A “vitória” de Bruno Cunha Lima e a sucessão municipal de 2020 em Campina Grande

O deputado estadual Bruno Cunha Lima (Solidariedade) ainda não sabe o que fará a partir de fevereiro de 2019, quando acaba seu mandato. Do ponto de vista financeiro, ele não precisa se preocupar. Sua família é nem aquinhoada e, certamente, o salário e as mordomias de parlamentar não farão falta.

Do ponto de vista profissional, também não. Formado em direito, Bruno pode retomar a advocacia, onde já demonstrou competência. Agora, do ponto de vista político…

Bruno alcançou um grande feito nas eleições de 2018: foi o candidato a deputado federal mais votado em Campina Grande, conquistando a confiança de 20.000 eleitores. Superou o primo.Pedro, filho do senador Cássio Cunha Lima, ambos do PSDB, e o todo poderoso líder do governo Michel Temer, Aguinaldo Ribeiro (PP).

Mas, diferente de Pedro e Aguinaldo, reeleitos para a Câmara dos Deputados, os 44.143 votos dados a Bruno em todo Estado não foram suficientes para lhe garantir um mandato de deputado federal.

Sem mandato no ano que vem, as opções que lhe restaram são disputar a Prefeitura de Campina em 2020 ou aguardar mais quatro anos para tentar novamente a Câmara Federal ou ainda quem sabe buscar o retorno à Assembleia Legislativa.

No.primeiro caso, Bruno sabe que as dificuldades previstas såo tão grandes quanto às que enfrentou agora. Basta lembrar que, na própria familia, nomes como Pedro e o próprio Cássio são cotados para disputar a sucessão em Campina. Mesmo asaim, demonstra confiança no futuro e não tem pressa para definições.

Tá mais que certo. Já dizia a sabedoria popular: o apressado come cru.

 

 

44.143

20.000

Comentar


Líder do governo por oito anos ,mesmo sendo suplente, Hervázio se elege com expressiva votação e quer alçar vôos mais altos

imagem da Internet

A trajetória do deputado Hervázio Bezerra (PSB) é típica do político que “deu a volta por cima”. Ele foi vereador e secretário de Saúde em João Pessoa, na gestão do ex-prefeito Cícero Lucena. Na Câmara Municipal, foi opositor ferrenho do então prefeito Ricardo Coutinho, mas sem aderir ao “denuncismo barato” adotado por muitos de seus colegas da época. Tal postura foi reconhecida até mesmo pelo atual governador, de quem hoje é um dos “homens de confiança” e amigo pessoal.

Hervázio tentou, por duas vezes, chegar à Assembleia Legislativa da paraíba. Em ambas conseguiu, mas como suplente. Em 2010, obteve 20.274 votos. Em 2014, aumentou um pouco e foi para 20.513, soma ainda insuficiente para lhe garantir o mandato.

Mesmo assim, nas duas vezes foi ungido à condição de titular, por decisão do governador Ricardo Coutinho. Mas que isso, foi conduzido, sem restrições, à liderança de sua bancada, exercida nos oito anos da incômoda posição de suplente em exercício do mandato.

Nos primeiros quatro anos, o socialista enfrentou fortes turbulências na condução da bancada devido ao acirramento provocado pelos deputados de oposição. Mas, ao final, saiu-se bem, sendo elogiado até mesmo pelos adversários em plenário.

A partir de 2015, Hervazio trabalhou mais tranquilo, talvez pela experiência acumulada e pelo livre trânsito que conquistou entre os colegas, inclusive de oposição que o procuraram diversas vezes para encaminhar reivindicações de suas bases junto ao Governo do Estado. Isso, sem falar na ajuda decisiva dos presidentes Adriano Galdino e Gervasio Maia, seus companheiros de partido.

Nas eleições de 7 de outubro, Hervazio deu sua “última cartada” em busca do mandato de deputado. Antes mesmo da data, ele confessava ao blog sua frustração em não ter ainda a titularidade do mandato. Com um trabalho intenso nas bases, sem esquecer das atribuições na Casa de Epitácio Pessoa, HB conquistou, enfim, seu maior sonho de consumo. Com 31.288 votos, 10.000 a mais que em 2014,  ele foi eleito deputado estadual.

A partir de fevereiro de 2019, quando tomará posse, Hervazio não precisará que o governador eleito João Azevedo (PSB), de quem se aproximou muito mais durante a campanha, convoque um deputado para ocupar cargo na administração estadual para que retorne à Assembleia Legislativa. E não é só isso. Com a “bagagem” que carrega e a expressiva votação conquistada, o ex-vereador pessoense resolveu entrar em campo e buscar a realização de outro sonho: presidir a Assembleia Legislativa.

Para quem foi líder do governo em dois mandatos e será deputado da base de uma gestão de continuidade, nada mais natural. Além da proximidade que tem de Ricardo Coutinho e João Azevedo, Hervazio conhece a Casa como poucos e tem trânsito livre entre os colegas reeleitos. Restaria, portanto, conquistar os novatos.

Sem nenhum demérito para os demais postulantes, Hervazio é uma forte alternativa.

Comentar


Leto Viana renuncia ao mandato e terá processo julgado pelo juiz de primeira instância em Cabedelo

imagem da Internet

O prefeito de Cabedelo renunciou ao cargo nesta terça-feira (16). O pedido de renúncia de Leto Viana foi protocolado na Câmara Municipal por seu advogado, Jovelino Delgado. Leto continua preso após ser pego na Operação Xeque-Mate, que desvendou um esquema de corrupção envolvendo prefeito, vereadores e servidores públicos municipais. Apesar da renúncia, ele nega todas as acusações.

Com a decisão, o processo contra Leto Viana sai do Tribunal de Justiça da Paraíba e vai para a primeira instância judicial, em Cabedelo.

 

Comentar


Ibope aponta Bolsonaro com 59% e Haddad com 41% dos votos válidos

O Ibope divulgou nesta segunda-feira (15) o resultado da primeira pesquisa do instituto sobre o segundo turno da eleição presidencial. O levantamento foi realizado na sábado (13) e domingo (14), e tem margem de erro de 2 pontos, para mais ou para menos.
Nos votos válidos, os resultados foram os seguintes:
Jair Bolsonaro (PSL): 59%

Fernando Haddad (PT): 41%

Para calcular os votos válidos, são excluídos da amostra os votos brancos, os nulos e os eleitores que se declaram indecisos. O procedimento é o mesmo utilizado pela Justiça Eleitoral para divulgar o resultado oficial da eleição. Para vencer no primeiro turno, um candidato precisa de 50% dos votos válidos mais um voto.

Votos totais

Nos votos totais, os resultados foram os seguintes:

Jair Bolsonaro (PSL): 52%

Fernando Haddad (PT): 37%

Em branco/nulo: 9%

Não sabe: 2%

Sobre a pesquisa

Margem de erro: 2 pontos percentuais para mais ou para menos

Entrevistados: 2506 eleitores em 176 municípios

Quando a pesquisa foi feita: 13 e 14 de outubro

Registro no TSE: BR‐01112/2018

Nível de confiança: 95%

Contratantes da pesquisa: TV Globo e “O Estado de S.Paulo”

O nível de confiança da pesquisa é de 95%. Isso quer dizer que há uma probabilidade de 95% de os resultados retratarem a realidade, considerando a margem de erro, que é de 2 pontos, para mais ou para menos.

Com G1

Comentar


Gervasio volta ao Conde para agradecer votação obtida na cidade

O maior gesto que um ser humano pode ter é o da gratidão e esse sentimento é facilmente expressado, diariamente, pelo campeão de votos na disputa pela Câmara Federal, Gervásio Maia (PSB), nas eleições desse ano. O parlamentar, ontem, voltou ao município de  Conde, para agradecer pessoalmente à prefeita Márcia Lucena (PSB) e às lideranças locais pela vitória conquistada como o candidato com maior número de votos.

“Meu sincero agradecimento aos amigos do Conde. Estive ao lado da prefeita Márcia Lucena e dos grandes amigos, que lutaram juntos com a gente, para conquistar a vitória. Estamos juntos!” disse em postagem nas redes sociais.

Gervásio Maia Filho, presidente da Assembleia Legislativa da Paraíba (ALPB), liderou a disputa pela Câmara Federal, com uma votação de mais de 146 mil.

O campeão de votos para Câmara Federal  foi o majoritário no Conde e obteve 1.779 votos na cidade.

Comentar


Hervazio Bezerra prevê ampliação da bancada governista

Imagem da Internet

No inicio do segundo mandato de Ricardo Coutinho (PSB), o líder do governo, Hervasio Bezerra (PSB), previu a ampliação da bancada de Situação, naquela época já majoritária. A “profecia” se cumpriu e o governador contou e ainda conta com.maioria folgada para aprovar matérias de seu interesse na Assembleia Legislativa.

Como “acertou na mosca” na primeira tentativa, Hervasio resolveu repetir a dose com o governador eleito, João Azevedo (PSB). O deputado reeleito afirmou, antes mesmo da posse, que Azevedo deve ampliar sua bancada dos 22 eleitos para 27 integrantes.

Segundo Hervasio, a “premonição” é basaeada em “acenos” de deputados que farão parte da futura bancada de Oposição. Ele não citou nomes para não atrapalhar as negociações, mas assegurou que pelo.m2nos cinco oposicionistas manitñfestaram desejo.de mudar de lado.

“A aprovação de 80% do governo de Ricardo Coutinho e a vitória acachapante de João são atrativos para qualquer parlamentar que pense no futuro da Paraíba”, justificou Bezerra.

 

Comentar


Polícia Federal deve concluir inquéritos sobre “Escândalo da Lagoa” até final do ano

Q

Imagem da Internet

Com o término das eleições para governador na Paraíba, os inquéritos que apuram supostos desvios de recursos federais das obras de revitalização do Parque Solon de Lucena (Lagoa) devem ser concluídos até o final do ano pela Polícia Federal. A informação foi repassada ao Portal ClickPB pelo Ministério Público Federal na Paraíba (MPF-PB), que revelou essa perspectiva com base em informações do próprio delegado da PF, José Juvêncio.

“O gabinete aguarda o envio do inquérito que está com o delegado. Há uma perspectiva do inquérito ser concluído até o final do ano, de acordo com informações do próprio delegado”, afirmou o gabinete do procurador da República responsável pela investigação, Yordan Delgado.

A investigação teve início no MPF a partir de relatório da Controladoria Geral da União (CGU) que apontou desvio de aproximadamente R$ 10 milhões nas obras do parque.

A Polícia Federal deflagrou no dia 2 de junho de 2017 a Operação Irerês, visando investigar  irregularidades na licitação e na execução nas obras realizadas pela Prefeitura de João Pessoa na Lagoa.

Laudos técnicos produzidos pela PF apontaram prejuízo aos cofres públicos estimado em R$ 6,4 milhões. Foram cumpridos dois mandados judiciais de busca e apreensão em João Pessoa, expedidos pela 16ª Vara da Justiça Federal em João Pessoa.

Com clickpb

Comentar


Disputa pelo Senado registrou 20% dos candidatos com 1% ou menos dos votos

Desde domingo (8), os vencedores nas bancadas para Senado e Câmara dos Deputados ganharam destaque no noticiário. Mas, por outro lado, a votação também mostra quem não conseguiu convencer o eleitor: candidatos que tiveram a menor votação nestas eleições.

A Agência Brasil conferiu estado a estado os candidatos que somaram 1% dos votos nas disputas ao Senado e 0,1% no pleito para um lugar na Câmara, considerados percentuais de baixo desempenho nas urnas.

Dos 8.588 candidatos a deputado federal, 2.998 tiveram 0,1% ou menos dos votos, o equivalente a 34,9% do total. Dos 358 candidatos a senadores, 20% (75) conseguiram apenas 1% ou menos dos votos.

Estados

Entre os estados, o com maior número de candidatos à Câmara que não ultrapassaram 0,1% foi São Paulo: com 1.010 concorrentes. Em seguida, aparecem Rio de Janeiro (542), Minas Gerais (436), Bahia (228) e Pernambuco (159).

Partidos
Em relação aos partidos, os candidatos mais mal colocados concorreram por legendas como PRTB, PRP, PMB, PPL, Rede e PROS. Agremiações menores de esquerda, como PSTU, DC, PCO e PCB, também estão na lista.

Sudeste

O estado de São Paulo, maior colégio eleitoral do país, foi o campeão em candidatos à Câmara dos Deputados, com 1.010 concorrentes ficaram na casa do 0,1%. A menor votação foi de Rosicleide Oliveira (PRTB), que recebeu apenas 10 votos. Na corrida ao Senado, quatro participantes fizeram menos do que 1%, dois do Rede e dois do PSTU.

Minas Gerais, segundo maior colégio eleitoral do país, foi também o segundo estado com mais concorrentes à Câmara Federal na margem de 0,1% dos votos, com 436. Nas últimas colocações, três integrantes do PPL, como Paloma Pereira que obteve nove votos. Em relação ao Senado, cinco postulantes tiveram baixo desempenho.

O Rio de Janeiro teve quatro concorrentes ao Senado abaixo do 1% e 542 candidatos a deputado abaixo de 0,1%. No Espírito Santo, quatro postulantes ao Senado não foram além de 1%, e 15 candidatos a deputado ficaram com 0,1%.

Sul
No Rio Grande do Sul, cinco candidatos a senador ficaram com menos de 1%. Do total, 126 candidatos ficaram com menos de 0,01%.

Em Santa Catarina, foram quatro aspirantes ao Senado abaixo da marca de 1%. Entre os que miraram a Câmara Federal, 41 ficaram na casa dos 0,1%. Margarete Charão (PRTB) foi a menos votada, com 16 votos.

No Paraná, o Senado teve cinco candidatos que tiveram menos de 1% dos votos. Entre os concorrentes a deputado federal, foram 151 com 0,1%. O último foi Valdir Januário dos Santos (PRTB), com 12 votos.

Nordeste

A Bahia foi o estado nordestino com maior número de candidatos com mau desempenho na corrida à Câmara, com 228 candidatos na casa do 0,1%. Na disputa ao Senado, cinco concorrentes não foram além do 1% no estado.

Pernambuco ficou em segundo no quesito dos concorrentes à Câmara, com 159 com menos de 0,1%, sendo os três do DC. Dois candidatos ao Senado tiveram baixo desempenho: Lídia Brunes (PROS), com 0,67%, e Hélio Cabral (PSTU), com 0,25%.

O Ceará foi o terceiro em postulantes à Câmara com baixo desempenho, somando 68. Na luta por um lugar no Senado, apenas João Saraiva (Rede) ficou com menos de 1%, atingindo 0,28%.

O Piauí foi o campeão de candidatos ao Senado com baixa votação, com nove pessoas nesta situação. Na disputa para Câmara, 16 não superaram 0,1%.

No Maranhão, na corrida ao Senado, três candidatos tiveram menos de 1%. Na disputa para Câmara, 37 ficaram na ponta de baixo da tabela, com as últimas colocações de três indicados pelo PSOL.

Em Sergipe e em Alagoas, apenas dois candidatos ficaram dentro do percentual para cada estado. Na disputa pela Câmara, foram candidatos em Sergipe, e cinco, em Alagoas.

Na Paraíba, na corrida ao Senado, apenas Nivaldo Mangueira (PSOL) ficou na ponta de baixo, com 0,42%. Na disputa para a Câmara, o estado teve 13. Já o Rio Grande do Norte teve mais postulantes ao Senado na linha do 1%: três. E 14 pessoas não ultrapassaram 0,1% para deputado federal.

Norte

No Tocantins, apenas um candidato ao Senado teve menos de 1%: Melk Aires (PSOL), com 0,97%. Para deputado federal, foram dois com menos de 0,1% dos votos, ambos do PRTB.

No Pará, três candidatos ao Senado e 16 para Câmara ficaram entre os piores colocados. No Amapá, foram dois para senadores e nenhum candidato à Câmara fez 0,1%. As menores votações foram de Larissa do PSOL (PSOL), com 68, Ilka Pereira (PV), com 128, e Acenildo Costa (PV), com 163 votos.

No Amazonas, dois candidatos ao Senado ficaram com menos de 1% e 17 candidatos a deputado federal tiveram 0,1%. Em Roraima, apenas o aspirante a senador Lourival (PSTU) ficou abaixo do corte, com 0,38%. Na disputa por uma vaga na Câmara, dez ficaram com as piores colocações, sendo três do PHS.

No Acre, nenhum candidato ao Senado ficou abaixo do 1%. Na última colocação ficou Pedrazza (PSL), com 2,55%. Entre os aspirantes ao cargo de deputado, oito não atingiram 0,1%. Em Rondônia, apenas Ted Wilson (PRTB) ficou abaixo do corte, com 0,97%. No pleito à Câmara Federal, cinco não saíram da marca do 0,1%.

Centro-Oeste

Em Goiás, dois aspirantes a senador ficaram nas últimas colocações. O estado teve 48 candidatos a uma vaga na Câmara na casa do 0,1%.

No Distrito Federal, Chico Sant´anna (PSOL) e Robson (PSTU) foram os concorrentes a senador com votação abaixo de 0,1%, obtendo, respectivamente, 0,65% e 0,20%. Do total, dez candidatos a deputado federal ficaram no corte do 0,1%.

Em Mato Grosso, dois não chegaram ao 1% na corrida ao Senado. Na disputa pela Câmara, sete concorrentes não foram além do 0,1%. Em Mato Grosso do Sul, Betini (PMB) foi o concorrente ao Senado com pior desempenho, com 0,62%. Entre os postulantes a uma cadeira de deputado, oito não ultrapassaram 0,1%.

Candidatos a deputado federal que tiveram até dez votos:
Pati Vanzin (PROS-BA) – 3 votos

Ana Luiza (PHS-AM) – 5 votos

Paulinha (Avante–AC) – 6 votos

Paloma Pereira (PPL-MG) -9 votos

Nélia Carvalho (PPL-BA) – 9 votos

Marcia de Carcia (PROS-PE) – 9 votos

Osmar Silva (PRTB-SP) – 10 votos

Matias Morais (Avante-AC) – 10 votos

Binha Shalom (PROS-BA) – 10 votos

Rosicleide Oliveira (PRTB-SP) – 10 votos

Com Agência Brasil 

Comentar


Bolsonaro topa debater com Haddad, mas impõe condições

O candidato do PSL à Presidência da República, Jair Bolsonaro, disse neste sábado (13) que concorda em ir a debates “sem interferência externa”, referindo-se à suposta influência do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva na campanha de Fernando Haddad (PT). Ele afirmou ainda que num governo Haddad quem escolheria os ministros.

“Se for debate só eu e ele (Haddad), sem Cinterferência externa (de Lula), eu topo comparecer. Estou pronto para debater; tem de ser sem participação de terceiros”, disse, em meio a uma gravação de programas eleitoral na casa do empresário Paulo Marinho, no Jardim botânico, bairro da zona sul do Rio.

“(Se Haddad vencer), quem vai escalar time de ministros será o Lula. Não adianta (ele) ter boas propostas se vai ter indicação política”, continuou. “O mais importante é ter independência para escalar um time de ministros componentes.”

Ao ser questionado sobre projetos para a saúde, Bolsonaro declarou que o mais importante para que a população tenha saúde é que tenha, antes de tudo, emprego. Disse ainda que é preciso “combater a corrupção para aplicar os recursos” e que o ministro da pasta tem que ter “amor” pela área.

Perguntado sobre sua maior preocupação neste segundo turno, afirmou serem as supostas “falhas” ocorridas no primeiro turno no processo eleitoral. “Teve uma enxurrada de reclamações. O Tribunal Superior Eleitoral tem que tomar providências”.

Com Uol

Comentar


MPF emite parecer contra volta do prefeito Dinaldinho

Na última terça-feira, 09 de outubro, a Procuradoria Geral da República em Brasília emitiu parecer contrário ao retorno de Dinaldinho Wanderley ao cargo de prefeito de Patos.

Em agosto de 2018 o prefeito Dinaldo Filho (PSDB) foi afastado do cargo de prefeito de Patos em decorrência dos desdobramentos da Operação Cidade Luz e na tentativa de retornar ao cargos impetrou Habeas Corpus junto ao Superior Tribunal de Justiça.

Após a autuação do Habeas Corpus, o relator do processo em Brasília, ministro Feliz Fisher, determinou a intimação do Tribunal de Justiça da Paraíba para prestar informações sobre o caso. Recebida a manifestação do TJPB, o Ministro Felix Fisher abriu vistas ao Ministério Público federal que deu parecer pelo não conhecimento do Habeas Corpus e pela manutenção das medidas cautelares aplicadas ao prefeito afastado.

Desde o afastamento o prefeito afastado não pode se aproximar de prédios públicos do município de Patos e nem se ausentar do Estado da Paraíba sem autorização do TJPB. Com a manifestação do Ministério Público, o Superior Tribunal de Justiça poderá julgar o Habeas Corpus nos próximos dias e decidir se Dinaldinho volta ou não ao comando da Prefeitura Municipal de Patos.

Esse processo de Habeas Corpus que tramita em Brasília é diferente do recurso apresentado por Dinaldinho no próprio Tribunal de Justiça da Paraíba (que é um agravo) e está previsto para ser julgado no próximo dia 24 de outubro pelo próprio TJPB.

Com Folha Patoense

Comentar