CPI DA TELEFONIA: TIM presta contas na Assembleia Legislativa e deputados anunciam visita aos municípios para comprovar investimentos

Imagem da Internet

A operadora de telefonia celular TIM prestou contas dos investimentos que vem fazendo na Paraíba à CPI da Telefonia da Assembleia Legislativa, durante sessão especial realizada na manhã desta quarta-feira. Presidente da comissão, João Gonçalves resumiu em uma única frase o resultado dos trabalhos dos deputados paraibanos após a explanação dos representantes da empresa em plenário. “Está provado que essa CPI não dará em pizza”, sentenciou.

De fato, ao que parece, o desfecho da CPI da Telefonia está longe de seguir o destino de outras comissões parlamentares de inquérito que passaram pela Casa. Primeiro, conseguiu dobrar a imponência das grandes empresas responsáveis pelo serviço, coisa que ninguém em sã consciência jamais imaginaria antes do resultado final das investigações. Depois, obrigaram essas mesmas empresas, gigantes multinacionais, a assinar Termos de Ajuste de Conduta (TAC) se comprometendo a investir na melhoria dos serviços.

Imagem da Internet

Por último, os deputados paraibanos forçaram as operadoras a prestar contas dos investimentos que fizeram no Estado, outro feito inédito até então. “Agora, vamos visitar os municípios para comprovar se os investimentos realmente foram feitos”, anunciou o deputado João Bosco Carneiro (PPS), relator da CPI.

João Gonçalves, Bosco Carneiro e outros integrantes da CPI elaboraram um cronograma mínimo de visitas para depois do carnaval. As informações que coletarem serão comparadas com os dados apresentados durante a sessão desta quarta-feira pelas empresas. “Pela exposição feita, as operadoras estão cumprindo o TAC regularmente. Vamos ver se, na prática, isso procede”, explicou o relator.

Outras operadoras como Vivo, OI e Claro, também devem prestar contas nos próximos dias à CPI. Juntas, as quatro empresas se comprometeram a investir mais de R$ 240 milhões na Paraíba. As operadoras chegaram a recorrer à justiça para barrar os trabalhos da CPI, mas quatro pedidos de liminar em Mandados de Segurança foram rejeitados pelo Tribunal de Justiça da Paraíba.

Os deputados provaram que é possível “Davi vencer Golias”, desde que não falte coragem e determinação.

Comentar

Ricardo Marcelo apela pela unidade da bancada e sentencia: “PMDB é oposição. Não podemos inventar agora”

Imagem da Internet

O deputado Ricardo Marcelo apelou, na manhã desta quarta-feira, pela unidade da bancada do PMDB na Assembleia Legislativa da Paraíba. Marcelo pediu que os deputados Nabor Wanderley e Jullys Roberto revejam a decisão de apoiar o Governo do Estado, permitindo a recomposição da bancada com postura oposicionista. “O PMDB é oposição. Não podemos inventar nada agora”, afirmou.

Marcelo lembrou que, com a divisão, o PMDB perde espaços importantes na Casa de Epitácio Pessoa, principalmente nas comissões permanentes. Ele lembrou que a bancada sequer escolher seu líder até agora, já que dois deputados são governistas e dois oposicionistas. “Eu voto em Raniery Paulino para líder. Não sei os outros”, adiantou.

O ex-presidente da Assembleia Legislativa disse ainda que, apesar da instabilidade que vive o PMDB, ainda acredita na reversão do quadro e no comando do presidente do partido, José Maranhão, a quem cabe conversar com os parlamentares em busca de uma solução consensual. “Acredito que o senador Maranhão, nosso presidente, encontrará uma saída. nada que uma boa conversa não resolva. Não pode é o partido continuar dividido”, sustentou.

Comentar

Estela Bezerra entra na disputa e “embola” eleição para presidente da CCJ da Assembleia Legislativa

Imagem da Internet

Se havia um impasse na disputa pela presidência da Comissão de Constituição e Justiça da Assembleia Legislativa, com os deputados Trócolli Júnior (PROS) e Anísio Maia (PT) reivindicando o cargo, a situação agora deve piorar. A deputada Estela Bezerra (PSB), atual presidente, decidiu concorrer à reeleição “embolando” ainda mais o processo de escolha.

Estela não compareceu à abertura da sessão ordinária desta quarta-feira, mas o líder do governo confirmou sua intenção de permanecer à frente da CCJ. “Não quero dizer que Estela será reeleita, mas ela poderá ser reeleita se tiver apoio da maioria”, afirmou Bezerra.

A declaração deixou o deputado Trócolli Júnior “de orelha em pé”. Embora também não tenha comparecido à sessão, pelo menos no início, Trócolli teria externado a alguns colegas sua insatisfação com a decisão de Estela. Já Anísio Maia voltou a lamentar uma suposta “quebra de acordo” para indicação, mas repetiu que não fará confusão pelo cargo. “Todos sabem que não costumo brigar por cargos”, afirmou.

A eleição pode ocorrer ainda hoje.

Comentar

Jeová Campos reclama da ausência de deputados: “Pelo que sei, as Muriçocas só saem à noite”

Imagem da Internet

O deputado Jeová Campos (PSB) reclamou da ausência dos colegas em plenário, na sessão desta quarta-feira, quando apenas seis estavam em plenário enquanto ele usava a tribuna. Campos apelou para que os colegas “façam sua parte” e chegou a ironizar a situação. “Pelo que sei, as Muriçocas só saem à noite. Não há motivo para os colegas estarem ausentes”, brincou.

Campos fez um apelo também ao líder do governo, Hervásio Bezerra, e ao líder do Blocão, Adriano Galdino, ambos do PSB, para que o Colegiado de Líderes se reúna e discuta esse e outros problemas registrados na Casa. “Temos que resolver essa questão das comissões (permanentes). Não podemos chegar à quarta-feira de cinzas sem essa definição”, sustentou.

Comentar

Hervásio nega insatisfação da bancada e diz que governo não tinha interesse em vetos derrubados

Imagem da Internet

O líder do governo, Hervásio Bezerra (PSB), negou qualquer tipo de insatisfação em sua bancada e explicou que o governador Ricardo Coutinho (PSB) não tinha interesse nos dois vetos derrubados pela Oposição na sessão desta terça-feira. Hervásio considerou normal a ausência de parlamentares governistas em plenário na hora da votação. “São dois projetos que não mudam em nada a situação do governo. Não tínhamos interesse na manutenção dos vetos, tanto que o líder liberou a bancada para votar a favor”, sustentou.

Hervásio disse que a votação não significou derrota do governador Ricardo Coutinho, como alegam os deputados oposicionistas, mas sim uma votação normal de matérias que não mereciam tanta preocupação por parte do Palácio da Redenção. “Quando qualquer projeto com algum tipo de irregularidade, o governador tem obrigação de vetar. Mesmo que não traga qualquer prejuízo ao Governo do Estado”, explicou.

Então tá certo.

Comentar

TAPA DE LUVA? Damião garante que não guardará mágoas se Ricardo Coutinho decidir concluir mandato de governador

Imagem da Internet

O deputado federal Damião Feliciano (PDT) e sua esposa, Lígia Feliciano, continuam dando provas de fidelidade absoluta ao comando político do governador Ricardo Coutinho (PSB). Mesmo com os “recados” que têm recebido de auxiliares e do próprio governador, a dupla campinense trata o delicado tema com maestria, evitando criar rusgas e demonstrando que seu objetivo principal é colaborar “com um governo que vem dando certo e mudou a cara da Paraíba”.

Em entrevista ao portal PBAgora, nesta terça-feira, Damião falou da hipótese de Ricardo concluir o mandato, frustando os planos de Lígia assumir o Palácio da Redenção por dez meses. Também abordou a possibilidade da vice-governadora não ser indicada candidata à sucessão estadual pelo grupo governista. De cara, o deputado garantiu que os dois não guardarão mágoas, em nenhuma das situações.

Damião repetiu o discurso que a esposa tem usado, assegurando que a prioridade é apoiar e ajudar o governador nas ações, programas e obras que a Paraíba precisa. Segundo o parlamentar, Lígia se dará por satisfeita em ser considerada, ao final do mandato, a melhor vice-governadora que o Estado já teve.

Nem mesmo um eventual “plano b” foi suscitado. “O governador Ricardo Coutinho, ninguém pode negar, é um grande gestor que está trabalhando por esse Estado e Lígia tem colaborado com o governador, está em todos os momentos, faz parte do governo trabalhando junto com ele”, justificou.

Pareceu um “tapa de luva”.

Com PB Agora

Comentar

Com ausência de governistas, bancada de Oposição derruba vetos do governador Ricardo Coutinho

Imagem da Internet

Um vacilo da bancada governista permitiu a derrubada de dois vetos do governador Ricardo Coutinho (PSB) pela Oposição, na sessão desta terça-feira. Projetos dos deputados Zé Paulo (PSB) e Tovar Correia Lima (PSDB) foram vetados, mas, com a ajuda de aliados do Palácio da Redenção, os oposicionistas conseguiram reverter a situação, derrubando os vetos. “Não vou votar contra o meu projeto”, avisou o parlamentar de Santa Rita, integrante da bancada governista.

Não fosse a saída de deputados governistas, como Jeová Campos (PSB), outros três vetos e quatro Medidas Provisórias que constavam da pauta correriam risco de rejeição. Não se sabe, pelo menos oficialmente, a causa da ausência dos governistas em plenário.

Comentar

Oposição quer convocar presidente da Cagepa para prestar contas de empréstimo e esclarecer boatos de privatização

Imagem da Internet

O deputado Raniery Paulino (PMDB) disse que vai apresentar requerimento convocando o presidente da Cagepa, Hélio Cunha Lima, para prestar contas do empréstimo de R$ 150 milhões, aprovado pela Assembleia Legislativa para salvar a empresa, e também esclarecer de vez os boatos sobre uma possível privatização da companhia. Segundo Paulino, quando o empréstimo foi aprovado a direção da Cagepa se comprometeu a encaminhar aos deputados informações sobre o andamento do processo de saneamento financeiro da empresa, incluindo débito milionário junto ao BNDES.

“Até agora não recebemos nenhuma informação. Vamos cobrar o cumprimento do que ficou estabelecido antes da aprovação do empréstimo”, avisou Paulino.

O deputado Juthay Menezes (PRB) reforçou o discurso do colega oposicionista e disse que o Governo do Estado vem preparando o processo de privatização da Cagepa “na surdina”, sem que a sociedade saiba dos procedimentos para repassar a estatal ao capital privado. “Temos que acompanhar de perto tudo isso para que a Cagepa não seja vendida. A direção da empresa deveria se preocupar em esclarecer os super salários que lá existem”, sustentou.

O deputado governista Anísio Maia (PT) ainda esboçou uma defesa, mas preferiu adiar pronunciamento sobre a Cagepa. “Vamos aguardar um pouco porque muita coisa ainda será esclarecida”, justificou.

Comentar

Deputado nega desistência, mas garante que não vai brigar pela CCJ: “Vamos chegar ao consenso”

Imagem da Internet

O deputado Anísio Maia (PT) negou, na manhã desta terça-feira, que tenha desistido de pleitear a presidência da Comissão de Constituição e Justiça da Assembleia Legislativa da Paraíba. Anísio disse que continua no páreo, mas garantiu que não vai brigar pelo cargo. “Quem me conhece sabe que não ligo nem brigo por cargos. Os membros da CCJ foram indicados. Vamos agora eleger o presidente da comissão. Vamos nos reunir e discutir o assunto, mas temos certeza que chegaremos a uma decisão consensual”, sustentou.

Maia havia dito, semana passada, que não faria questão da presidência da CCJ. A declaração foi interpretada como uma desistência. Ledo engano. O deputado petista disputa o cargo com o colega Trócolli Júnior (PROS), que vem trabalhando firme para obter a maioria entre os integrantes da comissão.

Comentar

CPT fará campanha contra parlamentares que votarem pela aprovação da reforma da Previdência: “2018 vem aí”

Imagem da Internet

A Comissão Pastoral da Terra na Paraíba prepara documento cobrando da bancada federal paraibana posição contrária à reforma da Previdência Social proposta pelo governo Temer. Em reuniões regionais, promovida em todo o estado, a CPT vem coletando assinaturas de trabalhadores em apoio ao documento que deve ser encaminhado ao Congresso Nacional tão logo esteja concluído.

O documento não só cobra posicionamento, como também faz uma espécie de ameaça aos parlamentares paraibanos que pretendem disputar as próximas eleições. “2018 vem aí”, alerta o manifesto dos trabalhadores.

Segundo o deputado Frei Anastácio, a CPT deve fazer campanha de esclarecimento à população contra os parla,mentares que votarem a favor da reforma previdenciária. “Estamos percorrendo todo o estado para coletar o maior número de assinaturas possível”, explicou.

Comentar