Sindicato dos Caminhoneiros decide cumprir decisão judicial e 670 postos da Paraíba devem ser reabastecidos nas próximas horas

Imagem da Internet

O abastecimento dos 670 postos revendedores da Paraíba deverá ser regularizado nas próximas horas, isso por que o comando de greve do Sindicato dos Caminhoneiros resolveu acolher a decisão da justiça que liberou o acesso e o carregamento total dos veículos transportadores de combustíveis, revelou o presidente do Sindicato do Comércio Varejista de Derivados de Petróleo no Estado (Sindipetro-PB), Omar Hamad Filho, que participou, neste sábado (26), de uma reunião no Porto de Cabedelo. Omar elogiou a postura dos caminhoneiros, “que promoveu até aqui um movimento hordeiro”, voltou a ressaltar a causa como justa e disse que a Paraíba deve sair dessa situação em situação mais confortável que os demais estados.

Omar disse que o cumprimento da liminar não quer dizer que o suprimento aos postos esteja normalizado, uma vez que isso dependerá agora da decisão dos próprios motoristas, “mas acreditamos que estamos próximos da resolução do impasse”. “É importante dizer que não tivemos colapso de combustíveis, embora a escassez de produtos, fruto da mobilização justa dos caminhoneiros”, registrou.

Com paraibaja

Comentar

Lideranças políticas de Cuité anunciam apoio à pré-candidatura de Manoel Júnior ao Senado Federal

Imagem da Internet

O ex-deputado estadual e ex-prefeito de Cuité, Bando Venâncio, e a ex-prefeita da cidade e pré-candidata a deputada, Euda Fabiana, formalizaram, neste sábado (26), apoio a pré-candidatura do vice-prefeito de João Pessoa, Manoel Junior (PSC), ao Senado Federal, nas eleições estaduais deste ano na Paraíba.

Na manhã de hoje, Manoel Junior esteve em Cuité e foi recebido por uma comitiva de políticos e lideranças do Curimataú paraibano, liderados por Bado e Euda Fabiana.

Na oportunidade, Manoel Junior concedeu entrevista a uma emissora de rádio local e falou de seus projetos em prol do desenvolvimento da Paraíba no Senado Federal.

Entre as lideranças presentes ao encontro, destacam-se: o presidente da Câmara de Vereadores da cidade, Geraldo Leite; o vereador, Evanuel do Sindicato; o médico Gustavo Palmeira; os ex-vereadores de Cuité, José do Hospital e Vivi; o ex-vereador de Frei Martinho, Damião Eloi; o suplente de vereador Manásseis; e Everaldo do Sindicato, Adalberto da Câmara, João Paulo, João de Tunino, e o ex-secretário de Esportes, Pepé.

Com Assessoria

Comentar

Decisão judicial determina liberação de 100% do combustível estocado em Cabedelo para abastecer postos na Paraíba

Uma decisão liminar do juiz da 2ª Vara de Cabedelo determinou a liberação de 100% do abastecimento de combustíveis na Paraíba. A informação divulgada neste sábado (26), sexto dia de paralisação dos caminhoneiros, pela presidente da Companhia Docas, Gilmara Temóteo. Até então, conforme decisão judicial anterior, apenas 30% das cargas estavam sendo liberadas durante a paralisação dos caminhoneiros, que chega ao sexto dia.

Segundo o major Kelton, da Polícia Militar, a liminar determina a não obstrução do porto e dos terminais e o cumprimento que todos os postos da Paraíba sejam abastecidos na totalidade. “Vamos cumprir na íntegra a liminar. A partir deste sábado o abastecimento deve voltar a ser normalizado. Os terminais vão voltar a comercializar 100% do que era comercializado antes”, afirmou o policial.

De acordo com a presidente da Companhia Docas, “a determinação judicial é que não haja obstrução e todos os postos da Paraíba sejam abastecidos com o combustível armazenado aqui no Porto de Cabedelo”.

Greve dos caminhoneiros na Paraíba

A paralisação dos caminhoneiros começou na segunda-feira (21) e chegou ao sexto dia neste sábado (26) em rodovias da Paraíba contra os altos preços dos combustíveis. A greve é uma mobilização nacional, que fez parar quase todo o país. Muitos serviços, como transporte coletivo e abastecimento de combustíveis e alimentos foram afetados durante toda a semana. O presidente Michel Temer, no início da tarde da sexta-feira (25), acionou as forças federais para desbloquear as estradas.

Com G1

Comentar

Gervasio reforça compromisso contra privatização da Chesf em reunião com engenheiros da companhia

O presidente da Assembleia Legislativa da Paraíba (ALPB), deputado Gervásio Maia, se reuniu com engenheiros da Companhia Hidrelétrica do São Francisco (Chesf) e o presidente do Sindicato dos Trabalhadores Urbanitários da Paraíba (STIUPB), Wilton Maia, após o Governo Federal ter suspendido as negociações para a privatização da Eletrobras. Na reunião, ocorrida em Campina Grande, Gervásio reafirmou o compromisso do Poder Legislativo em defesa da Chesf, uma das subsidiárias da Eletrobras.

Na ocasião, o presidente da Assembleia ressaltou as ações da Casa Legislativa em defesa da Chesf. “Essa luta para que esse patrimônio dos nordestinos não seja privatizado começou em setembro do ano passado. A suspensão dessa negociação nos deixa muito felizes, principalmente porque ocorre em um momento muito difícil para o país”, afirmou Gervásio.

Em setembro do ano passado, o chefe do Legislativo paraibano se reuniu com o presidente da União Nacional dos Legisladores e Legislativos Estaduais (Unale), deputado Luciano Nunes, quando anunciou a criação da Frente Parlamentar do Nordeste em defesa da Chesf. “A privatização da Chesf põe em risco o projeto do Rio São Francisco, que tem função social e econômica para o Nordeste”, afirmou Gervásio na ocasião.

Vitória importante

Além de colocar em risco a soberania, como destacou o presidente Gervásio Maia, a privatização das seis companhias que integram a Eletrobras representaria a perda de pelo menos 7,5 mil empregos, segundo os sindicatos das empresas que integram a companhia.

A Eletrobras lidera um sistema de empresas de geração, transmissão, distribuição e comercialização de energia em todo o país, incluindo empresas como Chesf, Eletronorte e Furnas.

6Clique para compartilhar no Facebook(abre em

Comentar

Temer aciona Exército para desobstruir rodovias e garantir o cumprimento da lei e da ordem no País

Imagem: Reprodução da Internet

O presidente Michel Temer decretou na noite desta sexta-feira (25), o uso das forças federais para liberar as rodovias dos bloqueios impostos pelos caminhoneiros em greve e reabastecer o país com os produtos retidos nas estradas. O decreto, publicado em edição extra do Diário Oficial da União, autoriza o emprego das Forças Armadas no contexto da Garantia da Lei e da Ordem (GLO), até o dia 4 de junho.

Com isso, os militares darão apoio às forças policiais, como a Polícia Militar (PM), a Polícia Rodoviária Federal (PRF) e a Força Nacional, na liberação das estradas. Além disso, as Forças Armadas poderão requisitar veículos e levá-los para distribuição dos produtos que carregam, mas isso só será feito caso o dono do caminhão – seja a empresa ou o próprio motorista – se negar a seguir viagem.

“A requisição de bens é um item do menu de opções que o governo tem em qualquer circunstância. Na medida que as coisas não voltarem à normalidade, o governo vai usar o instrumento que tem. A requisição é um ato de posse. Requisita, utiliza e devolve. É uma hipótese. Poderá ser utilizada na medida que for necessária”, disse o ministro do Gabinete de Segurança Institucional (GSI), Sergio Etchegoyen, em entrevista coletiva realizada nesta sexta-feira no Palácio do Planalto, horas antes da edição do decreto.

Além de disponibilizar motoristas para o caso de requisição de veículos, as Forças Armadas também podem escoltar caminhões que transportam produtos essenciais, oferecer ao serviço policial caminhões-tanque e outros veículos necessários para o cumprimento da GLO.

A paralisação dos caminhoneiros chegou ao quinto dia nesta sexta-feira (25). Mesmo após o acordo, várias estradas continuaram obstruídas, ainda que parcialmente, pelos grevistas. De acordo com o governo, no entanto, as interdições reduziram de 938 para cerca de 500, sendo que em nenhuma das restantes houve interrompimento total do trânsito. Segundo o ministro-chefe da Casa Civil, Eliseu Padilha, as informações são passadas pelos postos da PRF espalhados pelo país.

Leia abaixo a íntegra do decreto:

DECRETO Nº 9.382, DE 25 DE MAIO DE 2018

Autoriza o emprego das Forças Armadas para a Garantia da Lei e da Ordem na desobstrução de vias públicas.

O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, no uso das atribuições que lhe confere o art. 84,caput, incisos IV e XIII, da Constituição, e tendo em vista o disposto no art. 15 da Lei Complementar nº 97, de 9 de junho de 1999,

D E C R E T A :

Art. 1º Fica autorizado o emprego das Forças Armadas para a Garantia da Lei e da Ordem em ações de desobstrução de vias públicas federais no período da data de entrada em vigor deste Decreto até 4 de junho de 2018.

Parágrafo único. As ações de desobstrução de vias públicas federais serão realizadas sob a coordenação do Ministério da Defesa em conjunto com o Ministério Extraordinário da Segurança Pública.

Art. 2º O emprego das Forças Armadas, na forma e no período previstos nocaputdo art. 1º, para a desobstrução de vias públicas estaduais, distritais ou municipais fica autorizado mediante requerimento do Chefe do Poder Executivo estadual ou distrital, acompanhado de elementos que demonstrem a insuficiência de meios da Polícia Militar do ente federativo.

§ 1º Na hipótese prevista no caput, a desobstrução será feita sob a coordenação das Forças Armadas e com o apoio dos meios da Polícia Militar do ente federativo requisitados.

§ 2º Fica dispensado o requerimento do Chefe do Poder Executivo estadual ou distrital a que se refere ocaputcaso a desobstrução de vias públicas estaduais, distritais ou municipais ocorram em cumprimento a decisão judicial, especialmente a medida cautelar deferida na Arguição de Descumprimento de Preceito Fundamental nº 519.

Art. 3º As ações previstas neste Decreto poderão incluir, em coordenação com os órgãos de segurança pública, após avaliação e priorização definida pelos Ministérios envolvidos:

I – a remoção ou a condução de veículos que estiverem obstruindo a via pública;

II – a escolta de veículos que prestem serviços essenciais ou transportem produtos considerados essenciais;

III – a garantia de acesso a locais de produção ou distribuição de produtos considerados essenciais; e

IV – as medidas de proteção para infraestrutura considerada crítica.

Parágrafo único. As ações previstas no caput, quando decorrentes do disposto no art. 2º, serão realizadas a juízo do Ministro de Estado da Defesa.

Art. 4º O Ministro de Estado da Defesa definirá a alocação dos meios disponíveis e o Comando que será responsável pela operação.

Parágrafo único. O Comando de que trata o caput assumirá o controle operacional dos efetivos e dos meios pertencentes aos órgãos de segurança pública federais, distritais e estaduais disponibilizados para a operação.

Art. 5º Este Decreto entra em vigor na data de sua publicação.

Brasília, 25 de maio de 2018, 197º da Independência e 130º da República.

Garantia da Lei e da Ordem

O governo vai acionar as forças de segurança federais para liberar as estradas e as Forças Armadas serão utilizadas para garantir o abastecimento da população. A notícia foi dada hoje (25), em entrevista coletiva no Palácio do Planalto.

Para isso, o ministro da Segurança Pública, Raul Jungmman, afirmou que o presidente Michel Temer deverá editar um decreto para permitir a requisição de bens, prevista na Constituição, para que alimentos, combustíveis, medicamentos e insumos cheguem à população, em todo o país. Ele acrescentou que os militares têm o respaldo legal para assumir a direção dos caminhões dos grevistas, se assim necessário. “O artigo 5, inciso 25 da Constituição Federal permite a requisição de bens, caso se faça necessário, em condições de pilotar veículo para que o desabastecimento seja contido e voltemos a ter distribuição regular”.

Com Agência Brasil

Comentar

Câmara Municipal aprova por unanimidade abertura de impeachment do prefeito afastado Leto Viana

Imagem da Internet

Reunidos em sessão da Câmara Municipal de Cabedelo na noite desta quinta-feira (24), os vereadores da cidade decidiram, por 14 votos a 0 (com uma ausência justificada), aprovar a admissibilidade do processo de impeachment do prefeito Leto Viana e do vice Flávio de Oliveira, ambos do PRP.

A ação dos vereadores em votar pela admissibilidade do processo é contrária ao que havia sido decidido na última terça-feira (22), quando a Procuradoria da Casa orientou os parlamentares a solicitar ao Tribunal de Justiça da Paraíba (TJPB) as provas contidas na ação contra o prefeito. Na ocasião, o parecer foi aceito pela maioria, adiando o processo de impedimento.

Leto é acusado de ter comandado uma organização criminosa que fraudava o erário público na cidade. O grupo atuava delapidando o patrimônio municipal desde 2013, de acordo com investigações do Grupo de Atuação Especial contra o Crime Organizado (Gaeco) do MPPB e da Polícia Federal.

O pedido de impeachment foi protocolado por cinco partidos (PSOL, PSB, PT, PCdoB e PTC). É preciso dois terços dos votos favoráveis ao impedimento para que haja cassação dos mandatos.

O prefeito Leto Viana foi preso durante a operação Xeque-Mate, da Polícia Federal, suspeito de participar de um esquema de corrupção na gestão municipal.

Organização criminosa

A ação que afastou Leto Viana do cargo resultou em denúncias contra 26 pessoas no bojo da operação Xeque-Mate. O grupo é acusado de ter montado uma organização criminosa na Prefeitura de Cabedelo. As irregularidades teriam ocorrido a partir da suposta compra do mandato do prefeito eleito em 2012, José Maria de Lucena Filho (Luceninha). Ele teria negociado a função pública para o pagamento de dívidas de campanha eleitoral. O beneficiado com a renúncia do gestor foi o então vice-prefeito, Leto Viana (PRP), que conseguiu ser reeleito em 2016. Pelo menos dez dos acusados chegaram a ser presos e afastados dos respectivos cargos ou funções públicas no curso da investigação.

Com paraibaja

Comentar

Gervasio prestigia lançamento da pré-candidatura de Anderson Maia a deputado estadual

O presidente da Assembleia Legislativa da Paraíba, Gervásio Maia, participou do lançamento da pré-candidatura de Anderson Maia (PSB), que vai concorrer a uma das 36 vagas na Assembleia Legislativa da Paraíba. O evento aconteceu na AABB, em Campina Grande, e reuniu centenas de pessoas.

Na ocasião, Gervásio destacou a força de trabalho e a altivez de Anderson para consolidar ainda mais o trabalho realizado pelo projeto socialista.“ Anderson é um jovem comprometido com as pautas da educação, juventude, esporte. Tem realizado um grande trabalho na Câmara de Campina Grande e temos certeza que somará muito a nossa base quando chegar na Assembleia.”, afirmou Gervásio.

Anderson Maia, que atualmente exerce o segundo mandato no cargo de vereador de Campina Grande, fez um balanço de sua atuação no legislativo municipal e disse que aceita o desafio de pleitear uma vaga na Casa de Epitácio Pessoa. “O projeto idealizado pelo governador Ricardo Coutinho revolucionou a Paraíba. Em Campina Grande não foi diferente. Defendemos a continuidade desse modo de gestão e acreditamos que temos muito que contribuir com a Paraíba”, ressaltou o socialista.

O Secretário Executivo de Planejamento do Governo do Estado e integrante da executiva nacional do PSB, Fábio Maia, defendeu a candidatura de Anderson, ressaltando que ele reforçará ainda mais o trabalho ao lado de João e Veneziano na Rainha da Borborema. “Anderson será um aliado de primeira hora de João e Veneziano na defesa dos pleitos da Paraíba. A política precisa de pessoas engajadas e alinhadas. Anderson será um reforço a nossa bancada na Assembleia. Temos certeza que terá grande trabalho por tudo que já vem fazendo na Câmara de Campina Grande”, afirmou o secretário.

Comentar

Com aval da nacional do PSC para disputar Senado, Manoel Júnior decide intensificar visitas em todo Estado

O vice-prefeito de João Pessoa, Manoel Júnior, retornou nesta quinta-feira de Brasília com uma notícia importante sobre seu projeto de disputar o Senado Federal nas eleições de outubro próximo. A direção nacional não só avalizou sua pré-candidatura, como a colocou como uma das prioridades do PSC na campanha eleitoral que se aproxima. A decisão, comunicada a Júnior pelo presidente do diretório nacional, Pastor Everaldo, era tudo que o ex-emedebista queria.

A partir de agora, Manoel Júnior tem total segurança de sua pré-candidatura. Não depende mais de decisões internas para concorrer ao pleito. Até porque o deputado federal Marcondes Gadelha, presidente do diretório regional, já tomado decisão semelhante.

Júnior vai agora aguardar as negociações, conduzidas por Gadelha, para saber em que coligação concorrerá. Por enquanto, o PSC permanece mais próximo do MDB, do senador José Maranhão, onde tem espaço garantido nas alianças majoritária e proporcional. Enquanto as coligações não são resolvidas, o vice-prefeito resolveu “arregaçar as mangas” e intensificar as visitas, buscando apoios.

Ontem mesmo, logo que chegou da Capital Federal, Júnior driblou a crise nos combustíveis e foi à Campina Grande se encontrar com lideranças políticas locais. Não quer perder tempo.

Comentar

Maranhão “pede cabeça” de presidente da Petrobras e redução dos impostos sobre combustíveis: “Governo tem margem para baixar”

Imagem da Internet

O senador José Maranhão (MDB) voltou a sugerir medidas do Governo Federal para reduzir o preço dos combustíveis e acabar com a greve dos caminhoneiros, que chegou ao quarto dia. Nesta quinta-feira, Maranhão usou novamente a tribuna do Senado Federal para tratar do assunto, “pedindo a cabeça” do presidente da Petrobras, Pedro parente, e criticando a carga tributária do Brasil. Segundo ele, os impostos federais somados ao ICMS chegam a 45% do valor dos combustíveis, índice que considera absurdo.

“Com as taxas e impostos elevados que o governo já cobrava sobre os combustíveis, o consumidor brasileiro já estava vergando de tanto peso tributário. Pois bem, houve um crescimento incidental e conjuntural decorrente de uma realidade do mercado internacional. Esse lucro não estava nos orçamentos do governo federal e dos governos estaduais. Então, a minha sugestão é que a solução de um problema dessa natureza, diante da gravidade do momento que nós atravessamos, é muito fácil: se o governo adotar uma compensação que não comprometa o orçamento que já vinha tendo com esses tributos, tanto o governo federal como os estaduais, não há prejuízo nenhum para o governo, que poderia ceder exatamente esse lucro eventual. Não é perda de receita. A receita seria preservada por uma diferença que não afetaria a totalidade. É uma solução prática. É só querer”, afirmou o parlamentar emedebista.

De acordo com Maranhão, a valorização do dólar e a alta do petróleo no mercado internacional provocaram os constantes reajustes dos combustíveis no Brasil, mas “com a alta carga tributária o governo passou a arrecadar mais e tem margem para reduzir os impostos em época de crise como esta”. Presidente do MDB na Paraíba e pré-candidato à sucessão estadual, o senador acusou o diretor da Petrobras, Pedro Parente, de não defender os interesses brasileiros.

“A Petrobrás é uma sociedade anônima de economia mista em que o Estado brasileiro é o acionista majoritário. Não existe diretor de Petrobras com poderes absolutos que se sobreponha ao poder do dono da empresa. O dono da empresa, em uma sociedade anônima é o acionista majoritário. Ora, quem é o acionista majoritário? É o Brasil. Então, o Sr. Pedro Paulo Parente, parente não sei de quem; do Brasil é que não é, não sei com que ânimo se arvora de absolutamente autônomo para adotar uma política contrária aos interesses nacionais”. sustentou Maranhão.

Disse o que muitos querem falar, mas não têm coragem.

Comentar

Partido destaca força dos caminhoneiros e sugere greve geral em apoio ao movimento

Imagem da Internet

O PSTU distribuiu nota nesta quinta-feira (24) propondo uma greve geral em apoio ao movimento dos caminhoneiros, que vem causando sérios prejuízos ao País. Segundo o presidente do partido na Paraíba, Antonio Radical, a greve dos caminhoneiros despertou “grande apoio popular” por enfrentar a alta de preços dos combustíveis e o Governo de Michel Temer, causas que merecem o endosso da sociedade brasileira. Veja abaixo a nota na íntegra:

NOTA

A greve dos caminhoneiros entra no seu quarto dia mostrando muita força. Despertou grande apoio popular por enfrentar a alta dos preços dos combustíveis e o governo Temer, o mais impopular da história do país. Ao parar a circulação de mercadorias, começa a ter consequências econômicas: fábricas começam a parar por falta de peças e se abre possibilidade de desabastecimento dependendo da duração da paralisação.

A greve coloca em xeque o governo-zumbi de Temer, obrigando o Congresso a se mexer, atropelando o Ministério da Fazenda. Foi assim que derrubaram a Cide (um imposto sobre os combustíveis). Porém isso não refresca muito os preços atuais, fazendo cair apenas 1,5% o preço da gasolina e 2% o do Diesel contra os mais de 15% de aumento.

A alta dos preços é causada pela política de privatização da Petrobras. O governo tenta privatizar e desnacionalizar o refino, vendendo só óleo cru para fora. Quatro refinarias estão na mira da privatização. A serviço dessa política, a direção da empresa, do PSDB, estabeleceu uma política de reajustes diários de acordo com a variação do câmbio e dos preços internacionais.

A paralisação dos caminhoneiros não está sozinha. Também estão parados os metalúrgicos da Mercedes Benz, no ABC, os rodoviários de Salvador, e os professores de diversas cidades também estão em greve. A luta dos caminhoneiros é um estopim em meio à insatisfação e à indignação geral dos trabalhadores e dos setores populares.

Em João Pessoa, os índios Potiguaras também estão em luta, chegaram a fechar a av Epitácio Pessoa, ontem dia 23, os professores da rede privada de Campina Grande e região também estão em luta e chegaram a organizar uma greve que não era vista no setor privado, há décadas. Várias ocupações urbanas resistem, como é o caso da ocupação Mulheres Guerreiras no bairro das Industrias que a justiça deliberou despejo para esta terça dia 22 e os moradores ainda resistem.

É preciso cercar essa greve de solidariedade e exigir que os sindicatos façam campanhas de apoio. Para além disso, é preciso estabelecer uma pauta de mobilização e unificar as lutas.

A situação do país vai de mal a pior. A economia retrocede novamente, ao contrário do que propagandeava o governo, derrubando as previsões anteriores de crescimento. O desemprego só sobe, conforme apontam os novos dados do IBGE.

Os banqueiros e as maiores empresas estão no lucro ao mesmo tempo em que jogam a crise nas nossas costas e vão entregando e subordinando ainda mais o país às multinacionais. Enquanto esperam as eleições em meio à grande crise e à divisão, a classe dominante e suas candidaturas (incluindo a maioria das que se dizem de oposição) não abrem mão do ajuste contra os de baixo.

É necessária uma pauta de reivindicações para a mobilização unificada a ser defendida por sindicatos e movimentos, que apoie e unifique as lutas existentes e enfrente a patronal e o governo. Uma pauta em defesa da redução da jornada sem redução dos salários, da redução do preço dos combustíveis e da defesa da Petrobras 100% estatal sob controle dos trabalhadores; pela revogação da reforma trabalhista e pela manutenção dos acordos coletivos, contra as privatizações (das refinarias da Petrobras, da Eletrobras etc.); contra qualquer reforma da Previdência (é preciso avisar a qualquer futuro governo que, se tentar atacar a aposentadoria, o Brasil vai parar); por moradia e reforma agrária; contra a criminalização dos movimentos sociais.

É preciso exigir esse posicionamento das organizações da classe que, para isso, precisam agir em defesa dos trabalhadores de forma independente da patronal e com uma política de mobilização social.

Nas lutas dos trabalhadores em defesa de seus direitos e reivindicações, continuaremos fazendo um chamado à rebelião e defendendo um projeto socialista. Para mudar de vez essa situação, impedir a entrega do país, acabar com o desemprego, com a violência, com a corrupção e garantir condições dignas de vida para a maioria, será preciso derrotar os de cima (os banqueiros e as grandes empresas multinacionais e nacionais) e conquistar um governo socialista dos trabalhadores que governo por conselhos populares.

FAZEMOS UM CHAMADO ÀS CENTRAIS SINDICAIS E ENTIDADES: POR UM DIA DE LUTA E PARALISAÇÃO NACIONAL, DE GREVE GERAL, EM APOIO AOS CAMINHONEIROS E DEMAIS GREVES E PELAS SEGUINTES REIVINDICAÇÕES

– Abaixar o preço dos combustíveis e do gás de cozinha
– Redução da jornada sem redução dos salários, contra o desemprego,
– Aumento dos salários
– Anulação da reforma trabalhista e mais uma vez dizemos não a qualquer reforma da previdência
– Não às privatizações e Petrobrás 100% estatal e sob controle dos trabalhadores
– FORA TEMER, FORA TODOS ELES!!

PSTU

Comentar