Tunel da Lagoa volta a estourar, “jorrando” peixes e atestando obra vergonhosa: Vereadores insistem em CPI

Vereadores na Lagoa

Foram poucas horas de chuva nesta segunda-feira, mas suficientes para mostrar populao a vergonhosa obra executada pela Prefeitura de Joo Pessoa na Lagoa do Parque Solon de Lucena. Com o tnel construdo para escoamento do excesso de gua estourado pela terceira vez, moradores e transeuntes constataram novamente o “milagre dos peixes” jorrados do asfalto da Avenida Padre Azevedo, no centro da cidade. Milagre que s os tcnicos da PMJP e da empresa responsvel pela obra podem explicar.

Os vereadores Renato Martins (PSB), Raoni Mendes (DEM) e Bruno Farias (PPS) visitaram o local e lembraram a necessidade de instalao de uma Comisso Parlamentar de Inqurito pela Cmara Municipal para investigar o problema e a obra da Lagoa, de forma geral. A bancada de Oposio bem que tentou, anteriormente, mas esbarrou numa deciso do desembargador Marcos Cavalcanti, presidente do Tribunal de Justia, cassando liminar do juiz Marcos Sales, da 1
Vara da Fazenda Pblica da Capital, que determinava a instalao de CPI solicitada pelos vereadores.

Com o primeiro pedido arquivado, os vereadores analisam agora a possibilidade de apresentao de um novo pedido de CPI. O tnel superfaturado rachou. Peixe e muito dinheiro desperdiado no asfalto. Envergonhada, desta vez a gesto Cartaxo colocou lona. Calar a CPI no muda a verdade, s ajuda a impunidade. Recuperar os recursos tambm recuperar esta obra, comentou o vereador Renato Martins, lder da Oposio, que fez um vdeo do local e postou em sua pgina no Facebook.

Se t difcil a criao da CPI, o jeito aguardar o resultado das investigaes do Ministrio Pblico Federal e da Polcia Federal, que j constataram srias divergncias entre informaes fornecidas pela gesto de Cartaxo e por donos da empreiteira responsvel pela obra. Nos prximos dias, devemos ter novidades sobre o caso. A vergonha constatada pela terceira vez na obra apenas aumenta a esperana de que este episdio no entrar para o rol das impunidades.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

O blog não se responsabiliza pelo conteúdo exposto neste espaço. O material é de inteira responsabilidade do seu autor