, configura ato de improbidade administrativa”, ressaltou o juiz Jailson Shizue.

Na sentença, o ex-prefeito foi absolvido da acusação de ter realizado gastos com pessoal acima do limite legal. “Não resta caracterizado o ato improbo do demandado quanto a este ponto específico da ultrapassagem do limite dos gastos com pessoal”, destaca a decisão. Da mesma forma, o magistrado não considerou que tenha havido ato de improbidade em relação a contratação de OSCIP’s.

Comentar


Deputado lamenta morte da jornalista Lena Guimarães

Imagem da Internet

O deputado federal Ruy Carneiro (PSDB) lamentou a morte da jornalista Lena Guimarães, que assinava coluna no jornal Correio da Paraíba. Em contato com o blog, Ruy enviou o texto abaixo sobre o fato:

*Nota do deputado federal Ruy Carneiro sobre o falecimento da jornalista Lena Guimarães*

“Inconformado e consternado, recebi a notícia da morte prematura de Lena Guimarães. Mais do que uma conselheira, perdi uma grande amiga, por quem tive sempre respeito e admiração.

A sua partida representa uma grande perda para toda a Paraíba. Profissional competente, marcou a história da comunicação no nosso Estado, inaugurando um verdadeira escola de jornalistas.

Que Deus conforte os seus familiares e amigos neste momento de tanta dor”,

 

 

­

 

Comentar


Governadores do Nordeste apresentam oportunidades de investimentos para empresários franceses

Imagem Reprodução

Os governadores do Nordeste iniciaram, nesta segunda-feira (18), a missão na Europa. Durante evento em Paris, o grupo apresentou a 40 empresários franceses um mapa de oportunidades de investimentos no Nordeste. Os empresários também puderam esclarecer dúvidas com os governadores e alguns apresentaram atuações que já possuem no Brasil.

Esta é a primeira articulação internacional do Consórcio Interestadual de Desenvolvimento Sustentável do Nordeste (Consórcio Nordeste). Para ampliar o fluxo de negócios com investidores europeus e fortalecer as relações de cooperação, o consórcio destaca o potencial de consumo e de desenvolvimento da região nordestina, que reúne 57,1 milhões de habitantes e tem um Produto Interno Bruto (PIB) de R$ 898,1 bilhões, equivalente a 14% do PIB brasileiro.

Na viagem à Europa, o objetivo dos governadores é atrair recursos para áreas integradoras, como sustentabilidade, infraestrutura, turismo, saúde, segurança pública, saneamento e energias limpas, inclusive com a perspectiva de abertura de parcerias público-privadas (PPPs).

O governador da Paraíba, João Azevêdo, ressaltou as ações realizadas pelos estados nordestinos nas áreas de educação e empreendedorismo. “Nós entendemos claramente que temos que buscar, aliado ao desenvolvimento econômico de uma região, a inclusão social como um tema principal, por isso, que todos os estados da Região têm se destacado na educação, o que é muito importante porque possibilita que os jovens possam ingressar no mercado de trabalho da melhor maneira possível. Nós temos a compreensão de que no mundo e nas relações de trabalho que temos hoje completamente diferentes das vivenciadas tempos atrás, o empreendedorismo é fundamental para que a gente possa ter uma educação de qualidade, mas, ao mesmo tempo, permitindo que o jovem tenha uma visão de mundo e de relações trabalhistas diferentes”, afirmou.

Ele também destacou as potencialidades do Nordeste no turismo e na geração de energias alternativas. “Há um potencial enorme a ser explorado pelas belezas naturais; então esse é um segmento com uma margem muito grande para receber investimentos de todo o mundo”, acrescentou.

Oportunidades – O governador da Bahia e presidente do Consórcio Nordeste, Rui Costa, mostrou aos franceses as oportunidades em segmentos como energia, conectividade, segurança, além da preservação de rios e nascentes.

“Queremos com essa visita aumentar os números de nossa relação comercial com a Europa. O Nordeste é a região do Brasil que tem crescido acima da média.  Temos 33 projetos para licitar em PPPs, representando R$ 27 bilhões em investimentos”.

O diretor geral do tesouro francês, Cristophe Bories, disse que “a França investe mais no Brasil do que na China. O Nordeste é uma região que tem três vezes a superfície da França e tem desafios e oportunidades para nossas empresas. As autoridades francesas estão mobilizadas para apoiar projetos no Brasil através de financiamentos. Podemos fazer vários tipos de cooperação entre a França e os estados do Nordeste”.

Para Luis Cesar Gasser, representante do Itamaraty presente na reunião, o Governo Federal vê muito potencial nessa parceria do Nordeste com a Europa e está interessado em aprimorar o que for preciso para atrair mais investimentos estrangeiros.

O integrante do Movimento das Empresas da França (Medef), Gérard Wolf, se mostrou interessado em dar andamento às negociações e sugeriu uma reunião nos próximos meses em Salvador para aprofundar as discussões com as empresas francesas.

“Esta missão mostra a importância da união dos estados do Nordeste, que enfrentam desafios semelhantes, e que atuam juntos para avançar nas soluções. Estamos mostrando as potencialidades do Nordeste para o mundo em busca de novas parcerias e novas oportunidades de negócios”, comentou o governador do Ceará, Camilo Santana.

Organizado pelo Medef, o evento ocorreu na sede do Ministério da Economia e Finanças da França. Após a apresentação e conversa com os empresários, os governadores se reuniram com o ministro francês Bruno Le Maire.

Além de Paris, o grupo estará em Roma, na quarta-feira (20), e em Berlim, na quinta (21) e sexta-feira (22).

Participam da missão os governadores Rui Costa (Bahia), João Azevêdo (Paraíba), Renan Filho (Alagoas), Camilo Santana (Ceará), Paulo Câmara (Pernambuco), Wellington Dias (Piauí), Fátima Bezerra (Rio Grande do Norte), assim como o vice-governador Carlos Brandão (Maranhão). O governador de Sergipe, Belivaldo Chagas, não viajou por motivos de saúde e está representado na missão pelo superintendente de Parcerias Público-Privadas, Oliveira Junior.

Com Secom/PB

Comentar


VIDA MANSA: Além de curtirem o “Natal Luz”, com direito a “gordas” diárias, vereadores de Santa Rita também ganham fama nacional

Imagem da Internet

Onze vereadores de Santa Rita, região metropolitana de João Pessoa, ganharam fama naciomal neste domingo, ao serem destacados no programa Fantástico da Rede Globo, a maior audiência do horário.

A reportagem completa não tratou do desempenho dos parlamentares na Câmara Municipal, como se esperava. Mas, de uma “inesquecível” viagem para conhecer o “Natal Luz”, na cidade de Gramado, no Rio Grande do Sul, festa mundialmente famosa.

Oficialmente, os vereadores foram para um evento de trabalho, representando a população de Santa Rita. Ganharam até generosas diárias para custear suas despesas. Mas, ao desembarcarem de volta do périplo, acabaram presos na “Operação Natal Luz”, ação conjunta do Ministério Público e Polícia Civil da Paraíba, com ajuda do.Ministério Público do Rio Grande do Sul.

Soltos após audiência de custódia, os vereadores respondem a processos em liberdade por suspeita de peculato e apropriação indébita de recursos públicos através de diárias.

O MP sustenta que a viagem foi apenas para fazer turismo. O grupo nega e garante que o objetivo foi a participação em evento oficial.

O Fantástico mostrou a passagem dos vereadores pelo hotel e pelos locais turísticos de Gramado, com fotos ‘selfie’ (como fez Rosa do Vaqueiro), vídeos em pedalinho e imagens dos quartos onde ficaram hospedados.

O material sugere que os vereadores, se compareceram a esse tal evento, na melhor das hipóteses priorizaram o lazer e o turismo. Tudo às custas do contribuinte santarritense. Mas, os advogados de defesa asseguram que há provas da participação efetiva dos clientes no evento.

“Estamos aqui pela confiança do povo. Vamos honrar essa confiança”. A sugestiva frase, usada para encerrar a matéria do Fantástico, foi dita pelo vereador Marcos Marias durante sessão na Câmara Municipal de Santa Rita.

Mas. Isso foi bem antes dele conhecer o “Natal Luz”, receber “gordas” diárias e ganhar fama nacional.

Com informações do Fantástico e Clickpb

 

 

 

 

Comentar


Líder do PT defende “ampliação” do discurso e aliança de esquerda para recuperar eleitorado perdido

Imagem Reprodução

Por Daniel Carvalho e Henrriksen de Andrade/Folhapress

BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) – Com a libertação do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, na sexta-feira passada (8), o PT ingressa em um novo capítulo de sua história, tentando agora se recuperar da derrota sofrida nas urnas nas eleições de 2018 para o presidente Jair Bolsonaro.

Ao programa de entrevistas da Folha de S.Paulo e do UOL, no estúdio compartilhado em Brasília, o líder do partido no Senado, Humberto Costa (PT-PE), reconhece que é necessário falar para além de sua bolha, em um esforço para recuperar a parcela do eleitorado perdida.

“Nosso discurso tem que se dirigir não somente para um terço que gosta e vota no PT, mas para mais de 50% da sociedade que já, inclusive, votou no PT”, diz Costa.

De acordo com o senador, Lula elevou o tom nos primeiros discursos ao sair da prisão, mas deve buscar o diálogo com o país. Ele ainda defendeu uma aliança ampla da esquerda brasileira nas eleições municipais de 2020.

Reconquistando eleitorado

“Estamos sob ataque desde 2015, quando ganhamos a eleição. Já estávamos sob ataque, mas esse mais cerrado – que culminou com impeachment [de Dilma] e com a proibição de Lula ser candidato, com a prisão dele e a verdadeira satanização do partido – nos obrigou a nos fecharmos em copas, darmos uma ordem unida à nossa tropa de resistir. Isso permitiu, inclusive, que o PT sobrevivesse e disputasse a eleição de 2018.”

“Estamos ainda muito contaminados por esse discurso. Aos poucos, o partido vai saindo dessa posição e compreendendo que não podemos continuar falando só para aquele terço da população que é a nossa base social.”

“Já temos praticamente um terço da sociedade que não está dando apoio ao governo Bolsonaro e uma parte desse um terço já esteve conosco em alguns momentos. Nosso discurso tem que se dirigir não somente para um terço que gosta e vota no PT, mas para mais de 50% da sociedade que já, inclusive, votou no PT.”

“Temos que adequar nosso programa, nosso projeto, nossa linguagem. Acho que vamos conseguir construir um discurso para reconquistar parte importante da sociedade.”

Lula livre

“Além de ser uma liderança de peso, Lula conversa e dialoga com amplos setores. O Lula que encontramos nesses primeiros momentos é alguém que estava há quase 600 dias preso injustamente, num processo com vícios gigantescos. Ele desabafou, nominou os responsáveis pelo que viveu.”

“Ele vai manter um tom elevado no sentido do enfrentamento que temos que dar a Bolsonaro. Agora, eu acho que Lula vai procurar abrir um diálogo importante no Brasil.”

Discurso radical

“Alguém no Brasil incitou mais a violência do que Bolsonaro? Defendeu torturadores, apregoou o assassinato do ex-presidente da República Fernando Henrique Cardoso, falou que se poderia matar 40 mil brasileiros, já propôs fechar o Congresso Nacional, já propôs fechar o Supremo.”

“E Lula que é radical? Lula que está ameaçando a segurança nacional? Pelo amor de Deus.”

Prisão em 2ª instância

“Não boto muita fé nisso. A Constituição é muito clara quando estabelece algumas cláusulas pétreas. As duas [PECs, propostas de emenda à Constituição que tramitam na Câmara e no Senado] procuram encontrar um atalho para negar a Constituição.”

“Com certeza não vai haver acolhida por parte do STF. As pessoas que estão hoje no Parlamento e no governo interessadas nisso não é porque querem que as pessoas vão para a cadeia. É porque não querem que Lula esteja solto.”

Hegemonia do PT

“O PT realmente já teve muitos momentos que poderia ter sido mais aberto ao entendimento. Um bom momento em que essa aprendizagem pode se manifestar será nas eleições do ano que vem.”

“Não que o PT se dilua e apoie candidaturas de outros partidos em todos os lugares, mas que possa ter a generosidade necessária para ser merecedor também do reconhecimento das outras forças políticas.”

Fragmentação da esquerda

“Avaliávamos que seria mais difícil compor uma frente política no início deste governo Bolsonaro. Dados o resultado eleitoral e a postura que o PDT e Ciro [Gomes, candidato do partido ao Planalto em 2018] tiveram, achávamos que ia ser difícil construir essa oposição. No entanto, conseguimos construir.”

“Haverá um encaminhamento para que nós possamos ter uma candidatura competitiva que envolva todos os segmentos em 2022. Defendemos que esse nome seja Lula. Vamos lutar para que ele tenha a recuperação integral dos direitos políticos. Certamente isso será objeto de uma discussão que vai envolver todo mundo.”

“A conjuntura vai ditar como as coisas acontecem. A esquerda tem uma plêiade de nomes para essa disputa. A unidade entre esses setores é o que faz a diferença para dar a esse candidato mais força.”

Eleição presidencial

“Não consigo ver no centro político uma postura firme que lhe dê protagonismo para entrar na disputa. Hoje, algumas alianças ao centro são difíceis.”

“Uma aliança mais global, sem ser pontual, com o MDB é difícil porque, em que pese haja um número razoável de parlamentares que não concordam integralmente com as políticas de Bolsonaro, o MDB tem sido, pelo menos no Senado, uma força que tem defendido essa agenda.”

Eleições 2020

“Para a eleição do ano que vem devemos compor uma articulação que envolva PT, PSB, PC do B, PDT e PSOL. Teremos um discurso político comum de derrotar a extrema direita e o bolsonarismo. O importante é que os candidatos que estejam nessa disputa vocalizem essa posição e deem um tom nacional a essa disputa.”

“No que diz respeito ao centro, podemos ter uma postura de dizer claramente que, em qualquer disputa onde esteja a extrema direita e outras forças, poderemos apoiar outras forças.”

Apatia da população

“Não quero fazer nenhuma comparação e muito menos defender o mesmo modelo de resistência, mas, no Chile, quantos anos foram para esse mal-estar da sociedade se manifestar? Décadas.”

“Acho que, no Brasil, essas insatisfações têm grande chance de se manifestar na eleição de 2020. O ideal é que evitemos isso [convulsão social], que impeçamos que haja um aprofundamento tão brutal da desigualdade como está se avizinhando que termine levando as pessoas ao desespero.”

Comentar


AGORA É LEI: Veículo não pode mais ser apreendido por ter IPVA atrasado

Imagem ilustração

O prefeito Doutor Jarques sancionou a lei que proíbe a apreensão de veículos que estejam com pagamento de IPVA atrasado, no município. A lei nº 751/2019 foi aprovada por unanimidade na Câmara Municipal de São Bento, no Sertão paraibano.

O autor da propositura foi o vereador Alex Dantas. A proibição da apreensão vale apenas para IPVA atrasado. Multas e licenciamento podem comprometer o condutor e o veículo.

Com clickpb

COMPARTILHE:

Comentar


Lígia Feliciano visita Cabedelo e discute investimentos no porto

Imagem: Júnior Fernandes

O governadora em exercício, Lígia Feliciano, realizou, neste sábado (16), uma visita técnica ao Porto de Cabedelo, ocasião em que discutiu investimentos e melhorias para o equipamento. Logo em seguida, Lígia Feliciano também visitou o local onde será construído o estaleiro de Lucena, com capacidade para gerar seis mil empregos.

Durante a visita, ela destacou os investimentos do Governo do Estado na ampliação do Porto de Cabedelo. “É uma visita em que verificamos as melhorias que já foram realizadas e também as que precisam ser feitas neste equipamento tão importante para a economia do estado”, observou Lígia Feliciano, ao recordar a comitiva liderada por ela, que viajou à China em busca de investimentos.

Apto a operações simultâneas, a estimativa é que o Porto de Cabedelo movimente 100 mil toneladas no mês de novembro. Oito navios já estão programados para o período, sendo sete vindos de países como Canadá, Rússia e Estados Unidos.

Na ocasião, a presidente da Companhia Docas Paraíba, Gilmara Temóteo, agradeceu a visita da governadora em exercício. “Recebemos com muita alegria a visita da governadora Lígia Feliciano, neste momento tão importante para o Porto, em que vimos in loco o que já foi feito no Porto de Cabedelo e também o que planejamos fazer, trazendo cada vez mais investimentos para o estado da Paraíba”, comentou.

Visita ao navio – Na ocasião, Lígia Feliciano ainda conheceu o navio da Marinha do Brasil, Fragata Liberal, que está na Paraíba fazendo o monitoramento do óleo que atinge o litoral nordestino.
O capitão de Fragata, Adriano Pires, agradeceu a visita da governadora em exercício ao navio. “É uma excelente oportunidade para a Marinha do Brasil apresentar às autoridades locais a nossa capacidade e as nossas ações nesta importante operação”, afirmou, destacando não ter encontrado manchas de óleo, até o momento, em águas paraibanas.

Estaleiro de Lucena – Tido como um dos equipamentos que vai mudar a realidade de cidades como Lucena e Cabedelo, o estaleiro terá capacidade de gerar seis mil empregos.

Durante a visita ao local onde será instalado o equipamento, a governadora em exercício ressaltou os avanços que o Governo do Estado tem obtido em diálogos com a iniciativa privada. “Um estaleiro de navio mexe com toda uma cadeia produtiva, e o nosso grande objetivo é a geração de novos empregos, a instalação de novas empresas. Estamos todos empenhados para tornar viável este estaleiro”, destacou Lígia Feliciano.

O secretário de Estado do Turismo e Desenvolvimento Econômico, Gustavo Feliciano, também ressaltou a importância econômica do estaleiro para a região de Lucena. “Lucena é uma cidade de 13 mil habitantes que irá receber seis mil novos empregos, transformando a realidade da região”, comentou.
O prefeito de Lucena, Marcelo Monteiro, agradeceu as ações do Governo do Estado para a construção do estaleiro no município. “O estaleiro vai impulsionar o desenvolvimento de nosso município, proporcionando oportunidade para o povo de Lucena”, acrescentou.

Além do deputado federal Damião Feliciano, participaram da visita às futuras instalações do estaleiro de Lucena a vice-prefeita do município, Andreia Costa, entre outras lideranças.

Com Secom-PB

Comentar


Lígia Feliciano assume Governo do Estado com viagem de João Azevedo à Europa

Foto: reprodução/Redes sociais

A vice-governadora Lígia Feliciano (PDT) assumiu interinamente o governo do Estado durante viagem do governador João Azevêdo (PSB) à Europa. A informação foi publicada pela pedetista nas suas redes sociais na tarde desta sexta-feira (15).

“Com orgulho assumo interinamente o Governo da Paraíba. Me sinto representando todas as mulheres neste momento. Vamos dar continuidade às ações que a administração vem promovendo. O governo permanece o mesmo, é uma agenda de continuidade. Desejo a João Azevêdo uma boa viagem de trabalho e tenho certeza que a Europa trará bons frutos para toda a nossa Paraíba”, comentou.

Com paraiba.com.br

Comentar


China disponibiliza U$$ 100 bilhões para investimentos no Brasil

Imagem Reprodução

Por Julio Wiziack/FolhaPress

BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) – A China pôs à disposição do governo Jair Bolsonaro mais de US$ 100 bilhões de pelo menos cinco fundos estatais para uma nova rodada de investimentos no Brasil.

Nas reuniões ocorridas entre os países nesta semana em Brasília, Pequim também sinalizou com uma expansão do crédito por meio de seus bancos no Brasil para competir principalmente por clientes do agronegócio e da indústria.

No caso dos fundos de investimento, a maior parte dos recursos deverá financiar projetos de infraestrutura.

O ministro da área no Brasil, Tarcísio de Freitas, assinou na quarta-feira (13) um acordo de cooperação com o ministro dos transportes da China, e, ao longo de cinco anos, haverá uma parceria na elaboração de projetos.

Essa parceria pode destravar um fundo criado pelos dois países em 2017 destinado principalmente à expansão de malha logística no país.

Desde a posse de Bolsonaro, nenhuma reunião ocorreu para decidir quais seriam os empreendimentos a serem financiados com os recursos desse fundo binacional.

Os chineses aguardam o sinal verde do Brasil para depositar US$ 15 bilhões. Segundo o acordo, o Brasil terá de entrar com US$ 5 bilhões como contrapartida.

Levantamento do CEBC (Conselho Empresarial Brasil-China) mostra que, na última década, os investimentos chineses acumulados no país foram de US$ 57 bilhões em 145 projetos espalhados por 21 estados e o Distrito Federal.

“Não temos os dados atualizados, mas, neste ano, seguramente, deve passar de US$ 60 bilhões”, disse Tulio Cariello, coordenador de análise e pesquisa do CEBC.

A maior parte desse investimento ocorreu a partir de 2017, com o programa de concessões e privatizações do então presidente Michel Temer.

Os chineses se consolidaram no setor elétrico, adquirindo geradoras, distribuidoras e linhas de transmissão. Somente em 2018, foram 12 projetos das estatais State Grid e China Three Gorges, com desembolsos de US$ 1,7 bilhão.

de a maior parte do investimento se concentrar em energia, grupos chineses estão presentes nos mais variados ramos da economia brasileira, desde a fabricação de máquinas e equipamentos, passando por telecomunicações, papel e celulose, até petróleo e gás, agricultura e varejo.

Segundo Cariello, em uma primeira fase de investimentos (de 2007 a 2011), a China buscou projetos chamados greenfield, nome que se dá a um empreendimento que começa do zero como a construção de uma fábrica.

De 2012 a 2016, a preferência passou para a compra do controle ou de participação minoritária em empresas já estabelecidas. Na gestão Temer, o apetite dos chineses aumentou com o programa de concessões e privatizações.

As relações com o Brasil começaram a estremecer com a posse de Bolsonaro, que reforçou o discurso usado na campanha de que não aceitaria a política da China de “comprar o Brasil, e não do Brasil”.

A situação ficou mais tensa quando Bolsonaro fechou um acordo de parceria com o presidente Donald Trump. China e EUA travam guerra comercial, com elevação mútua de tarifas.

A China é o principal parceiro comercial do Brasil. De janeiro a outubro, o Brasil exportou US$ 51,5 bilhões para o país asiático e importou US$ 30 bilhões.

A mudança de rumo na relação com a China ocorreu no fim de outubro, durante visita oficial de Bolsonaro ao país. No encontro com o dirigente chinês, Xi Jinping, o brasileiro pediu que as petroleiras chinesas participassem do megaleilão do pré-sal para garantir presença estrangeira. A China foi o único país que entrou na disputa.

A abertura para o país asiático ocorre no momento em que os resultados do alinhamento com os EUA não surtem os efeitos esperados pelo governo brasileiro, que, em contrapartida, fez diversas concessões.

Uma delas, a abertura do mercado de trigo para produtores americanos, desagradou à China, que fizera o mesmo pedido ao Brasil, sem sucesso.

O Brasil também busca o apoio dos EUA para entrar na OCDE (Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico). O país está na fila, e a Argentina foi anunciada recentemente como prioridade.

Caso a mudança de rumo nas relações se confirme, os chineses também querem ampliar a presença de seus bancos, principalmente os de fomento, como o China Development Bank, para expandir o crédito.

Bancos como o ICBC (Industrial and Commercial Bank of China), o Bank of China, o Haitong e o CCB (China Construction Bank devem ampliar neste ano seu patrimônio, hoje na casa dos US$ 3,5 bilhões, para poder concorrer na oferta de crédito nas áreas de agricultura e indústria, principalmente.

Por trás dessa estratégia, está a política do governo chinês de fortalecer a moeda, o yuan.

A ideia é massificar a presença de instituições financeiras chinesas a ponto de pleitear do Brasil que as transações comerciais e de investimentos sejam feitas diretamente na moeda chinesa.

“Isso levaria a uma redução de custos das transações nas duas pontas”, diz Sérgio Quadros, ex-gerente do Banco do Brasil na China que hoje pesquisa os benefícios da expansão da moeda chinesa no país.

Para ele, o Brasil pode ganhar com essa política. As empresas nacionais poderiam, por exemplo, se financiar comprando títulos chineses em yuan no exterior, pagando menos.

“Hoje, mais de 90% das reservas brasileiras são em dólar”, diz Quadros. “Tenho certeza de que a China gostaria que uma parte fosse em yuan.”

Segundo ele, hoje bancos centrais mantêm o equivalente a US$ 202 bilhões de suas reservas na moeda chinesa.

Comentar


Bolsonaro define adesões ao novo partido: “Quem for para lá, irá por amor”

Imagem Reprodução

BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) – O presidente Jair Bolsonaro disse que os parlamentares que o acompanharem na mudança de partido o farão por amor, já que a Aliança pelo Brasil não deve levar recursos do fundo partidário do PSL, sua atual legenda.

“Não sei, vou começar um partido pobre, sem dinheiro, sem televisão, quem for para lá, vai por amor. É igual casamento, a gente casa por amor”, disse ao chegar ao Palácio da Alvorada na noite desta quinta-feira (14).

Pouco depois, em transmissão ao vivo pelas redes sociais, o presidente disse que vai se desfiliar “com certeza” do PSL nos próximos dias.

Na terça (12), Bolsonaro anunciou a parlamentares de sua sigla que faria sua desfiliação e formalizou a criação do Aliança pelo Brasil, para abrigar sua família e aliados mais fieis.

“A única certeza é de que me desfilio do PSL nos próximos dias, agradeço todo o apoio e consideração que tive no partido. É uma separação amigável”, disse.
Apesar da fala de apaziguamento, a crise do presidente com seu partido teve troca de ofensas, judicialização, grampos e guerra de listas para escolha do líder na Câmara.

A dimensão pública sobre o descontentamento de Bolsonaro com o PSL se deu no início de outubro, quando ele disse a um apoiador que o atual presidente da legenda, o deputado federal Luciano Bivar (PE) estava “queimado para caramba”.

Na live, o presidente não mencionou o nome de Bivar.

“Boa sorte ai ao presidente do partido, boa sorte aos que apoiaram o presidente do partido bem como o antigo líder [deputado Delegado Waldir (PSL-GO), que chamou Bolsonaro de vagabundo]. Vão ser feliz todo mundo, cada um segue o seu destino. Como separação, infelizmente acontece”, afirmou.

A bancada do PSL na Câmara conta com 53 congressistas, a segunda maior da Casa. No Senado tem 3 dos 81 senadores.

Por enquanto, apenas o senador Flávio Bolsonaro (PSL-RJ), um dos filhos do presidente, formalizou ao TSE (Tribunal Superior Eleitoral) que deixará o partido.
Os deputados devem aguardar a criação da Aliança Pelo Brasil para sair do PSL, evitando a perda do mandato por infidelidade partidária.

Hoje, a legislação permite determinadas situações de justa causa para desfiliação partidária — em que o deputado ou vereador pode mudar de partido sem perder o mandato.

Alguns exemplos: fusão ou incorporação do partido; mudança substancial ou desvio reiterado do programa partidário; grave discriminação política pessoal; e, no último ano de mandato, sair para disputar eleição.

Sob a batuta do agora ex-ministro do TSE, Bolsonaro chegou a dar início a uma ofensiva jurídica pelo controle do PSL e de seu fundo partidário -que até o fim de 2019 pode chegar a R$ 110 milhões.

No dia 30 de outubro, ele acionou a PGR (Procuradoria-Geral da República) pedindo o bloqueio dos recursos e que o presidente da sigla, deputado Luciano Bivar (PE), seja afastado do cargo.

Com TALITA FERNANDES/FOLHAPRESS

Comentar