Promotor do Meio Ambiente contesta PMJP e garante que projeto da falésia estava incompleto

Imagem da Internet

O promotor do Meio Ambiente da Capital, José Farias, pôs por terra, nesta quarta-feira (29), toda a argumentação da Prefeitura Municipal de João Pessoa (PMJP) a respeito da polêmica criada em torno do desmoronamento da barreira do Cabo Branco.

Em entrevista ao repórter Judivan Gomes, da Rádio Tabajara, o representante do Ministério Público da Paraíba foi taxativo ao afirmar que o projeto entregue pela Prefeitura à Superintendência do Meio Ambiente da Paraíba (Sudema) “estava incompleto”. Ele ainda revelou que a PMJP não dispões de recursos para tocar a obra.

Além de desmentir os argumentos da Prefeitura, a afirmação do promotor serviu também para reforçar a justificativa que vem sendo dada desde o início pela Sudema para ainda não ter emitido a licença ambiental.

“A verdade pode até demorar, mas ela sempre aparece. A fala de Dr. Farias confirma o que temos dito desde o início dessa polêmica, ou seja, que o projeto de drenagem entregue pela Prefeitura à Sudema estava incompleto”, observou o engenheiro João Vicente, superintendente da Sudema.

Saiba mais

A polêmica em torno da barreira do Cabo Branco vem ocupando o noticiário local depois que o Jornal Nacional, da TV Globo, exibiu uma reportagem na semana passada mostrando que a obra de contenção da falésia, prometida pela Prefeitura de João Pessoa em 2014, ainda não saiu do papel.

Diante da repercussão da reportagem exibida em rede nacional, a PMJP tentou responsabilizar a Sudema por não ter começado a obra, usando como justificativa o fato de o órgão estadual ainda não ter emitido a licença ambiental para o início dos serviços.

A Sudema, por sua vez, desmentiu os argumentos da Prefeitura e exibiu uma série de documentos comprovando que o projeto entregue no órgão estava incompleto. Dias depois, o engenheiro Pedro Antônio Molinas, contratado pela gestão municipal para elaborar o projeto, confirmou, em entrevista exclusiva ao Paraíba Já, que os estudos ambientais requeridos pela Sudema não haviam sido feitos.

Com Paraibaja

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

O blog não se responsabiliza pelo conteúdo exposto neste espaço. O material é de inteira responsabilidade do seu autor