Cssio diz que “Estado est quebrado” e Hervzio cita emprstimo para servidor receber salrio. “ muita cara de pau”

Imagem da Internet

Imagem da Internet

O senador Cssio Cunha Lima (PSDB) afirmou, nesta segunda-feira, que a maior obra de seu primeiro governo foi equilibrar as finanas pblicas que encontrou em situao catica, onde o Estado no tinha sequer condies de contrair emprstimos devido falta de capacidade de endividamento. Segundo ele, pelo menos 14% das receitas estaduais eram consumidas com o pagamento da dvida pblica, percentual que teria cado pela 7% quando o tucano deixou o Governo do Estado.

“As dificuldades eram muitas. No tnhamos recursos para investimentos porque o comprometimento das receitas com a dvida era muito alto. Por isso, acho que nossa maior obra foi o equilbrio fiscal do Estado”, sustentou Cunha Lima, durante entrevista ao Sistema Arapuan de Comunicao.

Alm de acusar Ricardo Coutinho de se “aproveitar” de projetos de sua gesto, Cssio disse que o atual governador, seu ex-aliado, “quebrou o Estado” e, mesmo assim, “continua fazendo emprstimos comprometendo as receitas estaduais”. “A Paraba est quebrada e, mesmo assim, Ricardo continua a fazer emprstimos. S este, de R$ 700 milhes, equivale a todos os emprstimos que fizemos. E a Paraba vai pagar por isso”, advertiu, citando ainda planos de cargos e demais melhorias que propiciou ao funcionalismo. “Sempre dialoguei com os servidores. At memo nas fases mais difceis, como durante as greves”, completou.

Hervazio Bezerra

O lder do governo, Hervzio Bezerra (PSB), disse que o ex-governador Cssio Cunha Lima est com crise de amnsia porque no lembra que foi durante sua gesto que o funcionalismo pblico foi obrigado a contrair emprstimo para receber salrios. “ muita cara de pau do senador dizer que valorizou o funcionalismo, quando obrigou os servidores a pedir emprstimo para receber seus prprios salrios. Depois, o Governo do Estado s vai contrair emprstimo porque tem suas contas equilibradas, graas s medidas adotadas pelo governador Ricardo Coutinho que conseguiu, este sim, equilibrar as contas estaduais. Quero crer que o resto resultado de mais uma crise de amnsia do senador Cssio Cunha Lima”, disparou Bezerra.

A guerra continua.

Comentar


Ricardo Coutinho no vai encontro de governadores para discutir economia do Pas

Imagem da Internet

Imagem da Internet

Enfrentando grandes dificuldades financeiras, um grupo de governadores se reunir nesta segunda-feira em Braslia para discutir a proposta de mudanas na economia que ser apresentada ao novo ministro da Fazenda, Nelson Barbosa. O encontro est sendo organizado pelo governador do Distrito Federal, Rodrigo Rollemberg (PSB). At este domingo, tinham confirmado presena 13 governadores, entre eles o do Rio, Luiz Fernando Pezo (PMDB). O governador Ricardo Coutinho (PSB) no aguardado no evento.

A lista completada pelos de So Paulo, Geraldo Alckmin (PSDB); Minas Gerais, Fernando Pimentel (PT); Bahia, Rui Costa (PT); Pernambuco, Paulo Cmara (PSB); Cear, Camilo Santana (PT); Maranho, Flvio Dino (PCdoB); Gois, Marconi Perillo (PSDB); Alagoas, Renan Filho (PMDB); Piau, Wellington Dias (PT); Sergipe, Jackson Barreto (PMDB); e Tocantins, Marcelo Miranda (PMDB).

Segundo assessores de Rollemberg, h uma preocupao com a grave situao financeira e fiscal dos estados, que tiveram dificuldades para fechar as contas de 2015 e ainda enfrentam restries de caixa. Por isso, o governador do Distrito Federal decidiu organizar a reunio em sua residncia oficial, em Braslia, a partir do meio-dia.

EMPRSTISMOS E FINANCIAMENTO SADE

Rollemberg disse que entre os pontos em debate devero estar o financiamento da Sade e a capacidade de os estados contrarem emprstimos. O debate deve incluir ainda a possibilidade de estados e municpios ficarem com uma fatia da CPMF que o governo tenta aprovar, mas ainda no avanou no Congresso. O problema, diz o governador do DF, que esse tema no unifica os governadores.

O governo props uma alquota de 0,2% que ficaria integralmente com a Unio; os governadores que apoiam a criao do imposto queriam aumentar para 0,38% e ficar com uma fatia dos recursos. A presidente Dilma Rousseff disse que eles teriam que negociar diretamente com o Congresso.

Rollemberg disse ao GLOBO que a ideia do encontro discutir a questo econmica, e no o processo de impeachment de Dilma:

para discutir uma agenda poltica e econmica que nos unifique. Mas essa conversa no tem a ver com a CPMF, no sentido de que no sei se ela unifica ou no. H pontos que unificam os estados: a liberao de novos financiamentos, com aval do governo federal; a rediscusso das dvidas junto Unio; e a questo da Sade. Isso explodiu agora no Rio, mas problema comum dos estados.

Com O Globo

Comentar


Nonato Bandeira afirma que apoio do PPS reeleio de Cartaxo depender da coligao proporcional

Imagem da Internet

Imagem da Internet

O PPS deixou para o ano que vem a definio sobre as eleies municipais em Joo Pessoa, mas j tem definido o principal critrio de apoio a um dos candidatos majoritrios: a aliana proporcional que far. O partido quer, no mnimo, manter a representao eleita em 2012 com quatro vereadores. O desempenho certamente depender das alianas que fizer no campo proporcional.

Segundo o presidente do diretrio estadual e vice-prefeito da Capital, Nonato Bandeira, essa prioridade do PPS ser posta “na mesa de negociaes” com os pretensos candidatos para definio de apoio. “Como no teremos candidato a prefeito (em Joo Pessoa), vamos negociar em favor da chapa proporcional. Queremos aumentar nossa representao na Cmara Municipal ou, no mnimo, mant-la”, justificou.

O partido comea a discutir o tema em janeiro.

Comentar


PSB prepara mega coligao partidria e aparies de Ricardo Coutinho para consolidar candidatura de Azevedo

Imagem da Internet

Imagem da Internet

Dentro do prprio PSB, ainda tem gente que comenta a possibilidade de substituio de Joo Azevedo por Estela Bezerra na disputa pela Prefeitura de Joo Pessoa, em 2016. A dvida acaba prejudicando a candidatura do partido. Por isso, a cpula socialista decidiu dirimir de vez todas as dvidas em relao escolha feita durante reunio do diretrio municipal. Uma das medidas que sero adotadas, para tanto, a formao de uma mega composio que pode chegar a doze partidos, segundo projeo do lder do governo na Assembleia Legislativa, deputado Hervzio Bezerra.

A coligao garantir ao pr-candidato musculatura suficiente para consolidar seu projeto, inclusive lhe atribuindo o maior tempo de televiso para propaganda eleitoral, confirmando tambm as reais pretenses do PSB. Mas, no s isso. A principal liderana do partido tambm dar sua contribuio a esse processo. O governador Ricardo Coutinho, a partir de janeiro, vai reforar o discurso de Azevedo nas plenrias que o partido vem promovendo nos bairros pessoenses para ouvir reclamaes e colher sugestes ao programa de governo.

A ofensiva certamente colocar os pontos nos iis, elevando Azevedo condio de alternativa nica do PSB para disputar a sucesso municipal do ano que vem.

O detalhe que Azevedo e Ricardo devem, dentro e fora das plenrias, aumentar o tom das crticas gesto do prefeito Luciano Cartaxo. A ordem polarizar o quadro, transformando a eleio num “plebiscito” entre as gestes do PSB (Ricardo, representado por Azevedo) e do PSD (Cartaxo).

Resta saber como o eleitor receber essa estratgia socialista.

Comentar


Pesquisa encomendada por Maranho provoca euforia no PMDB e refora pr-candidatura de Manoel Jnior

Imagem da Internet

Imagem da Internet

A insistncia na tese de lanar candidatura prpria em Joo Pessoa no apenas estratgia do PMDB visando as eleies estaduais de 2018. sustentada tambm por argumentos tcnicos e cientficos, como pesquisas de opinio pblica. A mais recente delas, encomendada pelo senador Jos Maranho, presidente do partido, provocou euforia nos partidrios do deputado federal Manoel Jnior e no prprio pr-candidato a prefeito da Capital.

Embora no revele os nmeros, por serem de “consumo interno”, Jnior assegura que a pesquisa lhe d condies eleitorais surpreendentes, garantindo-lhe suporte para seguir em frente em seu projeto de disputar a sucesso municipal. “Os nmeros reforam nossa convico de que o eleitor pessoense deseja mudana e ns podemos comandar esse processo de mudana”, avaliou.

Outro fato importante que a pesquisa mostra, de acordo com Jnior, o reconhecimento da populao ao trabalho que ele vem fazendo em Braslia, na Cmara dos Deputados. Os nmeros apontam situao confortvel do peemedebista na corrida sucessria municipal, mesmo diante de sua ausncia na Capital, provocada pelas atribuies parlamentares na capital federal. “Ao contrrio dos adversrios, que esto em plena campanha eleitoral, estamos a maior parte do tempo em Braslia trabalhando em defesa da Paraba e do Brasil. Mesmo assim, o eleitor se mostra favorvel ao nosso projeto, reconhecendo esse trabalho”, sustentou.

Pelo jeito, n;o tem mais volta.

Comentar


PSB vai “escalar” Ricardo Coutinho para reforar plenrias com Joo Azevedo em Joo Pessoa no ano que vem

Imagem da Internet

Imagem da Internet

O PSB vem realizando plenrias para ouvir a populao da Capital a respeito das eleies municipais de 2016 e, a partir do prximo ms de janeiro, o governador Ricardo Coutinho (PSB) ir participar dessas reunies.

Para o PSB, o objetivo da presena do governador do estado assemelhar a imagem de Joo com a de bom gestor desempenhada pelo governador. A presena do gestor tambm visa atrair mais pblico as reunies, alavancando desta forma a imagem de Joo Azevedo.

Alm de nos ajudar a identificar as principais necessidades de cada regio, as plenrias servem para confirmar o que pode ser verificado num simples passeio pela cidade, de que Joo Pessoa precisa de um gestor. Um prefeito que garanta que a nossa cidade volte ao rumo do desenvolvimento que foi perdido nos ltimos anos. No possvel que uma Prefeitura com o poder como a de Joo Pessoa, no garanta o mnimo de infraestrutura, que tenhamos bairros e comunidades que no tenham uma nica rua calada em trs anos de governo, que no se tenha uma obra estruturante. Isso precisa mudar, afirmou Joo Azevedo.

Com a presena de Ricardo Coutinho, o PSB deve elaborar o plano de governo que ser base da campanha para prefeito de Joo Pessoa. De acordo com as reunies j realizadas, Joo destaca que a maior preocupao da populao com a Sade. No possvel que uma Prefeitura com a pujana como a de Joo Pessoa, no garanta o mnimo de infraestrutura”, disparou.

Comentar


Prestes a perder a “boquinha” do cartrio, Milanez defende “direito adquirido” para beneficiar familiares

Imagem da Internet

Imagem da Internet

Desde o ms de setembro deste ano que o concurso para os cartrios extrajudiciais est suspenso na Paraba. A suspenso, no entanto, no desagradou ao vereador Fernando Milanez. Ele defende que deveria se respeitar o direito adquirido de quem j est no ramo cartorrio h alguns anos. importante a gente ver os dois lados dessa histria. Aquelas pessoas que antes de 1988 um dia foram efetivados. Tem gente que tem 42 anos de trabalho, de dedicao, e a? Vai botar pra fora?, questionou.

De acordo com o vereador, tem gente que j ganhou seis cartrios no Brasil, mas s querem cartrio de registro, de imveis e de ttulos. Quem est interessado em fazer um concurso aqui pra colocar um cartrio em Uirana? A situao complicada. Isso deveria ser revisto e quem est no ramo h mais tempo deveria por direito continuar nele, defendeu Milanez, que tem familiares trabalhando em cartrios h dcadas.

O vereador ainda disse que o problema dos cartrios no Brasil a busca por aquelas ramificaes mais conceituadas, como os de registro, de ttulos e de documentos. Muitas vezes o sistema cartorial julgado pelos grandes cartrios. S quem pode fazer registro aqui em Joo Pessoa so dois: ttulos e documentos. Minha me esteve frente de cartrios durante 58 anos e minha mulher j vem h 36 anos. E eu estou esperando a efetivao por parte do Supremo. Defendo, sim, o direito adquirido ao longo do tempo.

Eu tenho companheiros que passaram muitos anos em Manaus, e que hoje so titulares do registro. Acho que a partir de que o concurso foi estabelecido, agora, deve-se respeitar os direitos adquiridos, argumentou.

A deciso de suspender o concurso de cartrios na Paraba foi tomada pelo Conselho Nacional de Justia (CNJ) aps questionamento de candidatos contra a banca realizadora do processo. O Instituto de Estudos Superiores do Extremo Sul (IESES) reconsiderou a anulao de uma questo da prova escrita e prtica. O Instituto reconsiderou porque a deciso, segundo TJPB, representaria a aprovao de quase a totalidade dos candidatos.

Quem tem mais experincia: quem t h 40 anos, ou quem t fazendo concurso agora? Eu defendo o direito adquirido e tenho levado adiante e ao que me parece tenho obtido sucesso, finalizou Fernando Milanez.

Com Clickpb

Comentar


PRESENTE DE GREGO: Fazer feira no Mercado de Mangabeira gera multa em plena vspera de natal e revolta motoristas

Imagem da Internet

Imagem da Internet

Acostumados a estacionar nas imediaes do Mercado de Mangabeira para transportar a feira de final de semana, motoristas foram surpreendidos nesta quinta-feira, vspera de natal, com multas pelos agentes de trnsito da Semob. O mercado grande e a dificuldade para estacionar, maior ainda. Mesmo assim, os agentes “meteram a caneta” sem esperar pelos condutores dos veculos que, quando chegaram com suas compras, foram surpreendidos com as notificaes. De final de ano.

A ao da Semob faz parte de uma estratgia da Prefeitura de Joo Pessoa para arrecadar dinheiro necessrio ao pagamento dos “encargos” de final de ano. Coisa “exclusiva” da gesto do prefeito Luciano Cartaxo, acusado de trair o PT, partido que lhe deu mandatos de vereador, deputado estadual, vice-governador e prefeito.

Para os motoristas, no surpresa. Nem para os pessoenses. Afinal de contas, o “carto de natal” de Cartaxo tem como figura central as 200 toneladas de lixo que o prefeito mentiroso alega ter retirado da Lagoa, do Parque Solon de Lucena.

Comentar


Cmara Municipal de Campina Grande autoriza Romero Rodrigues a vender precatrios

Numa sesso extraordinria que durou cinco horas, a Cmara Municipal de Campina Grande aprovou, nesta quarta-feira, um pacote de 47 projetos. Dentre eles, o que permite prefeitura a vender, por meio de licitao pblica com instituies bancrias, um crdito de R$ 66 milhes, autorizao para criao da Secretaria Municipal de Mobilidade Urbana, regulamentao do Fundo Municipal Antidrogas e concesso de terrenos pblicos a entidades.

A votao mais polmica foi da proposta do presidente da Cmara, Pimentel Filho (PSD), autorizando o Poder Executivo a ceder, com nus, o crdito objeto do precatrio, cujo devedor o governo federal, no valor de R$ 66 milhes. Uma emenda foi aprovada, destinando 5% ao Poder Legislativo.

O lder da oposio, Murilo Galdino (PSB), pediu o adiamento da votao, alegando que o projeto no discriminava o valor do precatrio e qual sua origem, sendo um cheque em branco. Alm disso,sustentou que a aprovao precisaria de 2/3 dos votos do colegiado, ou seja, 16. Pimentel, no entanto, disse que era necessria a maioria simples. Depois de muita discusso, a proposta foi aprovada por 14 a 4.

O procurador-geral do municpio, Jos Fernandes Mariz, disse que a autorizao da Cmara era importante, embora a Constituio Federal permita que a PMCG faa leilo para alienar crditos especiais. A ao da prefeitura que garantiu o precatrio de R$ 66 milhes foi transitada em julgado na Justia Federal. A verba produto da compensao de gastos da prefeitura com a Educao.

Tambm na sesso foi aprovado projeto de lei de autoria de Joo Dantas (PSD) que autoriza a criao, na estrutura administrativa da Prefeitura Municipal de Campina Grande, da Secretaria de Mobilidade Urbana (Semob). Esta passa a agregar em sua estrutura a Superintendncia de Trnsito e Transportes Pblicos (STTP). De autoria de Olmpio Oliveira (PMDB), foi aprovada a regulamentao do Fundo Municipal Antidrogas. Tambm do parlamentar os vereadores aprovaram projeto de lei que probe a cobrana de valores por parte de guardadores (flanelinhas) de veculos automotores em locais pblicos.

Esforo concentrado – Aps o trmino ontem da sesso, o presidente Pimentel Filho convocou para o prximo dia 30 sesso extraordinria para votar a Proposta de Lei Oramentria (LOA) de 2016 do Municpio de Campina Grande. At ontem, cerca de 100 emendas foram apresentadas, destinando verbas para pavimentao, obras de infraestrutura e recuperao de escolas e postos de sade, dentre outras reas. O prazo terminar no dia 28. O presidente da Comisso de Finanas e Oramento, Marinaldo Cardoso (PRB), se queixou que ter apenas dois dias para dar parecer s emendas. Alm dele, integram a comisso os vereadores Joo Dantas (PSD) e Galego do Leite (PTN).

A LOA de 2016 prev receitas de R$ 923 milhes, o que representa uma queda de R$ 60 milhes (6,1%) em relao ao Oramento Municipal deste ano, na ordem de R$ 983 milhes. A reduo pode chegar a 16,5 pontos percentuais considerando a inflao deste ano de 10,48%. A LOA prev ainda um reajuste salarial mdio de 7% para os servidores pblicos municipais, o que vai provocar mais cortes de gastos em custeio e investimentos. No prximo ano, tambm no haver concurso pblico. O montante previsto na LOA de R$ 923 milhes para 2016 e abrange os poderes Legislativo e Executivo (R$ 522 milhes) e rgos da administrao indireta (R$ 371 milhes).

Comentar


Populao se revolta com criao de mais impostos e agride vereadores em Sousa

Imagem da Internet

Imagem da Internet

Por pouco, vereadores da cidade de Sousa no apanharam nesta quarta-feira, aps a sesso em que aprovaram projeto criando a taxa de iluminao, mais uma despesa que os contribuintes tero. Os que votaram a favor da medida ainda sofreram agresses verbais, mas foram protegidos pela Polcia Militar que os escoltou at a sada da Cmara Municipal evitando o enfrentamento fsico.

Mas, nem todos escaparam. Enfurecida, a multido jogou latas de cerveja. Os objetos atingiram o vereador Renato Soares (PDT) que tambm foi agredido com tapas e teve o carro danificado.

Comentar