Se bandido pode roubar, matar e ser solto, por que o policial e o cidadão de bem não podem se defender?

Imagem da Internet

Antes que os mais apressadinhos “defensores dos direitos humanos” se agitem, quero deixar bem claro que não faço apologia à violência. Clamo por segurança e justiça e estou apenas reiterando a pergunta que aflora a cada registro de crime por motivo fútil, torpe, como o que vitimou o sargento do Corpo de Bombeiros, em Mangabeira.

O policial estava armado, mas preferiu correr para a guarita, após enfrentar o bandido em luta corporal. Se tivesse disparado, mesmo alegando legítima defesa, talvez enfrentasse hoje uma execração pública, além de processo,  risco de perder a farda e até o emprego, meio de sustentar sua família.

A polícia foi atrás e prendeu os acusados, mas não será surpresa se nos próximos dias estiverem livres, leves e soltos para cometer novos delitos. Mataram um homem de bem, no seu ambiente de trabalho, por causa de uma arma. Um objeto que renderia uns trocados aos criminosos – os que roubaram e os que comprariam o produto do roubo.

Como a vida vale pouco!

A ousadia dos bandidos passou do limite. Invadiram uma guarita para roubar armamento da própria polícia. Até a classe política, responsável pelas leis que protegem marginais e condenam homens de bem, entrou na mira dos criminosos. O vice-prefeito de Campina Grande, Enivaldo Ribeiro, teve o carro e o celular levados nesta quinta-feira (30).

Na mesma data, a candidata ao Governo do Estado pelo PSTU, Rama Dantas, foi agredida e assaltada a poucos metros de sua residência, no bairro dos Bancários, em João Pessoa. E quem pensa que jornalista escapa da onda de violência, está redondamente enganado. Eu mesmo fui vítima de um (aparentemente) menor que, semana passada, também nos Bancários, levou meu celular enquanto me convencia, aos prantos, a lhe dar um trocado. Vendedor de balas, o garoto nem esperou pelo dinheiro: sumiu com o telefone, provavelmente para repassar aos traficantes de plantão.

A polícia apresenta suas armas, como diria o grande músico paraibano Hebert Vianna, vocalista do grupo Paralamas do Sucesso, enquanto os bandidos roubam e matam.. Se eles (os bandidos) podem roubar, matar e continuar em liberdade, por que o policial e o cidadão comum não podem se defender?

Estamos reféns, entregues á própria sorte, infelizmente. Não sei até quando a população, desarmada, vai aguentar essa situação.

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

O blog não se responsabiliza pelo conteúdo exposto neste espaço. O material é de inteira responsabilidade do seu autor